gal vence

Euro Sub-17 Femininos (Lituânia), Portugal Campeão Europeu após vencer a Lituânia 25-24 - Mundial Sub-19 Masculino Portugal vence Japão por 34-26 e fica em 7.º Lugar - Vamos encher os Pavilhões - mas com dignidade a Modalidade merece
Calendário e Resultados na Barra Direita

segunda-feira, 26 de maio de 2014

Crónica de Fim de Semana no Feminino 25 – Play OFF – 2013-2014

Crónica exclusivamente dedicada ao Feminino. 
 
PO09 – Campeonato Nacional da 1.ª Divisão Seniores Femininos.
 
Fase Final
Grupo "A" – Final
1.º Jogo
Alavarium 21 - 17 Madeira SAD

3/4 Lugar
1.º Jogo
Colégio Gaia 24 - 25 João Barros
5/6 Lugar
1.º Jogo
Juventude Lis 28 - 34 JAC-Alcanena
7 / 8 Lugar
1.º Jogo
CS Madeira 23 - 38 Maiastars

Grupo B
5.ª Jornada
Juventude Mar 24 - 21 Assomada
CA Leça 22 - 22 Vela Tavira
 
E a surpresa aconteceu em Aveiro, com o Alavarium a derrotar convincentemente o Madeira Sad e quando se pensava que as madeirenses seriam claramente as novas campeãs nacionais, heis que as campeãs em título dão um passo em frente e deixam no ar a possibilidade de revalidarem o título. Na luta pelo pódio, o Colégio João de Barros adiantou-se mas, com a luta da descida já decidida, as atenções estão mesmo todas centradas na grande final do campeonato.
 
E foi um pavilhão completamente lotado em Aveiro que se disputou o primeiro jogo da final. E se temos dito muitas vezes que o Madeira Sad desequilibra muitos jogos devido a Isabel Góis, neste jogo sucedeu o inverso com Diana Roque muito melhor que a sua oponente direta e a ser decisiva para a vitória da sua equipa. Não foi um grande jogo de andebol, mas a defesa do Alavarium foi implacável. Não deixa de ser curioso que o ano passado, Ulisses Pereira tenha inovado com uma defesa individual com excelentes resultados e opte agora por um sistema defensivo 6-0 bastante fechado, com igual sucesso. Surpresa também a utilização de Ana Seabra como ponta esquerda onde esteve irrepreensível na finalização. E com Mariana Lopes e Mónica Soares em boa forma a provarem que são duas das melhores jogadoras portuguesas, esta equipa mostra porque foi campeã o ano passado. Fazemos mea culpa porque há bastante tempo que dissemos que não acreditávamos que o Alavarium poderia renovar o título mas o que têm feito nos últimos jogos mostram que estávamos enganados. O Madeira Sad foi uma enorme desilusão. Há muito tempo que não víamos as madeirenses tão mal em termos ofensivos, diante de um 6x0 muito colado à linha. Ana Andrade e Isabel Góis, peças chave, estiveram bem abaixo do que sabem e foi valendo Renata Tavares, Márcia Abreu e Cláudia Aguiar a remar contra a corrente. Não se compreende que, com Catarina Oliveira a entrar bem no jogo para a baliza madeirense, Duarte Freitas a tenha retirado e colocado Isabel Góis que estava uns furos bem abaixo da colega. A entrada de Soraia Lopes também foi um erro porque além de nada ter produzido, destabilizou a equipa com o cartão vermelho que lhe foi mostrado. E claro que é inadmissível que uma equipa que quer ser campeã nacional falhe tantos livres de sete metros. O Madeira Sad tem dois jogos em casa para dar a volta a esta final mas Duarte Freitas tem que repensar porque é que Catarina Oliveira não teve mais minutos, porque é que a jovem Frederica Jesus que fez uma ponta final de campeonato notável quase não foi utilizada e, naturalmente, que Soraia Lopes destabiliza mais a equipa do que ajuda. A final está completamente em aberto e não conseguimos apontar um favorito nesta altura. 
 
