gal vence

Euro Sub-17 Femininos (Lituânia), Portugal vence a Turquia por 40-25 - Mundial Sub-19 Masculino Portugal derrotado pela França 1/4 Final por 34-24 - Vamos encher os Pavilhões - mas com dignidade a Modalidade merece
Calendário e Resultados na Barra Direita

domingo, 31 de maio de 2015

PO09 - Play Off e Grupo “B” - No Feminino – 31 – 2014 / 2015

Mais uma Crónica dedicada ao Feminino, aos jogos do Play OFF (Grupo “A”), mas igualmente aos jogos do chamado Grupo “B”.
 
ALAVARIUM TRICAMPEÃO NACIONAL

PO09 – Campeonato Nacional da 1.ª Divisão Seniores Femininos. 
Grupo “A”

Play OFF Final – Apuramento do Campeão

1.º Jogo
Madeira SAD 22 – 26 Alavarium
2.º Jogo
Alavarium 19 – 25 Madeira SAD
3.º Jogo (necessário)
Alavarium 25 – 21 Madeira SAD

3/4 Lugar
1.º Jogo
Colégio Gaia 32 – 24 João Barros
2.º Jogo
João Barros 26 – 30 Colégio Gaia
3.º Jogo (Não necessário)
João Barros - Colégio Gaia

5/6 Lugar
1.º Jogo
Maiastars 28 – 32 JAC-Alcanena
2.º Jogo
JAC-Alcanena 33 – 30 Maiastars

7/8 Lugar
1.º Jogo
Juventude Lis 27 – 31 CS Madeira
2.º Jogo
CS Madeira 35 – 24 Juventude 
 
Situações já definidas
 
Classificações Final – 1.º Alavarium, 2.º Madeira SAD, 3.º Colégio Gaia, 4.º João Barros, 5.º JAC-Alcanena, 6.º Maiastars, 7.º CS Madeira, 8.º Juventude Lis, 9.º CA Leça, 10.º ARC Alpendorada, 11.º Juventude Mar, 12.º Passos Manuel.

Mantêm-se na Divisão – CA Leça e ARC Alpendorada
Descem de Divisão – Juventude Mar e Passos Manuel

Participação nas Provas Europeias 
 
Embora, esta distribuição possa não ser a definitiva, deixamos aqui as participações, que foram obtidas através dos Regulamentos de Provas, nuca nos esquecendo de que Portugal, apenas tem direito a um total de 5 clubes nas provas Europeias.

Liga dos Campeões EuropeusAlavarium (PO09)
European CUPMadeira SAD (PO09)
Challenge CUPColégio Gaia e João Barros (PO09)
CUP Winner’s CUPJAC-Alcanena (Finalista vencido da Taça de Portugal)
 
Este fim-de-semana, tivemos o final da prova, com os jogos decisivos para definir, não o vencedor da prova, como a restante classificação, sendo necessário recorrer ao 3.º jogo para definir o Campeão Nacional, pois os restantes são definidos através da disputa do chamado Grupo B. Pena foi que neste últimos jogos se tivessem registado encontros com registo de ocorrências disciplinares. Mas com entusiásticas e excelentes assistências o que se traduz por um aumento de interesse pelos jogos do género Feminino
 
Antes de iniciarmos a nossa verdadeira e síntese dos jogos, não podemos deixar de manifestar a nossa estranheza, pela nomeação antecipada para os 2.º e 3.º jogo da Final da mesma dupla, depois da experiência negativa, que se passou na PO01, parece que quem nomeia no CA, não defende, nem sequer a arbitragem. Na nossa opinião este tipo de procedimentos não são dignificantes, para a modalidade, e quando são praticados numa final de uma prova de topo do calendário Nacional em termos Femininos, teremos sempre de os criticar. Felizmente que ambos os jogos correram pelo melhor á dupla que mostrou uma enorme serenidade durante os mesmos, e manteve-se fiel ao critério que definiu para dirigir os dois encontros, o que merece desde já as nossas felicitações, pela coragem e dignidades com que estiveram em campo, uma situação que desejávamos que ocorresse sempre.


