gal vence

Fim de Semana com as Super Taças - Vamos encher os Pavilhões - mas com dignidade a Modalidade merece
Calendário e Resultados na Barra Direita

segunda-feira, 31 de março de 2014

Crónica de Fim-de-semana – 23 – 2013 / 2014 - II

Crónica possível dedicada á PO02. De destacar que o site da Federação no próprio sábado estava com todos os boletins lançados nas classificações, o que é uma significativa melhoria de saudar.
 
PO02 – Campeonato Nacional da 2.ª Divisão Seniores Masculinos.

Zona Norte – Resultados
24.ª Jornada
Santo Tirso 23 - 24 Marítimo
São Bernardo 25 - 23 Fermentões
FC Infesta 35 – 36 FC Porto “B”
Xico Andebol 40 - 28 AD Sanjoanense
SP Oleiros 24 – 20 Modicus
São Mamede 32 - 24 Santana
FC Gaia 32 - 26 Académico FC 
 
Apurados para Fase Final – Xico Andebol e Santo Tirso
 
Agora que se aproxima a final desta 1.ª Fase, onde se definem os apuramentos para a Fafe Final, e se acumula o máximo de pontos para a Fase de Apuramento, onde descem 2 (duas), os jogos vão tornando mais “quentinhos” e começam a surgir os jogos com relatório disciplinar, nesta jornada felizmente foram apenas 2 (dois). Com alguns jogos de grande equilíbrio, duas grandes surpresas se registaram, A vitória do Marítimo em Santo Tirso pela diferença mínima, num encontro sempre bem disputado e com grande equilíbrio, com a equipa da Madeira já a vencer ao intervalo pela mesma margem (11-10), este foi um dos encontros em que foi retificado o resultado verificado na 1.ª volta. Outro jogo onde se verificou um resultado inesperado foi disputado em São Mamede com a equipa local a perder com (na nossa opinião) uma das equipas mais irregulares, diga-se em termos competitivos, o CDC Santana, que desta forma também retificou o resultado da 1.ª volta, o equilíbrio foi constante durante todo o encontro com a equipa visitada a chegar ao intervalo na posição de vencedora (17-15), Tiago Andrade do São Mamede com 12 golos, bem como Gustavo Almeida do Santana com 10 golos foram as figuras das suas equipas. Com estes resultados e com o facto de o FC Porto “B” que têm 1 (um) jogo a mais, e que venceu pela margem mínima a equipa do FC Infesta, no entanto vencia ao intervalo por 20-12, apesar dos 12 golos de Rui Moreira e dos 10 golos de André Azevedo do FC Infesta terem sido insuficientes para levar a sua equipa á vitória, destaque ainda no FC Porto “B” para os 10 golos de Miguel Alves, existe a possibilidade matemática de 3 (três) equipas (FC Porto “B”, São Mamede e o Marítimo) chegarem ao fim em igualdade pontual (61 pontos), e nesse caso o critério de desempate, daria o terceiro lugar ao FC Porto “B” (com 10 pontos nos jogos entre si). Em São Bernardo a equipa local venceu os Fermentões que têm dado indicações de “quebra nos últimos encontros, no entanto como demonstra o resultado foi um jogo equilibrado, com a equipa da Região de Aveiro a retificar o resultado da 1.ª volta. Em Oleiros a equipa local venceu o Modicus sem grandes dificuldades, retificando igualmente o resultado verificado na 1.ª volta. Em Guimarães o Xico Andebol, fez jus ao seu forte favoritismos derrotando claramente a AD Sanjoanense, num encontro de sentido único, onde Bruno Pinto da Sanjoanense foi o melhor marcador do encontro com 11 golos. O FC Gaia venceu também sem grandes problemas a equipa do Lima o Académico FC, com o seu atleta Pedro Garcia a marcar 11 golos. Após a realização desta jornada a classificação ficou assim ordenada, (apenas até ao 6.º Lugar): 1.º Xico Andebol (67 pontos), 2.º Santo Tirso (65 pontos), 3.º FC Porto “B” (60 pontos, + 1 jogo), 4.º São Mamede (59 pontos), 5.º Marítimo (55 pontos), e 6.º CDC Santana e CCR Fermentões (48 pontos). 
 
Zona Sul – Resultados
24.ª Jornada
Boa Hora - Samora Correia (Adiado 09-04-14)
Ílhavo 25 - 23 IFC Torrense
Ginásio Sul 25 - 30 CDE Camões
NA Redondo 26 - 20 Vela Tavira
Sismaria 21 - 28 CD Marienses
Alto Moinho 28 - 30 Vitória FC
ADC Benavente 23 - 22 Benfica "B"
 
Apurados para Fase Final – Benfica “B”
 
Após já estar definido apuramento em definitivo do Benfica “B” para a Fase Final. Esta jornada comporta alguns factos que importa salientar, quando ainda estão em discussão os outros dois lugares para a Fase Final. Primeiro o incompressível adiamento do Jogo Boa Hora / Samora Correia, no entanto devemos esclarecer que em termos regulamentares para o adiamento se realizar teve de haver o acordo dos dois intervenientes, mas terão os motivos apresentados alguma justificação plausível? É um assunto que de momento nem queremos questionar. Pois como tacticismo saiu um pouco furado, já que na grande surpresa da jornada o ADC Benavente que recebeu o Benfica “B”, venceu num jogo de grande equilíbrio, com Ricardo Barrão mais uma vez em grande evidência ao marcar 12 golos, este foi um dos dois resultados retificados em relação á 1.ª volta da Prova. O Outro resultado que foi retificado disputou-se no Alto Moinho onde o Vitória FC que dá mostras de fortes melhorias, foi vencer num encontro sempre jogado com grande equilíbrio, como confirma o resultado que se verificava ao intervalo (uma igualdade a 14 golos). Na Cova da Piedade, disputou-se um dos encontros que poderia ter influência no apuramento, com a equipa local o Ginásio Sul a receber o CDE Camões, que depois de uma primeira metade do jogo pautada pelo equilíbrio (uma igualdade a 14 golos ao intervalo), O Camões arrancou em definitivo para a vitória e teve no “veterano” Tiago Santos com 11 golos o seu elemento chave. No entro que colocou frente a frente o Sismaria com os açorianos do CD Marienses, estes alcançaram uma excelente vitória, num encontro que no entanto teve exclusões a mais (14), 7 para cada lado. Apesar desta vitória a equipa Insular já não qualquer hipótese de discutir o apuramento porque o máximo de pontos que poderá conseguir será de 63, contra os 64 de mínimo que CDA Camões e ADC Benavente irão obter, ficará ainda na corrida para o apuramento o Boa Hora que poderá atingir como máximo os 65 pontos, assim o encontro CDE Camões / ADC Benavente da próxima jornada poderá ser decisivo, esperamos que o CA esteja atento a estes encontros. O Ílhavo voltou a vencer o IFC Torrense, num jogo também ele de grande equilíbrio, e regista como facto principal o ter sido o único encontro da zona com relatório disciplinar. O NA Redondo, não sentiu grandes dificuldades em levar de vencida o último classificado da zona o Vela de Tavira. Após a conclusão destes jogos a classificação, ficou assim ordenada até ao 6.º Lugar: 1.º Benfica “B” (68 pontos), 2.º CDE Camões e ADC Benavente (62 pontos), 4.º CD Marienses (57 pontos), 5.º Boa Hora (56 pontos, - 1 jogo), e 6.º Ílhavo (45 pontos).