Na luta pelo último lugar do podium, o Colégio João de Barros ganhou vantagem na sua deslocação a Gaia. Mesmo sem contar com Ludmila Soares, Paula Malcato e Dulce Pina (será que um terceiro lugar já não justifica a presença destas jogadoras?), além de Gizelle Carvalho, as vice-campeãs nacionais conseguiram um golo de vantagem, num jogo sempre difícil dada a desmotivação de ambas as equipas terem sido afastadas da luta pelo título. Helena Corro fez um dos seus melhores jogos desta época (além da boa prestação defensiva habitual, esteve muito bem no ataque) e Inês Catarina e Eduarda Pinheiro também estiveram muito bem, numa equipa muito curta, quase sem soluções alternativas mas com as jogadoras que sentem verdadeiramente a camisola do Colégio João de Barros. Algo a repensar? Com tantas ausências do adversário, o Colégio de Gaia perdeu a oportunidade de alcançar uma vantagem que lhe permitisse ficar próximo do terceiro lugar, mas não conseguiu apesar de mais um ótimo jogo de Helena Soares, muito bem acompanhada por Patrícia Lima. Está tudo em aberto para a luta pelo 3º lugar mas se o Colégio João de Barros consegue vencer em Gaia sem 4 das suas principais jogadoras, é naturalmente favorito. 
 
Na luta entre o 5º e 6º lugar, o Jac ganhou vantagem ao ir triunfar a Leiria. Quando Neuza Valente está inspirada (porque Patrícia Rodrigues está sempre), a equipa de Alcanena torna-se muito forte ofensivamente. Salvo uma grande surpresa, o JAC vai terminar em 5º, um pouco curto para uma equipa que ambicionava a mais mas a escassez de soluções quando Adriana Lage saiu e com as dificuldades recentes de Vanessa Oliveira debilitaram ainda mais a equipa. A Juve Lis fez um jogo interessante do ponto de vista ofensivo com as jovens Ana Carolina Silva e Ana Fonseca a realizarem boas exibições mas, defensivamente, a equipa esteve muito vulnerável, nunca encontrando soluções para parar as rematadoras adversárias. Muito dificilmente a Juve Lis abandonará o 6º lugar mas, face às expetativas do início do ano, o balanço é extremamente positivo. 
 
O 7º lugar está entregue ao Maia com a vitória esmagadora na Madeira. O interesse deste jogo está bem revelado no número de atletas inscritos para o mesmo: 18 (Sports Madeira 10 e Maiastars 8) ? o Maiastars, por questões económicas e o Sports Madeira por estar a disputar a fase de apuramento das juniores femininas. Por isso, não se podia esperar muito deste encontro que foi um autêntico passeio para o Maia com a jovem Diana Oliveira a mostrar que é a grande revelação deste campeonato, bem acompanhada por Renata Pereira e Ana Silva (curiosamente duas atletas que acreditamos poderiam ter sido bem melhor aproveitadas este ano). No Sports Madeira, face à ausência da maioria das titulares, destacaram-se Odete Freitas e Josefina Rodrigues. 
 
A Juve Mar assegurou o 9º lugar ao vencer o Assomada, com uma primeira parte muito interessante mas com uma segunda parte recheada de falhas técnicas. Teresa Santos e Maria Domingues foram as melhores na equipa de Paulo Martins, enquanto nas lisboetas Odete Tavares e Micaela Sanches foram as melhores. 
 
Finalmente, em Leça o Cale alcançou a curiosa marca de 4 empates em 5 jogos disputados nesta fase, algo insólito, num jogo em que Cristiana Morgado voltou a mostrar que é a jogadora em melhor forma de uma equipa que termina a época em 10º lugar mas que consegue o objetivo da manutenção. Nas algarvias, já condenadas à despromoção, Joana Reis e Marta Faleiro foram as melhores. 
 
Para a semana chega ao fim o campeonato e é bem possível que, à semelhança do ano passado, tudo apenas fique decidido nos últimos segundos. Conseguirá o Alavarium revalidar o título nacional. Ou recuperará o Madeira Sad e hegemonia da última década? Dentro de uma semana cá estaremos para vos contar tudo! 
 
Críticos Femininos

14 comentários:

Anónimo disse...

Como é possível disputarem-se jogos de 1ª divisão (aliás qualquer escalão acima de inicidos/as é impensável) no pavilhão do Alavarium, que não tem qualquer tipo de condições???

Anónimo disse...