No pavilhão do Alavarium, no segundo jogo da Final do Play Off, assistiu-se na prática ao inverso do que se tinha verificado no 1.º jogo no Funchal, com um Madeira SAD, bastante personalizado, e que retificou tudo o que de errado, perante um Alavarium descaracterizado, e que por vezes dava a sensação de que não estava num jogo decisivo. O Madeira SAD comandou o jogo praticamente desde os 10 minutos (4-4), para chegar ao intervalo a vencer por 13-8. Com as madeirenses neste período a estarem muito bem quer defensivamente quer no ataque, enquanto no Alavarium Isabel Góis não estava nos seus dias, a dupla marcação feita a Mónica Soares e Mariana Lopes do Alavarium retirando-se poder de “fogo” resultaram e em pleno. Quando cerca dos 37 minutos de jogo o Madeira SAD, chega a uma vantagem de 9 golos (17-9), e mais tarde o mesmo diferencial aos cerca dos 50 minutos (22-13) e novamente aos 54 minutos (23-14), imediatamente as equipas começaram a pensar no 3.º jogo e a pouparem algumas das suas melhores atletas, para o 3.º jogo. Mariana Lopes que saiu com uma pequena (pensamos nós) lesão aos 44 minutos, ficou fora do jogo durante algum tempo, o que lhe permitiu algum descanso. Neste jogo Ana Andrade (4 golos) fez um excelente jogo, “dirigindo” a sua equipa em campo, com Erica Tavares (5 golos) a surgir no segundo período de jogo, teve ainda na experiente Renata Tavares com 6 golos a sua melhor marcadora. No Alavarium Andreia Madail, esteve muito bem e não foi por si que a sua equipa perdeu o jogo, pelo contrário contribui para que o resultado fosse diminuindo de diferença, para se cifrar nos 6 golos finais, na equipa aveirense apesar da Marcação a que foi sujeita Mónica Sores (4 golos) esteve longe do seu valor, mas Ana Rita Neves (5 golos) apesar de desqualificada aos 52 minutos foi a sua melhor marcadora, e na nossa opinião o seu melhor elemento. 
 
No 3.º Jogo, Tudo se modificou, e com a equipa do Alavarium a corrigir o seu comportamento do jogo anterior, sendo mais assertivo defensivamente e preparando-se para as marcações individuas a que eventualmente seria sujeito, conforme se verificaram, e contando com uma Isabel Góis nos seus dias, que foi um dos grande esteios da sua equipa, contando ainda com Andreia Madail, que cada vez que entrou para a baliza na ocasião dos livre de 7 metros, esteve 100% eficaz, defendo todos. Poder-se-á dizer que estas duas atletas levaram o pavilhão ao rubro com as suas prestações (Pavilhão completamente esgotado). Tivemos um encontro de grande equilíbrio até aos 22 minutos, quando se registava uma igualdade a 8 golos, a partir deste momento a equipa do Alavarium, passa para a frente do marcador, aumentando progressivamente a sua vantagem até aos 6 golos com que se atingiu o intervalo (16-10). No segundo tempo as madeirenses ainda reduziram até aos 2 golos de diferença (18-16 aos 40 minutos), mas nunca conseguiu uma aproximação mais eficaz. O Madeira SAD, não teve o poder de concretização que tinha tido na véspera, enquanto o Alavarium, que na nossa opinião realizou um excelente jogo, teve em além das já referidas guarda-redes, uma Mónica Sores com 10 golos e que esteve muito bem durante todo o encontro, assim como, mais uma vez Ana Rita Neves (4 golos) no comando da equipa. Nas madeirenses Ana Andrade (6 golos) foi uma extraordinária ”comandante”, e a sua desqualificação direta por uma atitude completamente desnecessária, e uma das suas melhores marcadoras, sendo bem acompanhada pela experiente Renata Tavares (4 golos) e mais uma vez a jovem Erica Tavares (6 golos) outra das suas melhores, marcadoras. Vitória merecida da equipa que melhor suportou e se preparou para o 3.º jogo. E que assim se sagou Tricampeã Nacional. Uma palavra para a transmissão da Andebol TV que pela 1.ª vez utilizou mais de uma camara o que se destaca com agrado
 
No Pavilhão das Meirinhas, e conforme tínhamos previsto a vantagem que o Colégio Gaia tinha adquirido e a forma como se encontrava a jogar o João Barros neste final de época, não seria difícil prever, que a equipa de Gaia, não iria precisar muito provavelmente de um 3.º jogo, conforme se veio a verificar, ao ir vencer as meirinhas como visitante, num jogo mais equilibrado que o primeiro, tendo até durante os 30 minutos iniciais, o João Barros, ter terminado a vencer por 17-15, mas a escassez do seu plantel, levou a que o Colégio Gaia, no segundo tempo resolvesse o jogo, e terminasse na posição de vencedor, De assinalar que o João Barros, apenas inscreveu 10 atletas. Francisca Marques e Helena Corro, ambas com 6 golos foram as marcadoras de serviço das meirinhas. No Colégio Gaia, onde se verificou uma dispersão de marcadoras por 12 jogadoras, com Patrícia Lima e Helena Soares ambas com 5 golos a serem as melhores marcadoras da equipa. Com esta vitória o Colégio de Gaia, evitou a realização de um 3.º jogo. 
 