O Banhadas Andebol

Apuramento – Europeu Sub 20 – 2014 – Masculino - I

Portugal vai disputar o seu Grupo de Apuramento para a Fase Final do Europeu Sub 20 – 2014, a decorrer de 24 de Julho a 3 de Agosto de 2014 na Áustria. 
 
A Constituição dos Grupos é:

Grupo 1 – Espanha, Noruega, Montenegro e Geórgia.
Grupo 2 – Dinamarca, Republica Checa, Polonia e Eslováquia.
Grupo 3 – Croácia, Suíça, Lituânia e Hungria.
Grupo 4 – Bielorrússia, França, Rússia e Ucrânia.
Grupo 5 – Eslovénia, Finlândia, Turquia e Estónia.
Grupo 6 – Roménia, Israel, Ilhas Faroé, Luxemburgo.
Grupo 7 – Islândia, Macedónia, Grécia e Itália.
Grupo 8 – Sérvia, Portugal, Grã-Bretanha e Holanda. 
Nota – Os Grupos 1 a 5 apuram as duas primeiras Classificadas, enquanto os Grupos 6 a 8 apenas apura o 1.º Classificado. Serão disputados de 4 a 6 de Abril de 2014.
 
A Seleção Nacional, entrou em estágio dia 31-03-14 durante 3 dias, que antecedem a partida para a Sérvia, local onde será disputado Grupo.
 
Lista dos convocados, sem comentários:
Calendário do Grupo de Portugal:

1.ª Jornada
Dia 04-04-14
Portugal – Holanda (16H00)
2.ª Jornada
Dia 05-04-14
Grã-Bretanha – Portugal (16H00)
3.ª Jornada
Dia 06-04-14
Sérvia – Portugal (12H00)

Horas Locais

Deseja-se boa sorte a toda a comitiva, pois a tarefa não é nada fácil.
 
O Noticias

Crónica de Fim-de-semana – 29 – 2013 / 2014 – I

Mais uma jornada da PO01 Fase Final Grupo “A”, e do Grupo “B”, além de alguns jogos que se encontravam em atraso. 
 
Não se entende que ao dia de hoje não existam nomeações de árbitros, e os do jogo que se realizou em 25-03-14, apenas foi divulgado no próprio dia, será que se voltou ao secretismo. Este tipo de atitudes não é saudável para a modalidade
 
Face á nota informativa que a FAP emitiu, suspende-mos temporariamente qualquer comentário acerca do funcionamento do site da Federação durante os fins-de-semana, esperando que seja cumprido tudo o que consta da nota informativa
 
PO01 – Campeonato Nacional da 1.ª Divisão Seniores Masculinos.
 
Fase Final

Grupo “A”
2.ª Jornada
Dia 26-03-14
SC Horta 23 - 28 ABC
Sporting 30 - 30 Benfica
3.ª Jornada
FC Porto 33 – 24 Águas Santas
4.ª Jornada
Dia 29-03-14
Águas Santas 30 - 28 SC Horta
Dia 30-03-14
FC Porto 20 - 25 ABC
 
A crónica desta semana, começa, com o jogo que se encontrava em atraso da 3.ª Jornada, e que já vai sendo também um dos clássicos da modalidade o FC Porto / Águas Santas, que terminou com a vitória do FC Porto. Em Braga no Flávio Sá Leite disputou-se o SC Horta / ABC, referente á 2.º jornada da prova, sendo o 3 jogo em três dias disputado pelos insulares em 6 dias, e este com a ordem invertida, para aproveitar a sua estadia no Continente, e desta forma apenas gastas verbas numa viagem. Como se esperava o ABC venceu, mas passou por dificuldades não esperadas como o demonstra o resultado verificado ao intervalo quando vencia pela diferença mínima. No segundo período de jogo, os minhotos ampliaram a sua vantagem, fruto do cansaço acumulado pelos açorianos, e depois de alguns sustos, passaram a comandar o marcador sem grandes dificuldades. De destacar mais uma vez o “veteraníssimo” Yuriy Kostetkyy com 8 golos, seguido pelo jovem Diogo Simão com 5 golos. No ABC Total destaque para outro jovem, o João Pinto com 11 golos, sendo mesmo o melhor marcador da equipa e do jogo. Realizou-se ainda mais um clássico da modalidade o Sporting / Benfica que terminou com uma igualdade, com este resultado o FC Porto afasta-se dos seus mais diretos adversários. Na Maia disputou-se mais um encontro deste Grupo o Águas Santas / SC Horta, que terminou co a difícil vitória do Águas Santas, num encontro em os insulares conseguiram impor o ritmo de jogo que mais lhes convinha, e apesar de um mau começo, pois perdiam por 8-2 aos 10 minutos, recuperaram e deram sempre uma excelente réplica, colocando grandes dificuldades á equipa adversária, atingindo o intervalo ao perderem apenas por 3 (três de diferença). Nos segundos 30 minutos com SC Horta continuar o seu jogo a ser pautado pelo seu mais experiente jogador Yuriy Kostesskyy (9 golos) que continua possuidor de uma técnica invejável apesar do “veteraníssimo”, bem acompanhado por Tiago Silva (4 golos) e com Nuno Silva a ser muito importante na baliza, tal como o seu colega de posto Telmo Ferreira no Águas Santas, chegaram á diferença mínima aos 45 minutos (25-24). Uma referencia para as bolas nos poste seguidas (3) de Yuriy e para os contra ataques completamente falhados da equipa insular. NO Águas Santas de referir o abaixamento de forma de Pedro Cruz (5 golos), e para o bom momento que atravessam Nuno Roque (7 golos) e Bosko (4 golos). A jornada terminou com dos clássicos da modalidade, disputado no Dragão Caixa, muito bem composto de público, que deve ter saído satisfeito com o espetáculo que lhes foi proporcionado, o FC Porto / ABC, que terminou com a sensacional vitória dos academistas de Braga, que desta forma mantiveram a sua invencibilidade neste Grupo que define o Campeão Nacional, sendo agora uns dos grandes favoritos á conquista do título Nacional. O ABC que no fim dos primeiros 30 minutos perdia pela diferença mínima não se intimidou, e com uns segundos 30 minutos cheios de garra determinação e qualidade, com uma orientação que interveio sempre com oportunidade, fez um parcial de 7-0 em 13 minutos, ganhando assim a frente do marcador e rapidamente construiu um diferencial que aos 43 minutos de jogo já se cifrava numa vantagem de 6 golos que soube gerir, para nos momentos finais quando o FC Porto procurava a sua recuperação que chegou a aproximar-se por diversas vezes (21-19 aos 55 minutos), mas reagiram sempre com qualidade e tiveram em Humberto Gomes (46% de eficácia) na Baliza um obstáculo que os portistas sentiram grande dificuldade em ultrapassar. No FC Porto, apenas (na nossa opinião) Gilberto Duarte esteve ao seu nível com 7 golos marcados, pois tirando Hugo Laurentino que enquanto esteve na baliza foi bastante eficaz, os restantes estiveram abaixo do que podem e sabem produzir. No ABC, além do homem da baliza e que já referimos deve-se salientar a excelente prestação do “renascido” Nuno Grilo com 8 golos, e a atitude de Pedro Seabra Marques (5 golos) a jogar, fazer jogar, a sofrer e a marcar. Após a conclusão desta jornada a Classificação ficou assim ordenada, 1.º ABC e FC Porto (40 pontos), 3.º Sporting (38 pontos), 4.º Benfica (37 pontos), 5.º Águas Santas (35 pontos) e 6.º SC Horta (24 pontos).

