gal vence

- Vamos encher os Pavilhões - mas com dignidade a Modalidade merece
Calendário e Resultados na Barra Direita

domingo, 11 de janeiro de 2015

Mundial Sub 21 Masculino – 2015 - IV


PORTUGAL FALHA APURAMENTO PARA MUNDIAL SUB 21
 
Com mais uma participação, no mínimo menos conseguida, que vem no seguimento da igualmente menos conseguida em 2013 com a Seleção de Sub-21 Masculina, com uma prestação para esquecer no último jogo do Grupo.
 
Iniciamos a nossa participação, contra a equipa da Ucrânia, que na véspera tinha sofrido uma derrota por oito (8) golos com a equipa da “casa” a Espanha. Portugal tinha essencialmente como primeiro objetivo vencer o jogo e se possível por um diferencial superior a oito (8) golos, e por aquilo que se viu era um objetivo perfeitamente ao alcance desta equipa. Portugal comandou praticamente sempre o marcador, com uma excelente organização atacante, e com entradas a propósito dos pontas Diogo Branquinho e Davide Carvalho, e com Miguel Martins a fazer um excelente jogo a central, demonstrando a maturidade já adquirida (realçada pelos comentadores espanhóis), quando aos 21 minutos de jogo Portugal vencia por um diferencial de sete (7) golos, diferencial que voltou a ter aos 29 minutos, pensou-se que todos os objetivos eram perfeitamente alcançáveis. Mas estávamos enganados, pois Portugal em termos defensivos, nunca encontro um antidoto para marcar com eficiência o LE Honcharov que terminou o encontro como o melhor marcador do mesmo com nove (9) golos, nem soluções para contrariar a criatividade do central ucraniano Tilte com sete (7) golos. O Intervalo chegou com o resultado a favor de Portugal por 20-15, após sofrermos 2 golos no minuto final do 1.º tempo. No segundo período do encontro, a toada do mesmo não sofreu grandes alterações, e cerca dos 40 minutos vencíamos por um diferencial de nove (9) golos (28-19), mas más opções atacantes, levaram a que a equipa em 5 minutos sofresse um parcial de 5-1, e aos 45 minutos apenas estivesse na frente do marcador por 29-24. Até final do encontro, as oscilações diferenciais foram se situando entre os 5 e os 6 golos, a favor da equipa portuguesa. De referir que Portugal foi sancionado com 6 exclusões, contra apenas 3 da equipa adversária, estando pelo menos por duas ocasiões com apenas 4 jogadores de campo, o que foi fator bastante limitativo, mas no segundo tempo cometemos demasiadas falhas técnicas, em especial no passe, e algumas perdas de bola infantis. Não entendemos a substituição de João Moniz ao intervalo, até porque estava a dar boa conta do recado (não se questiona o valor de Pedro Carvalho), para voltar a ocupar o lugar cerca dos 47 minutos. Miguel Martins com oito (8) golos foi o melhor marcador da equipa portuguesa, seguido de perto por Miguel Batista com seis (6) golos. As faltas de atacante sancionadas á equipa portuguesa, foram uma das causas que evitou o dilatar do resultado final.Com a arbitragem da dupla Italiana Simone Zendali e Stefano Riello, que demonstraram um critério bastante duvidoso na Sanção Progressiva e um abusivo critério na marcação das faltas do atacante. Esta será a dupla para o jogo decisivo com a Espanha e está tudo dito. No jogo decisivo, Portugal manteve-se dentro do jogo até cerca dos 23 minutos, quando o resultado, estava em 8-6 a favor de Espanha, e Miguel Martins, com uma atuação bem longe do protagonizado na véspera, falhou a execução de um Livre de 7 metros (Portugal não converteu nenhum dos Livres de 7 metros que dispôs “2”). De referir que os últimos sete (7) minutos do primeiro tempo Portugal sofreu um parcial de 5-1, chegando ao intervalo a perder por 13-7. O segundo tempo começou, conforme tinha acabado o primeiro, com Portugal a sofrer um parcial 6-0, e cerca dos 36 minutos perdia por 19-7, doze (12) golos de diferença a maior registado em todo o encontro, que foi repetida cercado dos 37 minutos com o resultado em 20-8. Portugal apresentou-se nestes dois períodos sem controlo técnico e emocional, cometendo vários erros quer de passe quer de receção, quer ainda de nítida precipitação no ataque. Passado que foi este período, com Gonçalo Ribeiro em bom plano, a equipa portuguesa com o jogo decidido acalmou e reentrou no jogo, equilibrando a partida, diminuído a diferença para números mais aceitáveis, com Pedro Carvalho na baliza a realizar uma boa prestação e ser u dos motores da recuperação no marcador. A equipa portuguesa na nossa opinião sentiu em demasia o peso do jogo e o facto de ter de realizar dois jogos seguidos, o que não aconteceu com o nosso adversário. Gonçalo Ribeiro com quatro (4) golos foi o nosso melhor marcador, enquanto do Martin Pineiro com 7 golos foi o melhor marcador da Espanha e do encontro. Mais uma vez de referir a arbitragem da dupla Italiana Simone Zendali e Stefano Riello, que demonstraram um critério bastante duvidoso na Sanção Progressiva e um abusivo critério na marcação das faltas do atacante, e que são adversos á Lei da Vantagem. E tal como tínhamos previsto o seu critério na Sanção Progressiva está completamente refletido no número de exclusões de uma e outra equipa, com oito (8) para Portugal e duas (2) para Espanha. 
Recordamos aqui as palavras do selecionador nacional proferidas, antes do início da disputa do Grupo e que revelam positivamente tudo:
 