Em Alcanena, disputava-se o 5.º e o 6.º lugar entre a equipa local e o Maiastars, com vantagem da equipa do JAC-Alcanena, que já tinha vencido o primeiro jogo na Maia. Tal como o primeiro jogo, voltamos a ter um jogo de grande equilíbrio, com a equipa maiata, mais uma vez sem (na nossa opinião) a sua melhor atleta (Diana Oliveira), que embora inscrita nunca participou no jogo, enquanto a equipa local, também não podia contar com a jovem jogadora Patrícia Rodrigues. O jogo foi disputado com grande equilíbrio, mas desta feita as maiatas chegaram ao intervalo a vencer por 18-15, o que levou muita gente a supor que iriamos ter uma reviravolta na classificação, mas o JAC-Alcanena, depois de passar para a frente no marcador já na fase final do encontro acabou por terminar como vencedora (este foi um dos jogos onde se verificaram ocorrência disciplinares). Na equipa local mais uma vez Neuza Valente esteve em evidência com os seus 10 golos, sendo não só a melhor marcadora da sua equipa como do jogo, com Rita Alves (9 golos) e Mihaela Minciuma (7 golos) a ser a sua companhia nas melhores marcadoras da equipa. Ana Sampaio com 7 golos,  Ana Sousa e Maria Cerqueira, ambas com 6 golos foram as melhores marcadoras da equipa maiata.
 
Por último tivemos o jogo final para atribuição do 7.º e 8.º lugar, disputado entre o CS Madeira e a Juventude Lis, jogo disputado na Madeira, com a equipa local, já em vantagem, pois tinha vencido o 1.º jogo em Leiria na semana anterior. O jogo desta feita não teve o equilíbrio do anterior, pois a superioridade da equipa insular nunca esteve dúvida, e já vencia ao intervalo por 16-12. Concretizando um segundo período de jogo de total superioridade. Com esta vitória a equipa do CS Madeira que apenas apresentou 10 atletas inscritas no Boletim de jogo (este foi um dos encontros com ocorrências disciplinares) obteve 0 7.º lugar na classificação final. Sara Gonçalves com 9 golos foi a melhor marcadora do CS Madeira e do jogo, sendo bem acompanhada por Mónica Gomes com 8 golos e Jéssica Gouveia com 7 golos. Ana Silva com 8 golos e Patrícia Mendes com 6 golos foram mais uma vez as melhores marcadoras da Juventude Lis. Um esclarecimento se impõe e não existe nenhum problema bem pelo contrário em divulga-lo:Na sequência da crónica referente ao jogo CSMADEIRA – JUVELIS, onde é destacado o facto da equipa do CSMADEIRA ter apresentado apenas 10 atletas, venho por este meio esclarecer que tal se ficou a dever ao facto de , no mesmo dia, 11 (!) das atletas que integram o plantel da equipa sénior estarem na Marinha Grande a disputar a Fase de Apuramento da PO11, pois contrariamente ao que sucedeu com a PO10, em que o respetivo campeonato efetuou uma pausa neste fim de semana, a PO09 decorreu em simultâneo com a Fase de Apuramento da PO11.”

Grupo “B”
6.ª Jornada
ARC Alpendorada 22 – 22 Juventude Mar
Passos Manuel 32 – 38 CA Leça
 
Nesta jornada conclui-se também o chamado Grupo “B”, concluindo-se que com os resultados verificados, ficaram definidos os lugares de descida de divisão e os lugares de quem se mantêm na PO09. E destaque-se que apesaram de serem jogos que definiam as descidas de divisão se disputaram sem ocorrência disciplinares. 
 
O CA Leça, que se deslocou á Quinta de Marrocos para defrontar o Passos Manuel, já com o seu lugar definido, apenas sofreu no primeiro tempo que terminou com uma igualdade a 17 golos, mas um segundo período de total superioridade da equipa visitante levou-se a uma vitória folgada, e confirmou a equipa lisboeta com uma das que desce de divisão. Onde nem os 11 golos de Mónica Carmo serviram para alguma coisa, pois Cristina Morgado com 14 golos, Daniela Mendes com 10 golos e Nádia Lemos com 7 golos foram as marcadoras de serviço do CA Leça.
 