FC Porto 33 – 24 Águas Santas
 
No Dragão Caixa, com menos publico do que era esperado disputou-se o jogo que faltava da 3.º Jornada, onde a equipa do FC Porto, defrontou a equipa que acabou com a sua invencibilidade em termos nacionais ao fim de 82 jogos, quando aí foi vencer na 1.ª Fase do Campeonato o Águas Santas, por sinal duas das equipas que esta época tem tido um bom comportamento nas Competições Europeias onde participaram (FC Porto) e participam (Águas Santas), esperava-se um encontro mais equilibrado e com uma qualidade andebolística superior aquela a que assistimos. Mas também temos de compreender que enquanto uma das equipas já só se preocupa em termos nacionais, a outra veio de um recente jogo das Competições Europeias, e quando a manta é “curta” tapa-se de um lado destapa-se do outro, e assim apenas se registou equilíbrio até cerca dos 14 minutos de jogo (8-8), entretanto já Hugo Laurentino tinha sido substituído na baliza do FC Porto por Alfredo Quintana, que deu outra segurança, com a equipa Maiata a chegar a estar a vencer por 2 (dois) golos de diferença (8-6), mas um Time Out de equipa, cheio de oportunidade solicitado pelo técnico do FC Porto, mudou por completo o rumo dos acontecimentos, com a equipa da casa a fazer um parcial de 6-1, e cerca dos 19 minutos vencia já vencia por 12-9, agora com um Time Out do técnico do Águas Santas, mas que não produziu os efeitos desejados, pois os maus passes e as bolas perdidas, continuaram a ser uma constante, enquanto o FC Porto, em rápidos contra ataques e com uma execução de rápidos Lançamentos de saída, e contando um Gilberto Duarte que na nossa opinião foi a grande figura do jogo não só a atacar (11 golos) como a defender, rapidamente estabeleceu uma diferença confortável, chegando ao fim dos primeiros 30 minutos a vencer por 20-14. De registar a desqualificação direta de Nuno Roque (6 golos) que estava ser um dos elementos chave da equipa cerca dos 27 minutos de jogo. Na equipa do Águas Santas, também não teve um Telmo Ferreira nos seus dias. No Segundo período de jogo a equipa da Maia, a partir dos 24-15 cerca dos 35 minutos e jogo, deu o jogo como perdido, pois começaram as substituições com a entrada dos jovens do plantel, como João Barbosa, Pedro Vieira e Mário Oliveira como exemplos, mas que em alguns momentos do jogo deram boa conta de si, enquanto o FC Porto, fazia não a gestão do seu plantel como a completa gestão do resultado, permitindo algumas recuperações que deixavam o seu técnico insatisfeito, com as faltas técnicas que eram praticadas pela equipa. Não nos devemos esquecer o excelente jogo efetuado por Wilson Davyes (6 golos). O Encontro terminou por uma diferença de 9 (nove) golos que foi a maior diferença registada em diversos momentos do segundo tempo. Com esta vitória o FC Porto assume isolado o comando da prova. O Encontro foi dirigido pela dupla EHF de Braga constituída por Daniel Freitas e Cesar Carvalho, que em nossa opinião não estiveram equilibrados no critério disciplinar, que não foi coerente, sendo a desqualificação de Nuno Roque um exagero da interpretação da regra, pois o seu adversário no momento da falta, tudo fez para que os árbitros punissem com o CV a falta praticada por Nuno Roque. No entanto estiverem bem nos livre de 7 metros e nos passos.