Não é um apuramento fácil, começou por referir o selecionador nacional, recordando que (só passa uma seleção) e estamos perante um grupo de muita qualidade. (A Espanha foi medalha de bronze no Europeu de Sub-20, com esta geração, num campeonato onde a Alemanha e Suécia, como medalhas de ouro e de prata, respetivamente, já estão apuradas para o Mundial. Teoricamente, a Espanha era a seleção mais forte do pote um, no sorteio em que nos calhou como adversária. A Ucrânia também é uma seleção interessante, fez o apuramento para o Europeu e não conseguiu estar no Europeu mas fez um jogo com a Rússia muito interessante). Recordou que, (Portugal e Ucrânia, nesta geração, já empataram duas vezes, vai ser um apuramento duro, principalmente porque vamos jogar na casa do principal favorito).
(fonte sitio da FAP)
 
Grupo 7 – Foi disputado em Espanha (Oviedo)
 
Resultados
Dia 09-01-15
Ucrânia 23 – 31 Espanha
Dia 10-01-15
Portugal 37 – 32 Ucrânia
Dia 11-01-15
Espanha 28 – 22 Portugal 
 
Equipas Apuradas para o Mundial que vai decorrer de 19 de Julho a 2 de Agosto de 2015 no Brasil, que será disputado no Estado de Rio Grande do Sul. 
 
Grupo 1 – Rússia
Grupo 2 – França
Grupo 3 – Holanda
Grupo 4 – Noruega
Grupo 5 – Bielorrússia
Grupo 6 – Roménia
Grupo 7 – Espanha
Grupo 8 - Sérvia

As quais se junta as já apuradas Dinamarca (Campeã Mundial em titulo), Alemanha (Campeã da Europa Sub-20 e a Suécia (Medalha de prata no Campeonato da Europa de Sub-20).
 
O Formador

16 comentários:

Anónimo disse...

Esta seleção é esforçada, mas não está talhada para grandes voos. Hoje, no jogo que decidia, foi possível ver isso, com os atletas com mais responsabilidade na equipa a não darem uma para a caixa. Se formos ver o histórico dos principais atletas A, verificamos que quer a nível dos clubes deles, quer a nível da seleção, nunca tiveram estofo para jogos decisivos, pois falharam sempre. Alguns vão jogar em equipas medianas da 1ª e da 2ª, mas nenhum atingirá o estrelato. A maior parte vai desistir para dar curso à carreira académica. O Edmilson do Sporting que esteve ausente por lesão poderá ser o único a chegar ao topo.
Em contra partida, acho que os aletas B presentes deixaram uma imagem de futuro. Estou a referir-me ao Miguel Martins, Cavalcanti, ao Gonçalo Ribeiro. Refiro-me a eles porque foi visível que foram os atletas que fizeram a diferença no jogo, juntamente com o Pivot Leitão.
Mas a culpa não é só deles. Há uma questão que quero deixar: quando a equipa vem do balneário para a 2ª parte a precisar de recuperar e leva um parcial de 6 golos, com um time-out pelo meio que mensagem e motivação é que recebeu quer no balneário, quer no time-out?
Diz o treinador que se jogássemos como jogamos frente à Ucrânia, beu, beu, beu. Está equivocado não? A Ucrânia é comparação? Uma equipa vulgaríssima permite grandes jogos ao adversário, mas não serve de comparação. Não se engane, nem engane que nós não somos papalvos! Hoje só não perdeu por 20 porque a Espanha só precisava de ganhar por um, pois se fosse preciso 20 eram 20!
Diga antes que a equipa não esteve à altura e que a tatica usada também não foi a melhor, porque no ataque não tínhamos soluções e na defesa só demos porrada. Não era possível mais? Possivelmente não, mas fica a sensação que atletas e equipa técnica estão bem uns para os outros!