Em Alpendorado a equipa da Juventude Mar, alcançou uma excelente igualdade, mas que não se traduziu em nenhum resultado positivo, pois mesmo com esta igualdade não se conseguiu manter na 1.ª Divisão. No entanto foi um jogo disputado palmo a palmo, e ao intervalo o ARC Alpendorada vencia pela diferença mínima, mas a equipa de Esposende nunca virou a cara á luta e terminou o encontro com uma igualdade com “sabor amargo”. Maria Colho no ARC com 11 golos foi a melhor marcadora da equipa e do Jogo. Na Juventude do Mar, Teresa Santos com 7 golos foi a sua melhor marcadora. 
 
Classificação do Grupo “B”, após esta Jornada: 1.º CA Leça (31 pontos), 2.º ARC Alpendorada (28 pontos), 3.º Juventude Mar (26 pontos), 4.º Passos Manuel (25 pontos).
 
O Noticias

27 comentários:

Anónimo disse...

Este cometário só demostra aquilo que vocês são:
Contradizem-se a cada passo enfim......


Antes de iniciarmos a nossa verdadeira e síntese dos jogos, não podemos deixar de manifestar a nossa estranheza, pela nomeação antecipada para os 2.º e 3.º jogo da Final da mesma dupla, depois da experiência negativa, que se passou na PO01, parece que quem nomeia no CA, não defende, nem sequer a arbitragem. Na nossa opinião este tipo de procedimentos não são dignificantes, para a modalidade, e quando são praticados numa final de uma prova de topo do calendário Nacional em termos Femininos, teremos sempre de os criticar. Felizmente que ambos os jogos correram pelo melhor á dupla que mostrou uma enorme serenidade durante os mesmos, e manteve-se fiel ao critério que definiu para dirigir os dois encontros, o que merece desde já as nossas felicitações, pela coragem e dignidades com que estiveram em campo, uma situação que desejávamos que ocorresse sempre.

Anónimo disse...

madeira sad e melhor equipa que o alavarium ..mas a equipa de aveiro faz se valer por 4 jogadoras monica, mariana, isabel gois, e ana neves, de resto muito fraco aquele banco de suplentes ...sorte a monica e isabel terem tado em dia sim senao la se ia o titulo...parabens pelo titulo ..

Anónimo disse...

Parabéns ao Colégio de Gaia pela magnifica prestação e a todas as atletas que compõem o plantel formadas neste excelente projecto de formação.

È pena é só estar a dar os parabéns a 1 ou no máximo para ser simpático 2 jogadoras pois de resto formada (nesta excelente escola de formação) não joga lá ninguém!!!

Parabéns também pelo excelente e extremamente publicitado titulo de Vice-Campeãs Regionais de Juvenis.

Pena que faz anos esta excelente escola não ponha os pés em nenhuma fase final de qualquer escalão de formação. Mas não faz mal… para a próxima época tenta-se contratar mais 50 jogadoras.... Para estragar :)

Anónimo disse...

só uma pergunta iniocente espero que ninguém leve a mal, nesta foto, cmo naquela que está agora na deferação, não está a seleccionadora nacional ana seabra, e com medalha, porquê, a vergonha já acabou ou só aguns a têm. obrigado e parabens ao ala

Anónimo disse...

A vergonha continua mesmo. A selecionadora vai ao balneário, dá tácticas, orienta a equipa mas não vai para o banco ??

Hipocrisia o nosso andebol. Haja bom senso e respeito.

Anónimo disse...

1 de Junho de 2015 às 17:16

Confirmo era a Ana Seabra ele gosta muito de ajudar e fazer um frete? e pode porque
é o Alavarium!
É o tapete do Lotopegui fala, mas noutra modalidades!
Tudo limpinho....

Anónimo disse...

é realmente vergonhoso que a Ana Seabra "selecionadora nacional" apareça com medalha ao peito!!!é também uma falta de respeito para com os outros clubes!! é ainda mais vergonhoso, que num fim-de-semana onde se jogaram duas fases de apuramento (iniciadas e juniores) a dita personagem, não tenha posto os pés em nenhum dos lados, pois é para isso que a fap lhe paga: para ver jogos e não para andar no balneário e nas festas do alavarium. agora se compreendem as convocatórias da mesma!
é vergonhoso como a fap, na pessoa de dirigentes tão exigentes, permitam este desfile de incompetência que grassa o ridículo.

Anónimo disse...