Sporting 30 – 30 Benfica

Em Mafra com o pavilhão completamente cheio, o que prova que existe público para a modalidade, apenas basta darem-lhe a perspetiva de bons jogos. Realizou-se um dos grande clássicos da modalidade o Sporting / Benfica, que tal como se previa foi um encontro de total equilíbrio, embora repartido por diversos períodos ao longo do jogo. Assim total equilíbrio durante os primeiros 30 minutos, onde a maior vantagem que uma equipa conseguiu foi de 2 (dois) golos (sporting) como por exemplo á passagem do minuto 23 quando vencia por 12-10, para o Benfica reagir, e terminar o primeiro período a vencer por 16-15. Deve-se ainda dizer que até nas faltas técnicas e nos maus passes as equipas estiveram equilibradas nestes 30 minutos iniciais, onde as grandes figuras foram os respectivos guarda-redes Ricardo Candeias e Hugo Figueira. O Benfica com uma forte entrada no segundo tempo, passou a comandar o marcador, fator que manteve até cerca dos 27 minutos, quando vencia pela diferença mínima 29-28, chegando a ter uma vantagem de 4 golos, por diversas vezes como por exemplo aos 42 minutos (24-20), e aos 54 minutos (29-25), mas uma forte reação do Sporting, que fez um parcial de 5-0, colocou a equipa na frente do marcador a 45 segundos do fim do encontro por 30-29. Mas, José Costa (6 golos) uma das figuras do encontro ainda teve tempo para estabelecer a igualdade final a 15 segundos do fim com a equipa do Sporting a falhar o último ataque de forma infantil. Existem ainda alguns factos interessantes que não se devem esquecer como a entrada de Vicente Alamo para defender 2 livres de 7 metros em momentos cruciais do encontro. Pedro Portela (3 golos) que não esteve tão eficaz como de costume. Destaca-se os 9 (nove) golos de Pedro Solha, e a excelente exibição do cubano Frankis Marzo (7 golos), tanto a defender como a atacar, os mesmos golos que marcou Fábio Magalhães, que por vezes parece “infantil” na forma como tenta decidir as jogadas. No Benfica teve na rapidez e argucia de Dario Andrade (6 golos) uma das suas principais armas, e no reforço da época Elledy Semedo (7 golos) uma das suas principais armas, não só pelo que jogou, mas pela forma decidida como rematou. Cláudio Pedroso (5 golos), quando o deixam rematar é um perigo constante. Dirigiu o encontro a dupla IHF de Leiria constituída por Ivan Caçador / Eurico Nicolau, que efetuou uma boa atuação, do melhor que lhe vimos esta época, esperemos que assim se mantenham.

Grupo “B”
4.ª Jornada
Dia 29-03-14
AC Fafe 26 - 27 Passos Manuel
Belenenses 30 - 21 AA Avanca
Dia 30-03-14
Ismai 41 - 35 Madeira SAD

Mais uma jornada, para se saber quem vai descer de divisão, que começou com um Belenenses / Avanca, que terminou com uma vitória da equipa do Restelo, que assim consegue mais um resultado positivo, contrariando o mau inicio desta Fase, e com este resultado a AA Avanca fica cada vez mais última e muito próxima de estar definitivamente afastada da PO01, e sendo a única equipa que ainda não venceu neste Grupo e nesta Fase. O Belenenses controlou quase sempre o jogo, tendo concluído os primeiros 30 minutos já na frente do marcador por 14-11. Na equipa de Belém, Edgar Landim voltou a ser o seu elemento mais produtivo com 6 golos. Na equipa da Artística, começa a notar-se muita ansiedade na equipa que por vezes não produz aquilo que deveria. No Minho mais propriamente dito em Fafe, disputou-se o AC Fafe / Passos Manuel, tendo esta semana ocorrido aquilo a que normalmente se designa por “chicotada psicológica”, com a substituição do treinador do Fafe, tendo este encontro sido dirigido pelo antigo adjunto, mas pelo que nos é dado observar no encontro de hoje foi uma situação que nada resolveu, pois ao intervalo os liceais de Lisboa já venciam por 17-10, mas foi “sol de pouca duração”, pois os minhotos entraram com toda a força e determinação, efetuando um parcial de 4-0, e igualdando o jogo quando fizeram um parcial de 10-3 nos segundos 30 minutos, o Passos Manuel, parecia adormecido, e o jogo acaba por terminar com uma vitória da equipa de Lisboa, pela diferença mínima, refletindo o equilíbrio que se registou em especial nos últimos 15 minutos. Foi jogo que pelo tempo que demorou teve certamente muitas interrupções. Com esta vitória e quipá do Passos pode começar a sonhar com a manutenção na PO01.No AC Fafe Cláudio Mota com 9 golos e Pedro Peneda com 6, foram as figuras a destacar, enquanto nos lisboetas foram como de costume Belone Moreira com 9 golos e Pedro Sequeira com 8 os marcadores de serviço. A jornada terminou na Maia como Ismai / Madeira SAD, onde o Ismai venceu e convenceu dando origem á primeira derrota nesta Fase da equipa madeirense, foi certamente um jogo de loucos face ao número de golos registado no encontro (76), com esta vitória o Ismai fica a ser a única equipa deste Grupo que nesta Fase ainda não sofreu qualquer derrota, podendo isto significar que está a afastar-se do espectro da descida de divisão, de salientar os 11 golos marcados por António Ventura do Ismai e os 9 golos do Angolano Elias António, enquanto no Madeira SAD o cubano Yoel Morales voltou a ser o seu melhor marcador com 9 golos, sendo bem acompanhado por Diogo Gomes com 8 golos. Classificação após a conclusão da jornada: - 1.º Madeira SAD (29 pontos), 2.º Ismai e Belenenses (28 pontos) 4.º Passos Manuel (26 pontos), 5.º AC Fafe (20 pontos) e 6.º AA Avanca (18 pontos).

O Banhadas Andebol

domingo, 30 de março de 2014

14.º Curso de Árbitros EHF na Grécia – No Feminino

MARTA SÁ / VÂNIA SÁ – A NOVA DUPLA INTERNACIONAL

Neste curso que contou com uma dupla portuguesa feminina, realizou-se na Grécia (Larissa) de 26 a 30-03-14. A presença Feminina Portuguesa foi através da dupla Marta Sá / Vânia Sá. Que segundo as informações transmitidas pelo site da FAP, ficaram aprovadas no referido curso, passando deste modo a Internacionais EHF, á dupla endereçamos os nossos parabéns. 
Jogos dirigidos pela dupla Portuguesa

Grupo A – Moldávia / Bélgica (26-03-14) e Letónia / Bélgica (28-03-14)
1/2 Final – Bulgária / Bélgica (30-03-14)
 
O Curso foi realizado em simultâneo com a prova designada por IHF/EHF Women’s Trophy 2014, e que deveria contar com mais 4 duplas candidatas, apenas teve 3, pois a dupla da Eslovénia pelo que nos é dado a perceber não compareceu: 

  • Maike Schilha / Tanja Schilha (Alemanha)
  • Maria Bennani / Safia Bennani (Suécia)
  • Olena Kaverina / Marina Slieptsova (Ucrânia)
Estiveram ainda presentes no curso a dupla Grega Christina Ralli / Sofia Ralli que se candidatou ao "EHF Young Referees”, e a dupla Argentina Maria Ines / Maria Florencia que fazem parte do programa “IHF Global Referee Training Program”
 
Todas as duplas, estiveram presentes em 3 jogos, exceto as duplas Sueca (final) e Alemã (3/4 lugar) que dirigiram 4 jogos
 
O Curso realizou-se em paralelo com a prova já referida, contando com a presença de 8 Países, divididos em duas séries, que disputaram um total de 20 jogos.
 
