gal vence

- Vamos encher os Pavilhões - mas com dignidade a Modalidade merece
Calendário e Resultados na Barra Direita

terça-feira, 3 de fevereiro de 2015

Crónica de Fim-de-semana No Feminino – 17 – 2014 / 2015

Crónicas exclusivamente dedicada ao Feminino, para falarmos da 4.ª jornada da 2.ª volta, e dos 2 jogos da 5.ª jornada da 2.ª volta. 
 
Voltamos a apelar, aqueles que são verdadeiros adeptos do Andebol no Feminino, reforçando o nosso pedido de colaboração para que estas crónicas melhorem dia a dia, e deste modo possamos continuar a dar o merecido valor a esta prova, aguardando que algum ou alguns dos nossos habituais leitores se disponibilizem para no mínimo nos fornecerem dados para que esta continuidade às crónicas sobre o andebol em especial no feminino, seja uma realidade, continuamos abertos às mesmas. Algumas colaborações estão a ser recebidas, o que agradecemos, mas ainda são poucas, esperamos mais e muitas mais, obrigado. 
 
PO09 – Campeonato Nacional da 1.ª Divisão Seniores Femininos. 
 
1.ª Fase – Resultados
15.ª Jornada
Juventude Lis 28 - 20 Juventude Mar
Madeira SAD 26 - 18 JAC-Alcanena
Colégio Gaia 27 - 23 CA Leça
ARC Alpendorada 21 - 29 João Barros
CS Madeira 32 - 21 Passos Manuel
Alavarium 23 - 22 Maiastars
16.ª Jornada
Madeira SAD 33 - 20 Passos Manuel
CS Madeira 24 - 25 JAC-Alcanena 
 
Uma referência, para o facto de nos quatro (8) jogos disputados, em apenas dois deles terem retificado o resultado verificado na 1.ª volta da prova (Juventude Lis / Juventude Mar e Madeira SAD / JAC-Alcanena), e para o facto de se ter verificado apenas um (1) jogo com ocorrências disciplinares (Alpendorada – João Barros). E uma referência ainda para as excelentes assistências registadas na maioria dos jogos disputados na Madeira. 
 
Nuna jornada em que não se verificaram grandes surpresas, e onde apenas dois jogos (conforme já foi dito), retificaram o resultado ocorrido na 1.ª volta, vamos começar precisamente por um desses jogos o Juventude Lis / Juventude Mar, que terminou com a vitória da equipa de Leiria, que com esta vitória viu aumentadas as suas possibilidades de participar no Play OFF da prova. Foi um encontro sem grandes sobressaltos para a s leirienses que ao intervalo já venciam por 12-7. No segundo período de jogo não se verificaram grandes alterações no comportamento das equipas e o encontro terminou com vitória clara da equipa de Leiria. Ana Silva com 12 golos foi a principal marcadora da Juventude Lis e do jogo, com Teresa Santos da Juventude Mar a marcar 6 golos e a ser a melhor marcadora da sua equipa. 
 
No Funchal disputou-se mais jornada dupla. Com um pavilhão bem composto e adeptos bem entusiastas dos dois clubes, assistiu-se a um dos jogos mais interessantes da Jornada onde o primeiro classificado do campeonato defrontaria o quarto classificado. O JAC vinha de uma serie de bons resultados, queria manter o mesmo rumo e até começou bem a partida comandando até aos 30 minutos de jogo, graças a uma defesa bastante concentrada e grande eficácia no ataque, onde Neuza Valente com 12 golos (melhor marcadora da equipa e do jogo) foi a figura de destaque. A equipa da casa esteve bastante mal a nível defensivo e permitiu ao JAC ir a vencer para o balneário pelo resultado de 10-13. Na segunda parte o Madeira SAD alterou a sua maneira de jogar, tornando-se bem mais organizado defensivamente e a nível ofensivo Erica Tavares (com 9 golos foi a sua melhor marcadora) esteve com a pontaria bastante afinada e Ana Andrade, que jogou a pivot bastante tempo, também rubricou uma boa exibição. Do lado do JAC, o jogo na segunda parte foi completamente inofensivo. Não foi a nível defensivo que o JAC perdeu o jogo, foi a nível ofensivo. 5 Golo em 30 minutos é bastante mau para uma equipa que ao intervalo estava a vencer por 3 golos ao 1º classificado. O JAC encontrou uma guarda-redes em dia sim na 2ª parte, com uma boa eficácia, pelo contrário teve Patrícia Rodrigues (apenas 4 golos) a ser uma sombra da jogadora que é, e com Rita Alves a recuperar de uma lesão, apenas Neuza Valente assumia toda a responsabilidade de rematar de 1.ª linha, os remates começaram a sair sem nexo e a equipa da casa foi tendo a paciência de forçar esses remates e assim dilatar o marcador para o resultado final que se veio a verificar. Mérito para o Madeira SAD que conseguiu recuperar da desvantagem que tinha ao intervalo, com total aproveitamento dos erros do adversário. 
 