Anónimo disse...

Infelizmente como eu tinha referido foi a DEGOLA DOS INOCENTES.
Uma ou duas vezes ficar com 4 jogadores de campo.
Mais uns quantos L7m falhados.
Quando alguém diz "vai ao braço da bola", 1quer dizer arranca-lhe o pescoço.Pumba 2m L7m.
É este o traquejo de quem joga no quintal onde mora e é muito melhor mas muito melhor que aquele mouro que joga no outro quintal.Só pode dar isto porque o mister só pode fazer milagres com salmonetes, porque com "mijaretes" só pode ir enganando.
Enfim á nossa maneira.
Bay Luis

Anónimo disse...

Acho que está na altura de apostar noutra geração ,esta realmente não ganhou nada e penso que e mais fama do que outra coisa apostem nos B

Anónimo disse...

E Agora!!!!!!!!!!
Espero que mudem o chip e já agora mudem também o roupeiro o câmera man ou pseudo treinador ou lá o que ele e pois em tudo o que ele se mete os resultados são ZERO //// Queremos os Gêmeos

Anónimo disse...

A análise do Banhadas no jogo com Espanha foi simpática.

Foi um mau jogo para Portugal com apontamentos de tentativas de recuperação, contra uma equipa espanhola superior, mais madura, atlética, tecnicamente evoluída, jovens com níveis de motricidade elevados e colectivamente coesos. O que não é surpresa noutras disputas entre os dois países. Espanha está noutro campeonato, só não vê quem não quer ou sabe.

Os problemas da equipa nacional representam os problemas de sempre do Andebol em Portugal, de um Andebol de meio da tabela europeia.

O treinador, pessoa simpática, e os jogadores lutaram e fizeram o possível. Bom jogo de Miguel Martins, do Gonçalo Ribeiro e alguns mais. Outros do pedestal dos seus clubes não fizeram a diferença. Atenção esta equipa representará em parte o andebol de Portugal dos próximos 5-10 anos.

A culpa não é dos jogadores.

Algo de profundo deveria mudar nos clubes e nas selecções.

Boas sorte os jogadores e Força.

Anónimo disse...

Infelizmente e como todos esperavamos o nao apuramento aconteceu outra vez ,depois de ler com muita atençao verificamos todos o mesmo ,FALTA DE CATEGORIA de muitos jogadores e inclusive corpo tecnico ,ainda nao percebi o que é que o Pedro Vieira faz nas seleçoes ,filma treina e vigilante!!!!
Acho que nesta equipa os que tiveram melhor sao aqueles que sao Juniores B pois juntamente com os que fizeram este ultimo estagio sao o futuro,quer se queira ou nao, esta geraçao ao longo destes 5 ou 6 anos nada deu,assim ao menos da se o beneficio da duvida aos mais novos .Agora resta esperar para ver no que vai dar os 9 jogadores desta equipa que estao ligados contratualmente ao FC Porto ,pessoalmente penso que so o Martins e o Gonçalo do Benfica vão dar jogadores o resto vão jogar onde jogam ,clubes de media pequena dimensao a ganhar 100 ou 200 euros por mês nao podendo nunca ser profissionais pois a politica do Professor Magalhaes aqui fica mais uma vez provada "Dividir para reinar"pouco inteligentes sao os jogadores (grande Professor Magalhaes)que andam anos a romper solas nos Avancas nos Ismais para no fim vir um "naturalizado"aniquilar o sonho de uma vida .
Já agora perguntem ao grande homem do Andebol Luso que é o Professor Antonio Cunha o que ele pensa sobre tudo isto pois ele e o unico corajoso para nos elucidar sobre tudo isto.
Obrigado e Bom Ano a todos.

Anónimo disse...

Dei-me ao trabalho de ver com pormenor a primeira parte do jogo. E estava na minha opinião, um jogador a fazer um tremendo frete. Batista do Artística de Avanca. Fez 3 remates à "baliza", com um aproveitamento de 0 %. Teve 4 falhas técnicas que deram 2 golos em contra-ataque da Espanha. Fez o jogo todo. Marcou 3 golos(mas só na segunda parte) falhou outros tantos golos, no mínimo se a minha memória não me falha. Teve mais 3 ou 4 falhas técnicas na segunda parte. E nunca foi substituído???!!! Os laterais esquerdos foram várias vezes substituídos, e ele não. Quando um jogador não rende, vai para o banco, e é substituído.