Classificação final: 1.º Bulgária, 2.º Israel, 3.º Grécia, 4.º Bélgica 5.º Letónia, 6.º Estónia, 7.º Moldávia e 8.º Arménia.
 
O Formador

Competições Europeias 2013 / 2014 – LVI

Masculinos 
EHF CUP
 
SPORTING APURADO PARA OS 1/4 FINAL (Confirmado)
Conforme dissemos na nossa última crónica, apenas hoje e com garantia de segurança poderíamos dizer que o Sporting estava ou não apurado para os 1/4 Final, hoje já podemos dar essa garantia, pois a conjugação de resultado permite esta afirmação.
 
Füchse Berlin – Apurado para a Final Four que organiza.
 
Apurado para as 1/4 Final 

Grupo A – Luigi HF (Suécia)
Grupo B – Montpellier HB (França) e Sporting (Portugal)
Grupo C – Pick Szeged (Hungria) e HBC Nantes (França)
Grupo D – HCM Constanta (Roménia)
 
O Sorteio realiza-se em 01-04-14, com a 1.ª Mão a ser disputada em 19/20-04-14 e a 2.ª Mão a ser disputada em 26/27-04-14. 
 
O Noticias

Europeu 2014 – Seniores Femininos - VII

Portugal voltou a jogar uma nova jornada (a 4.ª) do seu Grupo de apuramento para a Fase Final do Euro 2014 que vai decorrer de 7 a 21 de Dezembro na Croácia e Hungria em organização conjunta. Voltando a defrontar a forte equipa da Polónia desta vez em Zielona Goral na Polónia, e face ao resultado verificado bem poderemos afirmar que mais uma vez estamos completamente afastados da Fase Final, a 2 (duas) jornadas do fim da disputa do grupo.
 
Uma nota, apenas para voltar a perguntar, por que motivo não foram divulgadas as atletas que fizeram o estágio final antes do jogo, e que se deslocaram?
 
4.º JOGO, 4.ª DERROTA DE PORTUGAL NOVAMENTE FRENTE Á POLONIA 
Num Pavilhão completamente cheio de um público entusiasta (5000 espectadores), Portugal apenas existiu até aos 20 minutos, momento em que se registava uma igualdade a 7 golos. Portugal que se apresentou a defender com alguma razoabilidade e com sistema agressivo durante todo tempo de jogo, sofreu a grande maioria dos golos no primeiro tempo na zona dos 6 metros e de livre de 7 metros (4 no 1.ª Tempo), a sua graande maioria derivado, de ataques “infantis”, percas de bola, e maus passes, poderemos conclui que a direferença de 6 golos registada ao ao intervalo a favor da Polónia (14-8), derivaram na sua grande maioria dos factos já desitos e dos 7 metros sofridos, e semais não foram por na baliza de Portugal se encontrava uma jovem de nome Isabel Góis que fez na nossa opinião uam excelente exibição. Portugal não converteu uma única ocasião de golos nos últimos 6 minutos do primeiro tempo e sofreu um parcial de 4/0. No segundo período de jogo, após uma excelente entrada em jogo em que Portugal faz um parcial de 4/0 em cerca de 5 minutos, colocando o resultado em 14-12 a favor da Polónia, rapidamente o jogo se transformou numa “fotocópia” do primiero tempo, mais uma vez razoavelmente na defesa, mas o ataque sem soluções e com deficiências nítidas ao nível da recepção e do passe, o que a este nível se paga caro.Mais uma vez sofremos quase todos os golos de cntra ataque e aos 6 metros e novamente os 7 metros (5 no 2.º tempo) voltaram a ser decisivos no resultado final. Não se entende a substituição da Isabel Góis por Jessica Ferreira, cerca dos 53 minutos de jogo (25-18). Uma referência para Mariana Lopes que com 7 golos foi a melhor marcadora do encontro, seguida de Maria pereira com os seus 4 golos. Do lado polaco a referência deverá ser dada a toda a equipa. Antes de famos sobre a arbitragem, uma palavra para o técnico Português, pois a forma como se dirigiu a equipa no Time Out solicitado no primiero tempo e que foi transmitido em directo pelas TV’s, continha expressões e palavrões que não poderemos inserir na crónica de jogo, e que achamos inconcebível, sejam proferidas e mais não dizemos, quem de direito que faça a avaliação das mesmas, por exemplo Vera Lopes que foi uma das visadas. O Jogo foi dirigido por uma dupla Turca constituída por Pinar Ünlü Hatipoglu / Mehtap Simsek, que dirigiu o jogo apenas com um critério disciplinar, Portugal 7 metros e exclusão para o lado contrário tudo era permitido, até a marcação de golos em pasos, para não falar na Falta do Atacante (falamos nós, das nossas arbitragens), para terminar esta breve analise ao trabalho destas senhoras dizer que quando tudo estava decidido a cerca de 4 minutos do fim, resolveram marca dois 7 metros a nosso favor e fizeram uma exclusão “tipo” judas a 9 segundos do fim que não lembr ao diabo.
 
Recordamos que o Grupo 3 é constituído: Montenegro, República Checa, Polónia e Portugal (Sendo apuradas duas equipas), e que Portugal. “Apenas” foi incorporado no Grupo, que engloba o último Campeão Europeu (Montenegro) e o 12.º Classificado na mesma prova (República Checa), e ainda o 4.º Classificado último Mundial (Polónia). 
 
Resultados do Grupo:
 
1ª Jornada
Montenegro 2521 Polónia
Rep. Checa 35 – 20 Portugal

2ª Jornada
Portugal 24 29 Montenegro
Polónia 1922 Rep. Checa

3ª Jornada
Rep. Checa 23 – 24 Montenegro
Portugal 17 24 Polónia

4ª Jornada
Montenegro 25 – 22 Rep. Checa
Polónia 29 21 Portugal

Classificação actual do Grupo de Portugal 
Calendário do Grupo:
 
5ª Jornada
Dia 11/12-06-14
Polónia - Montenegro
Dia 11-06-14
Portugal - Rep. Checa (São Pedro do Sul)

6ª Jornada
Dia 14/15-06-14
Montenegro - Portugal
Dia 14-06-14
Rep. Checa - Polónia (11H30)

O Banhadas Andebol

sábado, 29 de março de 2014

Competições Europeias 2013 / 2014 – LV

A participação Portuguesa nas provas Europeias continuou este fim-de-semana, com o Sporting a disputar a 6.ª e última Jornada desta Fase de Grupos, e temos de nos penitenciar por termos dado como garantido o apuramento para a fase seguinte, erradamente, pois esse apuramento não estava garantido face a que, apenas 6 equipas irão disputar os 1/4 Final (3 jogos), pois a equipa organizadora da Fase Final (Four), já está apurada, e essa é o Füchse Berlin, assim o apuramento da equipa Portuguesa será apenas garantido se for um dos melhores segundos lugares, a confirmar apenas amanhã quando todos os jogos se encontrarem realizados, para não serem prestadas informações erradas, do facto apresentamos as nossas desculpas.
 