No jogo do CS Madeira / JAC-Alcanena, dirigido por uma dupla da madeira (Gonçalo Aveiro / Hugo Fernandes), tivemos informações de fontes fidedignas, onde fomos informados de jogo esteve interrompido, por situações relacionadas com o público, assim é uma pena que o relatório do jogo seja completamente omisso relativamente aos mesmos. O que pode levar a criar opiniões menos favoráveis sobre o seu comportamento em jogo. Voltando ao jogo propriamente dito. Tivemos de um lado, o CS Madeira que vinha motivado, pela vitória obtida na véspera sobre o Passos Manuel, e do outro um JAC-Alcanena, que se podia encontrar abalado pelo jogo do dia anterior. Tal não veio a verificar, com o JAC-Alcanena a cedo mostrar que o revés que tinha sofrido na véspera, já tinha sido ultrapassado e desde cedo controlou o jogo graças a uma boa exibição de Diana Roque na baliza do JAC e a uma "renovada" Patrícia Rodrigues (7 golos e melhor marcadora da equipa), que juntamente com Neuza Valente (6 golos), bem acompanhadas de Adriana Lage (4 golos) levaram o JAC a vencer por uns confortáveis 6-12 ao intervalo. N0 segundo tempo o CS Madeira procedeu a uma alteração na sua maneira de jogar e ao proceder a uma marcação individual conseguiu que o JAC-Alcanena cometesse erros, para de seguida marcar golo e se ir aproximando no marcador. Após a interrupção já por nós referida, o CS Madeira continuou a pressionar individualmente o ataque do JAC, que por sua vez ia cometendo muitos erros e faltas atacantes para deixar que o resultado chegasse a um golo de diferença. A 10 segundos do fim, o CS tem hipótese de empatar a partida mas o JAC-Alcanena conseguiu recuperar a bola, e terminar os 60 minutos com uma vitória importante. Mais uma vez Sara Gonçalves com 8 golos (melhor marcadora da equipa e do jogo, foi determinante para o CS Madeira ao rubricar uma boa exibição. Realce ainda para a regressada Diana Roque na baliza do JAC-Alcanena, que começa a dar alguma tranquilidade à equipa nos momentos mais difíceis dos jogos. 
 
O Madeira SAD, após ter vencido o JAC-Alcanena, disputou no domingo com o Passos Manuel o jogo referente a 16.ª jornada, completando assim a sua jornada dupla. Venceu como seria de esperar, e com alguma facilidade, confirmando assim o bom momento que atravessam. Foram das equipas que confirmaram o resultado conseguido na 1.ª volta onde as lisboetas ofereceram muito mais réplica, mas a nítida subida de forma das madeirenses, levou a que o intervalo chegasse com as mesma já na frente do marcador (18-15), embora por números que espelhavam alguma dificuldade que na realidade não se refletiu no resultado final, pois tal como na véspera apenas no 2.ª tempo tiveram um nível de rendimento aceitável diante uma equipa bem mais frágil. Renata Tavares com 7 golos, Erica Tavares e Claudia Aguiar com 6 golos foram as marcadoras de serviço do Madeira SAD. Já Cátia Santos com 9 golos foi mais uma vez a melhor marcadora do Passos Manuel e neste caso até do jogo. 
 
O CS Madeira, que no sábado defrontou o Passos Manuel, averbou mais uma vitória com grande facilidade sobre o Passos Manuel, confirmando a sua vitória conseguida na jornada correspondente na 1.ª volta. No único jogo em que se registou uma assistência mais diminuta entre todos os jogos disputados no Funchal, para a 1.ª Divisão Feminina. Foi mais um jogo de contrastes, pois todo o resultado foi construído durante o primeiro tempo, com o CS Madeira a chegar ao intervalo a vencer já por uns claros 17-8, precisamente a mesma diferença que se verificou no final do encontro, fruto de um total relaxamento de uma equipa e de uma substancial melhoria da outra, provocando um segundo tempo de grande equilíbrio. Mais uma vez Sara Gonçalves do CS Madeira com 11 golos foi a melhor marcadora da equipa e do jogo. 
 
