gal vence

- Vamos encher os Pavilhões - mas com dignidade a Modalidade merece
Calendário e Resultados na Barra Direita

terça-feira, 13 de janeiro de 2015

EHF Cria Divisões nos Escalões de Formação - I

EHF CRIA DIVISÕES NOS ESCALÕES DE FORMAÇÃO
PORTUGAL NA 1.ª DIVISÃO EM MASCULINOS
 
Noticia hoje o sitio da Federação, a nova forma de disputa dos Europeus organizados pela EHF, Uma noticia, que confirma tudo mas tudo o que já tinha sido por nós publicado em 19-09-14, e que informávamos que eram decisões que tinham sido tomadas no Congresso da EHF que na altura tinha sido realizado em Dublin (19 e 20-09-14).
 
Na altura informamos o seguinte:
 
“Assim e baseado no ranking dos Países, efetuado com base nos resultados obtidos nos últimos oito (8) anos, criou uma 1.ª e uma 2.ª Divisão, deixando com este processo de existir qualquer fase de qualificação.
 
O Novo sistema, começa a ter efeito a partir do Euro Sub-18 em 2016, e Euro Sub-20 em 2018 nos masculinos, e nos Euro Sub-17 em 2017, e Euro Sub-19 em 2019 nos Femininos.
 
A primeira divisão é composta por 16 equipas (EHF YAC EURO), e a segunda divisão será um número aberto que poderá variar entre 2x8 ou 2x12 equipas (EHF YAC OPEN EURO. 
 
Foi criado um sistema de promoção e de despromoção que envolverá sempre os 4 melhores classificados da segunda divisão e os 4 piores classificados da primeira divisão. Envolvendo um esquema de movimento dos mais jovens e dos mais velhos.” 
 
A única novidade, e relevante, diz respeito á divulgação do Ranking Masculino, tento Portugal ficado nos 16 primeiros (9.º lugar), o que significa que em 2016, os Sub-18 Masculinos disputarão a 1.ª Divisão. E que as provas terão não os nomes que na altura informámos, mas a seguinte:
 
1.ª Divisão - EHF M18 EURO 
2.ª Divisão – EHF M18 Championship 
No entanto, não é esclarecido como será constituída a 2.ª Divisão, pois na altura foi dito que seria uma prova aberta de 2x8 ou 2x12, e segundo o Ranking Masculino divulgado, ficam na segunda divisão 34 equipas, como será aplicado o novo esquema? Fazemos esta interrogação porque apenas estamos a ler o texto da Federação, pois nada foi ainda publicado no sitio da EHF até ao momento. 
 
Não voltamos a publicar o sistema de subidas e descidas de divisão por já o termos feito em devido tempo
 
Como comentário final, estranhamos não se saber qual a posição de Portugal no Ranking, em Femininos.
 
O Analista

6 comentários:

Jorge Almeida disse...

1º) Em relação ao assunto da mensagem, tenho que reconhecer que ainda não tinha lido a mensagem de 19-9-2014 do Banhadas, pelo que, face ao meu comentário de ontem, reconheço que o sistema de despromoção desenhado pode não ter consequências tão más como pensava ontem.

Em relação ao resto da mensagem, mantenho.

2º) Parece-me que se deve divulgar e acarinhar as iniciativas do Andebol 4 All. Segundo o Portal da FAP, a próxima vai ser em Setúbal, no Pavilhão Gimnodesportivo do Clube Naval Setubalense, a partir das 09:30 de 11 de Fevereiro. Quem puder, apareça.

Mais pormenores em http://portal.fpa.pt/fap_portal/do?com=DS;1;111;+PAGE%282000025%29+K-CATEGORIA%28381%29+KID-NOTICIA%2810478%29+COD_COR_CAIXA%281%29+TIT-CAIXA%28Destaques%29;RCNT%281%29

Anónimo disse...

com o campeonato de juniores que temos, na próxima edição da prova estaremos na 2.ª divisão certamente, e eu raramente me engano.

Bay Bay

Anónimo disse...

qual será o ranking em femininos, será que o optimismo desapareceu

Anónimo disse...