Jorge Campos disse...

Infelizmente a equipa portuguesa demonstrou a qualidade geral do desporto em Portugal. Nada que não se esperasse, como é óbvio.
O desporto no nosso país (à semelhança de outras coisas) é muito maltratado. Às dificuldades normais por sermos uma pequena nação com pouco por onde escolher, juntam-se as inerentes às poucas condições disponibilizadas aos atletas, que origina, na maior parte dos casos, uma desmotivação para encarar o desporto como primeira opção nas suas vidas.
O caso do andebol é paradigmático deste estado das coisas. A isto acresce o estrangulamento feito pelos clubes "grandes" que, pelo seu poderio financeiro, asfixiam tudo à volta, desenraizando alguns jovens prometedores e diminuindo drasticamente a competitividade dos campeonatos. Isto tem um efeito perverso pois, se por um lado, os melhores têm melhores condições de trabalho, por outro, a falta de competitividade, origina fraco desenvolvimento competitivo e aumenta o ego dos jogadores pois julgam-se os maiores por ganharem a todos por 20 ou mais, quando isso não evidencia uma qualidade superior.
A realidade vê-se quando defrontam atletas a sério, com um nível de concentração competitiva elevado e constante, com os aspectos técnicos e tácticos bem adquiridos e com uma constância durante todo o tempo de jogo. Os nossos claudicam quando a pressão aumenta, tecnicamente oscilam entre o óptimo e o péssimo e fisicamente ficam aquém da maior parte dos adversários.
Isto para dizer que a culpa não é inteira dos atletas e treinadores. Existem problemas de base que têm uma influência decisiva nestes resultados. Não é nada novo, mas na última década agravou-se significativamente.
Quanto ao jogo de ontem, ficou claro que não teríamos a mínima hipótese. Os espanhóis foram melhores em tudo. Não ganharam por mais porque relaxaram e jogaram com as segundas linhas. O comentador espanhol dizia que faltavam à selecção deles quatro titulares que estavam lesionados. Pelos vistos podia ser ainda pior.
Saibamos reconhecer a nossa incapacidade.
Agora, os nosso atletas, com o orgulho ferido, virão animar-se com as goleadas que darão aos mesmos clubes que os formaram, jogando pelo "grande" que os contratou com 15 ou 16 anos. Depois de vencerem por muitos de diferença voltarão a julgar-se os reis no andebol, até defrontarem outra Espanha e voltarem a ser colocados no seu lugar.

Anónimo disse...

Caro amigos vi o jogo e conheço muito bem a equipa os jogadores e treinadores e senão fizessem nenhum estagio e juntassem os jogadores no aeroporto e diridos pelo Obradovic fazimam melhor resultados e não iamos ao mundial! mas sem treinso quando o Miguel foi marcado HXH o treindor dava indicações simples para ser libertado e produzir o seu jogo de excelencia!
O Nosso andebol não justifica treinadroes em "full time" nas selecções Nacionais jovens e Seniores mas os melhores treinadores possiveis de Clubes e um treinador internacional de qualidade.
Fica mais barato e muito mais rentavel, analizem o CV de cada treinador que trabalha nas Selecções a nivel de Clubes!
É elucidativo, não têm!

Anónimo disse...

RESPOSTA AO ANONIMO DE 12 de JANEIRO 12,34

Curioso o seu comentario dei me ao trabalho de fazer o que o amigo disse e tem absoluta razao
ejá agora como outro comentario atras diz eu tambem pergunto qual o papel do Pedro Vieira nas selecoes andam a gastar o dinheirinho cá dos otários nao e e depois ainda tem o descaramento de dizer aos amigos que vai fazer um fim de semanasito a Espanha ,que lata ,precisavam é de um saneamento de alto a baixo

Jorge Almeida disse...

Lista de transmissões de jogos de Andebol na TV, Internet e Rádio previstas entre 12 e 18 Janeiro 2015:

http://andeboltv.blogspot.pt/2015/01/lista-de-transmissoes-entre-12-e-18.html

Anónimo disse...

Excelente analise do comentador de 12/01/15 ás 10.44.

Anónimo disse...

Todos contra juniores A... Afinal o que já ganharam os Juniores B nas competições internacionais....quando jogam com equipas de topo é só ver os resultados. Quando jogam na equipa A e corre bem SÃO OS MAIORES.... quando corre mal caso do jogo com Espanha são o futuro!!!!!

Jorge Almeida disse...