Masculinos  
EHF CUP
 SPORTING PERDE COM MONTPELLIER EM FRANÇA
 
O Sporting defrontou na 6.ª e última Jornada do Grupo “B” o grande favorito do Grupo, os Franceses do Montpellier HB, com quem voltaram a perder, desta vez em França, com um resultado que dignifica o Andebol Nacional. A equipa Portuguesa que jogou com uma equipa que conta nas suas fileiras com atletas como Omeyer, Accambray, Tej, Grebille e outros, tendo alguns estado recentemente ligados a Seleção Francesa que se sagrou Campeã da Europa. Este foi um jogo com diversas fases, começou pela equipa portuguesa conseguir equilibrar o marcador (5-5, aos 7 minutos), depois um forte domínio dos franceses que fazem um parcial de 6-0 em 8 minutos, venciam por 11-5 aos 14 minutos, para após uma boa reação do Sporting a diferença ser apenas de 3 golos aos 23 minutos, mas uma exclusão e os 7 metros falhados recolocaram novamente os franceses com uma vantagem de 6 golos com que se chegou ao intervalo. O Segundo período inicia-se com uma boa entrada da equipa portuguesa que reduz a diferença novamente para apenas 3 golos, dizer que esta foi a menor diferença registada, após o equilíbrio verificado nos minutos inicias da partida, mas também se deve dizer que a equipa francesa chegou algumas vezes a ter uma vantagem de 8 golos como por exemplo aos 47 (31-23) e aos 50 minutos (33-25), com novo reação da equipa portuguesa que recuperou mais uma vez, estando a perder por um diferencial de 4 golos aos 55 minutos (34-30), para se terminar em 36-31. A equipa portuguesa que tem um plantel curto como e sabe, deu-nos a sensação de mais não podia fazer, com Fábio Magalhães, longe dos seus melhores dias, teve no cubano Frankis Marzo com 8 golos o seu melhor marcador, logo seguido de Pedro Solha, Pedro Portela e Rui Silva todos com 5 golos marcados, dizer ainda que o Sporting não concretizou 4 livres de 7 metros. A equipa francesa teve no Esloveno Dolenec o seu melhor marcador com 10 golos, seguido pelo francês Grebille (8 golos) e por outro esloveno Gajic com 7 golos os seus melhores marcadores. Pensamos que com o diferencial final, e face aos critérios de desempate (pontos, maior diferença de golos e maior numero de golos marcados, ver link da EHF), a equipa portuguesa poderá ter confirmado o seu apuramento, mas a confirmação em absoluto só após os jogos que se realizam amanhã 
 
Resultados – 6.ª Jornada
Montpelier HB 36 – 31 Sporting
 
Classificação final do Grupo “B” 
O Noticias

sexta-feira, 28 de março de 2014

Meeting de Março da EHF

EXECUTIVO DA EHF REUNIU-SE
 
O Comité Executivo da EHF, reuniu em Viena no dia 21-03-14, onde foram tomadas algumas importantes decisões que afetarão também os clubes e as seleções nacionais, mas até ao momento, a Federação não emitiu qualquer esclarecimento acerca dos diversos temas, que diga-se a própria EHF publicou no seu site. É Pena
 
Existiu uma particular atenção aos novos formatos dos EHF EUROS e á Liga dos Campeões no Masculino.
 
EHF EUROS
 
No Próximo Congresso da EHF (Dublin de 19 a 20-09-14), será apresentada a proposta de que os Campeonatos Europeus Masculinos passem das atuais 16 seleções para 24, a partir de 2022.
 
Considerando que esta alteração, vai obrigar a um novo formato na forma de disputa, incluindo a forma de qualificação, bem como envolve componentes de financiamento, licitação e adjudicação.
 
Esta expansão obrigará á necessidade de reforçar a qualidade das equipas de Seleções Nacionais Jovens em toda a Europa. Assim, mais Países irão ser incentivados a participar nas competições dos mais jovens.
 
Este desenvolvimento, obrigará ainda á reestruturação dos eventos para os mais jovens, já a partir de 2015/2016, que será igualmente apresentada no Congresso de Dublin.
 
Esta mudança de formato, com 24 equipas em competição cria a possibilidade de mais organizações conjuntas, com mais Nações a sediar uma ou mais Grupos pela 1.ª vez, efetuando-se uma maior captação de espectadores em toda a Europa.
 
EHF EURO 2020 MASCULINO
 
A EHF irá ainda propor ao Congresso que esta expansão poderia ser já introduzida no evento de 2020, tendo para efeito já estabelecido conversações com as Federações da Áustria, Noruega e Suécia, que licitaram o evento, que será igualmente atribuído no Congresso de Dublin.
 
LIGA DOS CAMPEÕES MASCULINA COM NOVO FORMATO EM 2015/2016
 
Resultando de processo que envolveu as partes interessadas e alguns parceiros externos, bem com através do trabalho da própria EHF e EHF Marketing, e do Conselho do andebol profissional (Professional Handball Board), foi decidido pelo executivo da EHF a introdução de um novo sistema de disputa da VELUX EHF Champions League na época 2015/16.
 
A prova será disputada num novo sistema envolvendo 28 equipas. O Formato será a disputada de uma fase de grupos (4 grupos), e duas fases em eliminatórias e uma fase final (VELUX EHF FINAL 4)
 
Este novo formato, vai abrir a competição a mais nações e portanto serão conquistados novos mercados em toda a Europa, garantido ainda mais jogos chamados de TOP, entre os principais Clubes Europeus, tornando a prova mais atrativa para espectadores, patrocinadores e para os meios de comunicação social.
 
Ao mesmo tempo, todos os clubes que jogam na fase de grupos, tem a hipótese de se classificar para as fases eliminatórias, e para a Fase Final.
 