Em Aveiro disputou-se o Alavarium / Maiastars, que foi um dos jogos mais equilibrados da jornada, e que terminou com a vitória da equipa aveirense pela diferença mínima. A equipa maiata, que continua a apresentar um andebol agradável, mais uma vez, pelo fomos informados em tempo, não teve a “sorte” pelo seu lado, pois sofreu o golo da derrota a cerca de 15 segundos do fim. Estranha-se a prestação da equipa campeã nacional em título, que jogou abaixo do desejável, diante uma equipa que dá tudo em todos os encontros. Numa partida jogada sempre com uma saudável agressividade desportiva, e grande equilíbrio no marcador como prova o resultado que já se verificava ao intervalo (uma igualdade a 12 golos). Mais uma vez Mónica Soares do Alavarium com 12 golos foi a melhor marcadora da sua equipa e do jogo, com a sua colega e Mariana Lopes a marcar 6 golos, pelo Maiastars, e igualmente mais vez Diana Oliveira com 10 golos foi a sua melhor marcadora. 
 
Em Gaia o Colégio de Gaia, defrontou o CA Leça, e venceu exatamente com um resultado completamente igual ao registado na 1.ª volta, mas continuando a realizar exibições não condizentes com o plantel que possui, algo de estranho se passa com esta equipa. Pois voltou a sentir grandes dificuldades para vencer uma equipa que luta para apenas para amealhar pontos para a segunda Fase da Prova no chamado Grupo “B”, enquanto a equipa do Colégio luta pela melhor classificação possível para a disputa do Play OFF Final, tudo se encontra validado com o resultado que se verificava ao intervalo e que era de 13-11, a favor do colégio. Bebiana Sabino com 7 golos foi a melhor marcadora do colégio Gaia e do jogo, enquanto Daniela Mendes do CA Leça com 6 golos foi a melhor marcadora da sua equipa. 
 
Terminamos esta crónica, escrevendo sobre o único jogo em que se verificaram ocorrências disciplinares, o ARC Alpendorada / João Barros, que terminou com a esperada vitória do João Barros, diante um ARC que se apresentou já desfalcado da sua melhor jogadora que abandonou o clube a Josiane Costa. A equipa das meirinhas igualmente sem a sua principal 1.ª linha que emigrou para a França como conforme já informamos em tempo a Maria Pereira, voltou a vencer a equipa de Alpendorada confirmando o resultado da 1.ª volta, embora o equilíbrio verificado na 1.ª parte (14-12 a favor do João Barros) leva-se a pensar em maiores dificuldades nos segundo 30 minutos, mas foi precisamente o contrário que se verificou, com o João Barros a dilatar o marcador para uma margem confortável. Num jogo que terminou com 3 desqualificações diretas o que desde já se lamenta. Maria Coelho e Tânia Braga com 7 golos foram as marcadoras de serviço do ARC Alpendorada. Francisca Marques igualmente com 7 golos foi a principal marcadora das meirinhas.  
 
Após a realização destes jogos, a classificação é a seguinte: 1.º Madeira SAD (44 pontos, + 1 jogo), 2.º João Barros (41 pontos), 3.º Alavarium (40 pontos), 4.º JAC-Alcanena (38 pontos, + 1 jogo), 5.º Colégio Gaia (34 pontos), 6.º CS Madeira (31 pontos, +1 jogo), 7.º Maiastars e Juventude Lis (28 pontos), 9.º CA Leça e ARC Alpendorada (23 pontos), 11.º Passos Manuel (20 pontos, + 1 jogo), 12.º Juventude do Mar (18 pontos). 
 
O Noticias

19 comentários:

Anónimo disse...

Como é que o Ala agora ganha sempre os jogos aflito mesmo contra equipas fracas?

Senhores dirigentes é tempo de fazerem alguma coisa!!!!

Anónimo disse...