Se arranjar dinheiro para as obras, caro anónimo, tudo se resolve! É o que temos e muito nos orgulhamos de ter... podia ser melhor? Claro que sim, mas esse "não tem qualquer tipo de confições" é, de fato, hiperbolizado

Anónimo disse...

talvez seja melhor acabar com um dos clubes que dá mais jogadoras à seleção por não ter uma câmara municipal com €€€ para fazer um pavilhão ou renovar aquele!

Se com aquele trabalham como trabalham...imaginem com condições!

Anónimo disse...

Um pavilhão que não dignifica o Andebol e muito menos um final entre as melhores equipas da P09, desde o publico, luz pé direito da instalação, balneários e falta de comodidade. Loucura... e há pavilhões perto muito melhores...o pavilhão universitário da UA.
Deve ser tradição ou reza da bruxaria!

Anónimo disse...

Aqui na Madeira vamos mostrar como se joga bom andebol ...até as comemos

Anónimo disse...

dá mais jogadoras à seleção. Porque será?????????

Anónimo disse...

Para poupar nas viagens....a federação só paga 4 viagens Funchal-Lisboa (no máximo), por estágio!!!

Anónimo disse...

Eh pá, se calhar se o treinador não fosse filho do presidente, nem podiam jogar nesse pavilhão, quando há outros em Aveiro com muito melhores condições. Nem sei se tem as dimensões permitidas.... era giro saber se tem.

Anónimo disse...

Vocês são ridículos... O Alavarium joga naquele pavilhão há quase 20 anos. O actual presidente da Federação está no cargo há 2 anos.

Já viram ao ridículo a que chegam?

O ridículo de dizerem que o pavilhão não tem as medidas...

Por isso, uns ganham e os outros entretêm-.se a dizer mal.

Anónimo disse...

ò anoninmo de 29 de Maio 01:55

Tem memória à longo prazo, mas a curto espalha-se completamente.

O que se passou no ano passado, com o pavilhao do Alavarium?? Quem se meteu ao barulho para resolver o problema??

Quem controla a opinião do blogue andebolfeminino? e do antigo 7metros?
quem controla os selecionadores, seleções e selecionadas?

e quem liga directamente para as nomeações?

Ridiculos... tem razão, somos todos ridiculos, pois andam muitos a fizer figutra de andorinhas e outros ainda vão conseguindo alguns favores, NÃO É??? OU NÃO JÁ NÃO LHE INTERESSA A CONVERSA???

Anónimo disse...

Eu acho que é ridiculo vir para um blog de andebol(?) falar nas condições de um pavilhão. Conheço o pavilhão e admito que deixa um pouco a desejar. Desde o marcador avariado ás constantes obras inacabadas, mas não podemos usar estes argumentos para criticar o Alavarium em termos desportivos. E se querem falar em pavilhões, digam-me quantos clubes actualmente a disputar a PO09 tem, um pavilhão que é mesmo deles. Salvo erro apenas o Alavarium e a Juve Lis tem um pavilhão próprio, os restantes jogam todos em pavilhões da autarquia. Mas é lógico, uma equipa que gasta "N" euros numa época desportiva não pode ter dinheiro para fazer as obras. Se calhar se o Alavarium não tivesse Seniores Femininas era capaz de poupar talvez cerca de 10000 euros e ai já dava para fazer essas reparações.
Epa mas falem de andebol se faz favor.

Anónimo disse...

estão aqui a falar do pavilhão do alavário, mas ja virão o pavilhão do colégio de gaia que condições tem e mais por este pâis fora, mas ta tudo louco ou quê, até o pavilhão da para as desculpas das VOÇAS derrotas, meus caros quem joga andebol mas bom andebol como o alavário até em pelado se joga vem agora falar em condições ja viram a quantidade de pessoas que não tem condições de abitablidade mas vivem, só igenorantes por isso que este pais esta assim agora se á problemas dentro do pavilhão as pessoas que se portem como humanos não como selvagens.

Anónimo disse...

agora diga que madeira sad jogou mal !! agora diga que soraia lopes prejudica a equipa!! quem falou mal da mandeira sad e da soraia lopes tem que engolir em seco.hoje foi um bom jogo mas uma perde nem por isso é má equipa .

Anónimo disse...

O português do anónimo de 31 de Maio de 2014 às 18:38 é um luxo. Até o meu filho de 10 anos dá menos erros.