Este novo formato será na prática uma cópia das alterações já definidas para a Liga dos Campeões Feminina, que será disputada neste novo formato já em 2014/2015.
 
FORMATO DA COMPETIÇÃO
FASE DE GRUPOS
 
A prova será disputa em 4 (quatro) Grupos. Com os Grupos “A” e “B” a serem constituídos por 8 equipas, que será disputado no sistema de TxT a 2 voltas. Os vencedores de cada grupo apuram-se diretamente para os 1/4 Final.
 
Os 2 (dois) últimos classificados, ficam imediatamente fora da competição.
 
As restantes 10 equipas, apuram-se para a 1.ª Fase a Eliminar.
 
Os Grupos “C” e “D” a serem constituídos por 6 equipas, que será disputado no sistema de TxT a 2 voltas. Os 2.º’s melhores classificadas de cada grupo, disputarão uma “semifinal” em sistema de play-off, com os 2 (dois) 1.º’s Classificados, com os vencedores apurarem-se para a 1.ª Fase a Eliminar. 
 
As restantes equipas ficam imediatamente fora da competição.
 
1.º ELIMINATÓRIA (ÚLTIMOS 12)
 
As 12 equipas (10 dos Grupos “A” e “B” e 2 dos Grupos “C” e “D”) disputarão uma eliminatória no sistema casa / fora.
 
2.º ELIMINTÓRIA (1/4 FINAL)
 
Os seis vencedores da 1.ª Eliminatória, mais os vencedores dos grupos “A” e “B”, disporão uma eliminatória no sistema casa / fora.

FASE FINAL (VELUX EHF FINAL 4)
 
Disputada no formato atual, com as 4 (quatro) melhores equipas da competição a discutir o título.
(Fonte EHF)
 
NotaApesar de nada ser dito, poderá ser presumido, que a constituição dos grupos irá ser feita através dos Rankings anuais dos Países, e da distribuição das equipas em cada competição.
 
O Noticias

Nomeações – EHF – 2013 / 2014 – XXII

A EHF procedeu a novas nomeações para as suas provas Europeias, desta vez apenas para Delegados. A Federação já divulgou esta nomeação, o que se saúda.
 
Delegados 
Manuel da Conceição - Foi nomeado, para o encontro da 1.ª Mão dos 1/2 Final da Challenge CUP Feminina, que se disputa entre o Issy Paris Hand (França) e a Union Mios Biganos-Begles (França), na França no dia 06-04-14.
 
Ao nomeado endereçamos os nossos parabéns, e os desejos de que tudo corra pelo melhor.
 
O Regras

quinta-feira, 27 de março de 2014

PO09 – Entrevistas a Técnicos – VI

A entrevista com as respostas da Técnica do Assomada (Maria Semedo)
Qual o balanço que faz da prestação da sua equipa até ao momento?
 
O balanço é mau para não dizer péssimo. Ficámos muito abaixo das expectativas, entrámos mal no campeonato devido ao nossa pré-época tardia, fomos melhorando mas na altura decisiva de cada jogo a ansiedade e a falta de maturidade e de experiência vêm ao de cima prejudicando imenso os nossos resultados. Houveram lesões pelo meio que não ajudaram. Tivemos falta de banco o que para as aspirações do Clube foi prejudicial.
 
Quem são para si os principais candidatos ao título?
 
Penso que o Madeira Sad com as jogadoras experientes que tem e uma Guarda Redes que é capaz de segurar o resultado nos momentos decisivos, está em pé de igualdade com o João de Barros que tem um plantel reforçado e cheio de soluções. Mas acredito que o Alavarium ainda irá entrar na corrida para o título.
 
Quem é, até ao momento, a melhor jogadora do campeonato e a jogadora revelação?
 
Penso que a Patrícia Rodrigues tem sido a melhor jogadora e a Diana Oliveira a revelação.
 
Qual o pavilhão mais difícil de jogar?
 
Tendo em conta que ainda não fomos ao pavilhão do Juve mar, penso que é o pavilhão do Maiastars. Fomos bem recebidos, não nos deixaram jogar e o público é ferrenho e interage mais.
 
Por que é que em alguns jogos comparecem tão poucas jogadoras?
 
Nós entramos no campeonato limitadas de Jogadoras, com as lesões as coisas pioraram.
Muitas vezes, as atletas que trabalham não conseguem folga ao fim de semana e a falta de maturidade por vezes prejudica pois não aparecem para treinar.
Na próxima época esse problema penso que será resolvido com os escalões de formação.

A maior parte dos analistas, acha que o Assomada tem das jogadoras com maior potencial de futuro. O que falta para que a equipa tenha bons resultados?
 
Sim, elas têm potencial mas se não estão disponíveis para evolução e para aprendizagem?
Falta o resto, disciplina, educação, alguma humildade, falta-lhes vir treinar e não vir ao treino. Falta a este grupo um espírito ganhador, de sacrifício e de entrega. Falta que acreditem no seu potencial.
 
Porque é que a equipa joga melhor contra as melhores equipas e fraqueja contra os mais fracos?
 
Nestes jogos, não se lhes mete pressão nenhuma e julgo que será isso, elas não entram ansiosas, o nervosismo não está presente e as coisas acabam por sair com naturalidade. Enquanto que, com os ditos "os mais fracos" que penso serem do nosso campeonato que se lhes atribui a missão de ganhar de pontuar, de jogar bem, são traídas pelo nervosismo, a ansiedade ganha peso e a falta experiência vem também ao de cima prejudicando e fazendo com elas façam erros prematuros nas horas decisivas que é onde devíamos segurar os resultados. 
 
Quais as grandes diferenças que encontrou na primeira divisão, em comparação à segunda?
 
Na 2ª divisão não tivemos grandes obstáculos, não fomos forçadas a defender o jogo todo, a batalhar cada jogo, o Tavira foi único que nos fez frente, tanto que acabamos em igualdade de pontos e a nossa melhor arma foi a velocidade daí a ter-mos resultados confortáveis.
Chegámos à 1ª divisão, encontramos equipas com tanta velocidade como nós mais experientes, tecnicamente mais fortes, os jogos são batalhados até ao último minuto, defesas mais agressivas e boas Guarda Redes para a minha equipa o nível de eficácia baixou muito sendo isso, um dos principais problemas que estou a combater. E em condições normais venceremos jogos porque normalmente, o nome de qualquer equipa contra a nossa numa balança, a balança tende sempre a cair para o outro lado o que é complicado. 
 
Qual a classificação final que lhe permitiria ficar contente?
 
Ainda é possível lutar pela manutenção a ideia é não baixar os braços e continuar a lutar.
 