Expliquem-me uma coisa por favor: como podem fazer a crónica do jogo Sports Madeira – JAC, e escrever que «tivemos informações de fontes fidedignas, onde fomos informados de jogo esteve interrompido, por situações relacionadas com o público»?
Quem deu as informações para a crónica, devia confirmar que, de facto, o jogo esteve interrompido, por ordem da equipa de arbitragem, até a chegada de uma brigada da PSP.
Estava sentado no sector onde se encontrava uma animada claque do JAC Alcanena que, ordeiramente, apoiava a sua equipa. A dada altura parece que a tampa de uma garrafa de água que um dos elementos dessa claque saltou para dentro de campo, levando a dupla de arbitragem, no meu entender exageradamente, a parar o jogo. Pelo que me apercebi, não era motivo para tanto. Embora estivesse no pavilhão para apoiar a equipa da Madeira, enquanto adepto da modalidade, gostei de ver uma equipa continental levar à Madeira uma pequena claque de apoio. Afinal, também é para isso que o desporto serve!
Foi um jogo emotivo, com o Sports Madeira a lutar até o último segundo para tentar obter um resultado positivo mas, como diz o povo, a morrer na praia, perdendo pela diferença mínima.

Anónimo disse...

Que se passou em Alpendorada?

Anónimo disse...

Excelentes pagina do Andebol Feminino e bons coemntarios tecnicos de cada jogo.
Assim sim!

Anónimo disse...

Desde quando a Josiane Costa era a melhor jogadora do Alpendorada?

Anónimo disse...

Ninguém fala do que se passou em Alpendorada?

Anónimo disse...

Não compreendo como o vermelho direto à Sabino não teve disciplina.
Ao longo dos últimos jogos, a forma como distribui porrada em tudo o que mexe perto dela, é incrível.
A forma como comenta permanentemente as decisões dos árbitros, indo ao ponto de lhes chamar palhaços na cara, sem a devida penalização, mostra a forma desigual como as jogadoras são vistas pelos árbitros.
Vamos a vêr nas competições europeias se vai poder continuar a agredir as adversárias como muito bem entende, fazendo-se sempre de coitadinha e injustiçada.

Anónimo disse...

Os jogos em casa do Alpendurada só dão confusão e complicação quando está lá a claque do futebol (ou futsal).
É deplorável a forma como insultam e provocam as adversárias durante os jogos.
Alguns vão ao pavilhão só mesmo para arranjar conflitos, porque de andebol só sabem que se joga com uma bola.
Haja paciência para os aturar!

Jorge Almeida disse...

Actualização da informação sobre os adversários das equipas portuguesas nas comeptições europeias:

a) O jogo que os sérvio do Vojvodina Novi Sad, adversários do FC Porto na Taça EHF, vão jogar em Skopje (Macedónia) contra a equipa local do Metalurg, a contar para a SEHA GSS League, no próximo Sábado, começa pelas 16:30 de Portugal Continental, e está previsto dar em direto no canal de TV macedónio MPT.

b) Esqueci-me das equipas femininas. O meu pedido de desculpas. Os jogos das checas do DHC Sokol Poruba, adversárias do Colégio de Gaia na Taça Challenge, estão disponíveis em http://hazena.tvcom.cz/.

c) Ainda nos femininos, as polacas do Pogon Baltica Szczecin, adversárias do JAC Alcanena na Taça Challenge, vão receber hoje o Vistal Gdynia pelas 17:00 de Portugal Continental, num jogo a contar para a Liga Polaca. Prevê-se transmissão em direto no canal de TV polaco PolSat Sport News. Só agora é que soube desta transmissão.

Os canais de TV acima citados são conhecidos daqueles sítios na net onde algumas alminhas caridosas têm pena duns pobres coitados, e deixam lá uns links para o povo poder ver também esses jogos.

Anónimo disse...

Deixem de ser parolos: pelo que sei a claque não tem ido aos jogos das seniores da ARCA, porque acompanha o futebol. Quando vão a única coisa que fazem é puxar e bem pela equipa da casa. Quem dera a muitos!
Os insultos na bancada não são exclusivos de Alpendorada, bem pelo contrário: se há gente que sabe bem receber são os de Alpendorada. Insultos há-os em toda a parte, porque infelizmente a educação no nosso país anda pela hora da morte!
Já agora: a Jassie não é a melhor jogadora de Alpendorada, porque para isso tinha que treinar e jogar em vez de andar nas noitadas. Se foi dispensada como vem no outro blogue do feminino, é porque a paciência se esgotou lá para aqueles lados.

Anónimo disse...

Parece que a Josiane Costa (Jassie) vai para Maiastars e este fim-de-semana já joga contra o CALE: só uma dúvida - as transferências não eram só até ao final de dezembro? Parece que os regulamentos continuam a ser diferentes para os lados da maia/braga...