Quanto ao campeonato de juniores o problema não está em termos um campeonato fraco, está mesmo em termos um campeonato de juniores! Somos o único país onde isso acontece. Aos 17 anos passas a sénior em todos os países, aqui gostamos de inventar dá nisto!
Jorge Almeida: sabe quanto custou ao meu clube ter uma equipa na PO4 e outra na PO6 quando esta prova era nacional? mais de 30.000€ por época. Acha mesmo que devemos regressar ao passado? Andebol só para elites?
Sabe, acabamos com os juniores lança-mos uma equipa sénior que já está na 2ª e a motivação no meu clube triplicou.
Reclama-se mais qualidade para os nossos atletas, que são mal trabalhados nos clubes e nas seleções e às vezes apetece-me perguntar: mas em que planeta vivem? Sabem quanto custa uma hora de pavilhão em qualquer cidade do litoral? Sabem quantos pavilhões disponíveis existem nestas cidades para poderem treinar em condições? Sabem quanto se paga aos nossos treinadores da formação da maior parte dos clubes para se lhe poder exigir bom trabalho? Com o corte dos subsídios das camaras e da quebra de patrocínios sabem o que custa ter um clube de pé nesta altura do campeonato?
O meu clube é alimentado pelos pais, pelas rifas, pelos bolos vendidos às fatias e outras iniciativas do género. O dinheiro nunca chega a nada e devemos a todos os cães e gatos que existem. Só não damos o berro porque a FAP fez o favor de nos deixar pagar um bacalhau às postas, que tínhamos do tempo das provas nacionais. Acha que nós somos especialmente desgraçadinhos? Não, este é o panorama de 90% dos clubes portugueses. Eu admira-me como é que a FAP ainda não abriu falência!
Expliquem-me lá como vamos trabalhar a qualidade se nós e a maioria dos clubes se limitam a fazer dois, quando muito três treinos por semana para cada equipa, em meio ou 1/3 do campo, porque não há dinheiro para mais? Na equipa sénior treinamos três vezes por semana com assiduidade de 50%. Estou a falar da 2ª divisão. Acham que o panorama da minha equipa é único? Não, tirando os que têm ambições o resto é tudo assim!
Acham que o andebol deve estar na alta roda europeia? Com que dinheiro? Acham que por termos o Benfica o Porto e o Sporting que já somos os maiores? Por acaso vêem estes três clubes a serem o motor da modalidade? Eu acho que são tão agiotas que só destroem o andebol! E comparando: o Volei onde anda? o Basket? Temos mais obrigações? Mas não eram estas modalidades que dominavam tudo pela força que tinham nas escolas?
Vocês que reclamam mais resultados, deixem as poltronas, venham trabalhar para o terreno dirigir clubes que rapidamente esquecem a vossa filosofia!
No meu clube abriu o processo eleitoral há meio ano atrás e ainda não conseguimos arranjar direção. Mais qualidade? Contente-se em garantir os clubes que existem, a trabalhar como podem, que já é muito bom!
Estamos no 9º lugar no Ranking? Grande classificação para uns pobretas como nós!

Anónimo disse...

Estimado Senhor, eu sou treinador à 30 anos, e sei do que fala. Finalmente alguém que sabe das dificuldades e a realidade do andebol português. Poderiamos e seria interessante irmos mais fundo sobre o fracasso de alguns jogadores e consequentemente das seleções nacionais. Vaidades, amizades, favores...um pouco de tudo. Só espero que não abandone a sua luta porque cada vez somos menos. Sobre os treinadores olhe, disto vivem meia duzia. Os outros a maioria nem para a gasolina ganham.

Anónimo disse...

Comentario do adepto do dia 13 de janeiro de 2015 23:57

Não está muito longe da realidade do andebol nacional, da modalidade na sua maioria. No global identifico-me com o que retrata. Pensar o oposto é viver numa fantasia.

Deixo as seguintes notas:

Nem os clubes maiores e do topo da tabela como o SCP, SLB e FCP têm recursos financeiros para a alta roda do andebol europeu. Nem tudo o que parece é. O Andebol é pequeno como o pais. Ficamos por cá, andamos pelos países oficiais de língua portuguesa e Cuba, em novos Descobrimentos.

O verdadeiro motor do Andebol nacional são as associações, os seus agentes, dirigentes e atletas, principalmente aqueles que gostam da modalidade e todos os dias lhe dedicam o seu tempo e saber.