Críticos Femininos

Que Arbitragem…Que Conselho de Arbitragem… E Incompatibilidades…

Este artigo foi extraordinariamente ponderado, se deveríamos fazer este texto em vésperas de Fases decisivas das diversas Provas Nacionais e nalgumas situações até podem ser decididos títulos, e concluímos, pela sua oportunidade, pois as situações com a arbitragem têm-se agravado dia para dia (Os Boatos são cada vez maiores, sobre o afastamento de alguns elementos, infelizmente não tivemos oportunidade de o confirmar), e nalguns casos, as situações atingem um elevado grau de responsabilidade, de que os elementos do CA, não podem excluir-se. 
 
Neste texto não iremos referir nomes, porque o que está em causa, é a credibilidade da modalidade, e ninguém individualmente, mas que algo está profundamente errado, está, e isso por muito que custe, não abdicamos de o denunciar. Algumas destas afirmações já as fizemos, em tempos passados, mas caíram em “saco roto” como se costuma dizer…
 
O Decreto-lei N.º 248-B/2008 (Regime Jurídico das Federações Desportivas), estabelece no seu Artigo 45.º (Conselho de Arbitragem), o princípio da separação de funções de classificação e avaliação dos árbitros, da função de nomeação.
 
Embora este princípio, só tenha carácter obrigatório para as Federações em que se disputam competições de natureza profissional, a Federação de Andebol de Portugal, e bem (no nosso entender) decidiu aplica-lo, e desta forma previu nos seus estatutos, exatamente a matéria prevista no Decreto-lei, tornando obrigatório a constituição de secções especializadas para o funcionamento do seu Conselho de Arbitragem.
 
Transcrição:
 
Decreto-lei 248-B/2008 (Artigo 45.º - Conselho de Arbitragem)

1 — Cabe ao conselho de arbitragem, sem prejuízo de outras competências atribuídas pelos estatutos, coordenar e administrar a atividade da arbitragem, estabelecer os parâmetros de formação dos árbitros e proceder à classificação técnica destes.
2 — Nas federações desportivas em que se disputem competições de natureza profissional, o conselho de arbitragem deve estar organizado em secções especializadas, conforme a natureza da competição.
3 — Nas federações desportivas referidas no número anterior as funções de classificação dos árbitros deve ser cometida a uma secção diversa da que procede à nomeação dos mesmos.”
 
Na origem desta separações de funções, está o principio da não interferência de quem nomeia, em quem classifica, ou seja pretende-se, que exista uma total independência, (neste momento temos fortes duvidas que exista esta separação de funções) evitando interferências por vezes são perniciosas na atribuição das classificações, subentendendo-se deste preceito, aquilo a poderemos chamar de evitar o conflito de interesses e ou incompatibilidades. 
 
Todo isto vem a propósito de existirem alguns Delegados e Observadores a exercerem funções na FAP, que não poderão exercê-lo, não só pelo estabelecido na Lei, como nos estatutos da FAP, como no Próprio Titulo 15 (Regulamento de Arbitragem) do Regulamento Geral da Federação e Associações. Pois não basta parecê-lo é preciso sê-lo, e os possíveis conflitos de interesse e ou incompatibilidades são visíveis, e não questionáveis.
 
Os Estatutos da FAP, nomeadamente no seu artigo 40.º, são claros:
 
Transcrição:
 
Artigo 40º (Incompatibilidades)
É incompatível com a função de titular de órgão da Federação de Andebol de Portugal:
a) O exercício de outro cargo em qualquer órgão social da Federação;
b) A intervenção, direta ou indireta, em contratos celebrados com a Federação;
c) A acumulação do exercício de funções de dirigente de clube ou de associação, árbitro, oficial de mesa, atleta ou treinador no ativo.”
 
Por sua vez O Titulo 15 do Regulamento Geral da Federação (Regulamento de Arbitragem) diz, nomeadamente:
 
Transcrição:
 
“Artigo 17º (Competência para as nomeações)
 
4. Os membros do Conselho de arbitragem encarregues da função de nomeação de árbitros não podem, em circunstância alguma, acumular funções de Observador e/ou nomeação de Observadores.”
 
“Artigo 20º (Incompatibilidades)

  1. O desempenho de funções nos quadros de Arbitragem é incompatível com quaisquer outras funções, em simultâneo, no âmbito da modalidade, exceto com a função de Atleta.
  2. ...
  3. As exceções ao disposto no presente artigo serão objeto de análise e decisão fundamentada do Conselho de Arbitragem da Federação e da Direção da FAP.
A criação deste ponto 3 leva-nos a afirmar, que até ao momento, não foi publicado qualquer documento (que tenhamos conhecimento), onde tenha sido utilizado o conceito estabelecido neste ponto.
 
“Artigo 25º (Definição de Observador Nacional e Regional)
1. O Observador Nacional, para o exercício da sua função, terá de frequentar e concluir com aproveitamento a prova de aptidão técnica a realizar pelo Conselho de Arbitragem da Federação de Andebol de Portugal.”
 
Da leitura conjugada de todos estes preceitos legais, poder-se-á concluir que neste momento existem um “sem número” de Observadores e Delegados que se encontram em completamente, (Presidentes de Comissões Administrativas, Presidentes de Associações e todos aqueles que exercem cargos em Órgãos Federativos e ou Associativos, por eleição ou nomeação) e portanto não poderão efetuar observações válidas para Classificação.
 
Facilmente se poderá concluir que a partir do momento em que estes observadores, passaram ou passarem a exercer outras funções todas as observações efetuadas, são inválidas, e entendemos que se, de iniciativa própria não suspenderem (ou já suspenderam) sua função como observadores, cabe ao Conselho de Arbitragem tomar a respetiva decisão e com urgência. 
 
Aproveita-se o tema para dizer que é completamente anómala, a nomeação de delegados a todos os jogos do Grupo “A” da PO01, será que, são só estes que necessitam de figura de Delegado! No entanto, não é a sua nomeação que está em causa, é a sua atuação, que na maior parte dos casos é nula, ou complica, em vez de auxiliar a tarefa arbitral. Com o absurdo de alguns serem do Conselho de Arbitragem, sendo colocados em situações que apenas classificamos de caricatas. Como podem estes elementos estar equidistantes das situações, se nomeiam, observam e fazem de delegados, elaborando (será que elaboram) posteriormente relatórios dos incidentes?
 
E assim vai os caminhos da arbitragem da nossa modalidade, ainda é tempo de “arrepiar caminho”…
 
O Reticências