Anónimo disse...

o tom jocoso da sua questao esbarra com a sua falta de conhecimentos dos regulamentos.
Dê-se ao trabalho de os consultar e terá todas as respostas as suas perguntas....jocosas....

Quanto ao facto de a atleta Josiane Costa ir para onde quer que vá (é realmente um problema ou decisão dela)e ainda tenho boa memória, foi de facto no Clube que referencia, que conseguiu revelar os seus talentos andebolisticos. Conhecendo a forma séria e honesta como se trabalha pela Maia e em Braga, decerteza que,e se for verdade, A Josiane Costa estará no lugar certo para retomar o que poderá ser um futuro brilhante.

É pena outras atletas com valor, deixarem de o ter passado um ou dois anos, pelas escolhas infelizes que tomam conjuntamente com os seus encarregados de educação e se deixam levar por promessas FALSAS, FALTA DE TRABALHO EXIGENTE e CUMPLICIDADES ESTRANHAS.

Houvesse mais Clubes como o que refere, com Trabalho exigente e responsavel e se calhar EM VEZ DE DESCERMOS NO RANKING EUROPEU, TIVESSEMOS SUBIDO 5 a 6 Lugares?

Vá brincando, enquanto outros vão trabalhando...

Anónimo disse...

Se fosse o treinador do JAC jogava só com duas atletas, Diana Roque na Baliza e a Neuza Valente na frente, Neuza não respeita as movimentações nem as jogadas da equipa, os treinadores adversários até se dão ao luxo de dizer deixem a Neuza rematar porque em 500 remates entra uns 10 as outras como não tocam na bola está tudo bem, e aqui na madeira viu se muito bem isso, colegas de equipa sozinhas e o que faz? ou bola para Porto Moniz ou então metia a no bolso, o Andebol é um jogo colectivo que envolve 7 jogadores, e enquanto o treinador do Jac não resolver esta questão pode bem ir sonhando com o titulo porque assim nunca o vai ganhar, equipas que tem as melhores marcadoras raramente são campeãs nacionais, na minha sincera opinião penso que o treinador devia por a equipa à frente das individualidades, se não nada feito.
Se reparar mos o Jac tem um equipa para titulo, esta equipa a colaborar uns com os outros tinha sucesso, ora vejamos:

Baliza: Diana Roque
Pivot: Adriana Lage
Central: Rita Alves
Lateral esq: Neuza Valente
Lateral drt: Patrícia Rodrigues
Ponta esq: Rita Henriques
Ponta drt: mal por mal venha a sarmento quando não tiver a dar não e difícil, metia aquela miúda da selecção a Mihaela a lateral direito e descaia a Patrícia Rodrigues a ponta!

Eu sei que quem está de fora é fácil falar, mas será que o treinador não reparar que a equipa perde sempre de duas maneiras?

Ou porque se descontrola e começa a levar sanções disciplinares e isso resulta da exclusão das suas jogadoras ficando em inferioridade numérica ou então da sua lateral esquerda que não respeita nada nem ninguém e se acha o super sumo do andebol nacional que atira 500 bolos do cacto à parede e o Jac em consequência disso vai se distanciando do marcador.

Isto parece uma analise muito focada para a atleta Neuza valente, mas os factos são mesmo estes!

Anónimo disse...

Tenho que concordar com a análise do anonimo de 5 de fevereiro de 2015 às 19:37.
Mas não se esqueça que na Madeira, sem a Rita Alves (lesionada) e a Patricia principalmente no jogo com a SAD, pura e simplesmente "desaparecida", nas jogadas de ataque organizado apenas ela assumia o remate, muitas vezes erradamente é certo e com isso prejudicando a equipa. Mas não foi a Neuza que falhou: quantos remates de contra ataque se falhou?
Ah e na sua "equipa ideal" eu fazia uma alteração: a ponta direita colocava a Márcia. Porquê? Porque é uma canhota. Sim é nova, mas é uma opção viável para aquela posição e tem que começar a fazer uns jogos para ganhar experiência.

Anónimo disse...