Notícia no portal da FAP:

"Portugal é a 9ª melhor seleção jovem da Europa e integrará a 1ª Divisão do Campeonato Europeu 2016"

Mais pormenores em http://portal.fpa.pt/fap_portal/do?com=DS;1;111;+PAGE%282000025%29+K-CATEGORIA%28380%29+KID-NOTICIA%2810476%29+COD_COR_CAIXA%281%29+TIT-CAIXA%28Not%EDcias%29;RCNT%281%29

Em jeito de comentário: Salvo erro, o Banhadas já tinha emitido uma mensagem acerca deste assunto e do alargamento dos Europeus Séniores há meses. Lembro-me que comentei que este modelo dos Europeus de camadas jovens que a EHF quer implementar ajuda a perpetuar no topo aqueles países que têm imensos jogadores jovens filiados, pois eles podem-se dar ao luxo de ter, de vez em quando, ter uma geração fraca que as outras vão compensar. Já no caso de países como o nosso, vamos andar sempre no limbo, e pode bem acontecer que tenhamos uma boa geração que acabe por jogar só na 2ª divisão europeia, e a geração seguinte seja mais fraca mas acabe por jogar na 1ª divisão europeia graças aos resultados da geração anterior. E isso não é nada bom, pois o que estimula e faz crescer uma equipa em termos competitivos é jogar contra equipas fortes, não contra equipas fracas. Além disso, trata-se do regresso ao modelo dos Mundiais A, B e C que foi, e bem, descartado pela IHF há cerca de 20 anos, para o atual modelo de apuramentos. O atual modelo de apuramentos permitiu elevar o nivel global da modalidade especialmente nos pequenos países europeus, isso é inegável. Este retrocesso só interessa aos grandes países, que não terão de fazer muito para se manterem na 1ª Divisão.

Também me preocupa é que, se alguns bons jogadores de países pequenos não conseguirem desenvolver as suas capacidades jogando contra equipas fortes nas camadas jovens, que qualidade de jogadores é que essas equipas terão para disputar Europeus alargados nos Séniores? Parece-me que a qualidade tenderá a baixar, originando goleadas até agora pouco usuais em Fases Finais de Europeus, ou então essas equipas terão de naturalizar jogadores na 2ª linha dos países grandes para conseguir terem nível para manterem-se à tona nas fases finais dos Europeus Séniores e terem direito a uma fatia maior do bolo do dinheiro a ser repartido. Ou muito me engano, ou não são grandes notícias para os nossos jogadores jovens.

Um outro pormenor aqui é o contentamento expresso por Rolando Freitas por Portugal ter sido considerada a 9ª melhor selecção europeia. Realmente, é melhor ser 9ª que 10ª, 12ª ou 15ª. Mas, se formos a ver, os resultados que permitem esta classificação vêm, o mais tardar, de 2012. Se fossemos a considerar os resultados das selecções nacionais jovens masculinas em 2013 e 2014, muito provavelmente não entrávamos nas 16 primeiras. E aí não percebo o contentamento. Curiosamente, os resultados são do tempo em que a PO04 e a PO06 eram disputadas numa só série em termos nacionais. Não estará aí a causa (ou pelo menos uma das causas) da recente queda de resultados das nossas selecções jovens nacionais?

Anónimo disse...

A gente muito ressabiada foi expulsa da Federação e anda num clube grande a passear o casado e a mochila do dito clube, no banco porta-se como um louco e na bancada não se porta melhor, sempre a gabar-se do que não faz.

Abra os Olhos

Anónimo disse...

anonimo
12 de janeiro de 2015 às 12:34
Subscrevo os seus comentarios e levanta algumas questões simples mas objectivas:
-Valor e mérito dos treinadores nas selecções jovens e não aprendizes a fazxer CV.
-Treinadores sem CV nos clubes não podem ser funcionários técnicos ao serviço das Selecções
-Existem vários que estão ao serviço da FPA anso e a sua prestação é nula e quando saiem não tem trabalho nos clubes digo clubes não digo nos clubes de Elite do nosso andebol!
-Má estratégia dos responsaveis no 1º jogo garantido a vitória, deveria substituir e poupar os melhores para o jogo da Espanha!
-Marcação ao Miguel Martins HxH qual as soluções tacticas treinadas
?
-A maioria já joga nos escalões seniores mas 2ªs linhas e não titulares, daí a diferença de intensidade e intensidade de jogo.
Reorganizar todo o STAFF Técnico das Selecções Masc. e Fem para tentar melhorar os resultados no futuro.
O que nós temos no andebol são os jogadores mas com bons treinadores rendem mais, veja-se os resultados
dos Clubes nas competições europeias..
Abraço
Joaquim Silva