Esse anonimo que nao fez analise nenhuma ao jogo, simplesmente se limitou a dizer mal da neuza, e ai só concluo uma coisa, dor de cotovelo certamente. A neuza é uma niuda humilde, trabalhadora, respeitosa, nao entendo essa sua analise sinceramente. A neuza e a patricia é que levam a equipa do jac as costas, ora se a patricia contra o madeira sad nao esteve tao bem como é logico tinha de ser a neuza a assumir o jogo, como em tantas outras situaçoes o fez. E talvez voce anonimo é que gostava de ser o super sumo do andebol. Ai ai. E sim, o jac tem plantel para ser campeao, ja deu provas disso, nao vale apena andarem para ai a destabilizar.

Anónimo disse...

Confirma-se:
http://portal.fpa.pt/fap_portal/do?COM=DS;1;111;+PAGE(2000099)+COD_COR_CAIXA(3)+K-CATEGORIA(326)+K-ID(173132)
Josiane no Maia. Na foto ainda está com a camisola do Alpendurada, mas já está inscrita pelo Maia.

Anónimo disse...

Então depois da sessão de boxe no jogo ALPENDORADA-JOÃO DE BARROS não há atletas castigadas?

Anónimo disse...

Respeito a opinião do anonimo de 5 de Fevereiro de 2015 às 20:45, os factores que refere concordo com eles também dai respeitar a sua opinião, alias eu falo por mim sou como se diz no futebol treinador de bancada o que la vai dentro só os atletas sabem e o treinador.. gostei da sua sugestão da Marcia. Repare tambem que eu nao estou a dizer que a Neuza nao deve rematar, deve rematar sim ela é um poço de força, mas agora nas situações que ela o faz as vezes nao sao as melhores, porque rematar nos 14 metros quando pode forçar os 6? porque ir para o lado direito quando provavelmente podia a equipa montar uma jogada como por vezes no jogo aconteceu para a Neuza rematar... os jogos as vezes ganham se em pormenores e estes por vezes muito fundamentais.


Quanto ao anónimo 6 de fevereiro de 2015 às 10:41 nao me leve a mal mas penso que leu erradamente o meu post isto porque:

- Não fiz analise alguma ao jogo mas sim as individualidades e ao sistema de jogo de uma equipa, penso que não vê eu a falar dos Madeiras.

-Eu não disse mal, apenas disse o que vi, se eu como cidadão português não poder dar a minha humilde opinião construtiva diga, sempre pensei que estávamos num pais de liberdade de expressão e que o tempo do Salazarismo tinha acabado em 1974.

- Dor de cotovelo provavelmente não tenho, mas se tiver não se preocupe eu vou consultar um Clínico geral, Infectologista, Reumatologista ou provavelmente um Ortopedista.

- Lamento profundamente que novamente se refira a minha analise individual e colectiva em termos de sistema de jogo como um ataque pessoal, pois eu na minha analise não referi que a neuza não era Humilde, trabalhadora e respeitosa.

- Se não entende a minha analise eu não me importo de lhe a explicar outra vez por outras palavras, talvez um português mais calão e grosso o anónimo entenda.

- Os atletas não levam as equipas as costas, as equipas e que levam os atletas as costas pois caso não saiba anónimo se não fosse as equipas a investir tempo e dinheiro na formação dessas tais atletas elas não eram atletas nenhumas, o que refere é um pensamento um pouco individualista. ( se é que me percebe ;) )

- Voltamos novamente á Neuza assumir o jogo, porque? porque tem força para rematar? a equipa não pode criar situações muito melhores para ela executar? ela tem de executar de qualquer maneira e feito? peço desculpa mas não faz sentido esse parâmetro.

- Se gostava de ser? gostar até gostava para ensinar ao caríssimo anónimo que o andebol e um jogo colectivo, caso não repare e friso novamente seu comentário é um pouco individualista ( se é que me percebe outra vez ;) )

- Jac tem plantel para ser campeão. Ora aqui está talvez o único parâmetro que concordo consigo, fico contente por termos um aspecto em comum em que estamos de acordo.

- Destabilizar? Lamento profundamente que pense que o meu comentário seja para desestabilizar, provavelmente se eu elogia-se e dissesse que era a melhor equipa e a melhor jogadora do país e dos arredores já seria o melhor anonimo/adepto do mundo, mas como apenas disse o que pensei e o que achei por vontade própria já é para desestabilizar, penso que devia ter um pouco a mente mais aberta, as pessoas crescem e sabendo ouvir e a respeitarem as opiniões dos outros e não levarem um opinião como um ataque pessoal.

Boa sorte para as equipas portuguesas nas competições europeias e ganhem todos os jogos ate a final!

Anónimo disse...

Muito bem respondido.