E o Carlos Pires também, não é treinador do São Pedro do Sul?

QUando é para cuspir veneno aparecem sempre cobras venenosas. Ainda bem que as pessoas com qualidade não ficam fechadas um ano inteiro num escritório e façam o andebol feminino ser melhor.

Anónimo disse...


Vergonhoso? Vergonhoso é falarem tanto do nome Ana Seabra quando na realidade ela sempre deu tudo o que tinha e o que não tinha pelo Andebol!!
Quando se fala em Ana Seabra falasse em andebol, em magia, em perfeição, em talento e nunca, mas nunca em vergonha. E não sei onde está o problema de ser seleccionadora e estar envolvida num clube, do qual ela fez parte durante estes dois últimos anos e num clube onde ela decidiu que seria o fechar da carreira enquanto jogadora. Como tal penso que ser seleccionadora de uma equipa de Juniores B, sim Juniores B, em que as idades nada tem haver com uma equipa sénior, pode causar tanta confusão na cabeça das pessoas. Em outros países os seleccionadores seniores treinam equipas a competir nas mais altas competições e nunca ninguém colocou isso em causa. Sabem qual o problema? Somos um pais com pessoas muito pequenas e de mentalidades fracas e por isso não conseguem ver que uma coisa não invalida a outra e que ser seleccionadora é ter vida própria e poder fazer as escolhas que quer, sem que seja criticada. Deviam era de ter vergonha quando não elevam o nome da Ana Seabra ao mais alto nível, quando não dão valor a uma figura mítica como é a Ana Seabra para o Andebol Feminino, para o Andebol Português e para o Desporto em Portugal. Tomara termos mais Anas Seabras no nosso pais, ai sim, talvez o desporto tivesse mais desenvolvido.

Anónimo disse...

Ana Seabra acaba de confirmar no seu Facebook que vai treinar os juvenis masculinos do São Bernardo na próxima época. Isto é um problema! Quando o Alavarium ganhar o título para o ano vão criticar o quê?

Antes era porque o treinador era filho do presidente, este ano foi a história da Ana Seabra. Será que um dia vão aplaudir a vitória de um clube que já leva 3 seguidas? Duvido, inventam outra coisa qualquer....

Anónimo disse...

na minha opiniao não está em causa a figura da ana seabra, nem o facto de poder ou não teinar equipas, desde que devidamente autorizada pela federação, na minha opinião que está em causa são actos de traansparência e não fingir que foi o que não foi, pois até como atleta e pelo deu ao andebol feminino sou seu admirador, mas não deixo de dizer que a imagem deve ser preservada, e sem ofender ninguem esta é a minha opinião. gostem ou não gostem

Anónimo disse...

Quando é a Federação que paga à Ana Seabra, deverá ter uma postura para com o seu empregador, e de respeito, muito respeito pelos clubes inscritos na Federação. Por isso é que ela existe.
Mas se calhar estou errado...
Quem foi que pagou à Ana Seabra, quando ainda era jogadora do Alavarium? Consta-se que Federação, Associação e Clube. se assim foi está explicado, o comportamento de todos os agentes envolvidos, especialmente da Federação. Injustiça total para os restantes Clubes (11) que também queriam ser Campeões Nacionais.

E porquê agora o convite para o masculino, no S. Bernardo? Vai-se repetir a história. Os protagonistas são os mesmos, Federação, Associação e Ulisses, e assim vamos resolvendo a coisa...

Não está em causa a Ana Seabra nem o valor da Ana Seabra como jogadora e ser humano, está sim a forma pouco transparente como arranjaram forma de pagar à Ana Seabra os seus ordenados.


O Ulisses, nunca deixou o Alavarium, e o S. Bernardo faz parte da estratégia. Felizmente, há alguma gente com muito conhecimento dos jogos de cintura do que se passou e se vai passando.

Confiou em pessoas que não devia.....

Anónimo disse...

1 de junho de 2015 às 17:16
1 de junho de 2015 às 23:02
1 de junho de 2015 às 22:46
1 de junho de 2015 às 22:11
1 de junho de 2015 às 18:38
1 de junho de 2015 às 18:18
Tema: Ana Seabra, lamentável e as irregularidades no Clube de Aveiro continua, o titulo não vale tudo!
O principal responsável é o Presidente da FPA Ulisses Pereira e tudo lhe passa pela frente dos olhos! já começa a ser uma doença familiar..
O Andebol merece outro tipo de comportamentos ..
Vitor Maia

nota: começo a duvidar dos comportamentos pessoais da Ana Seabra!

Anónimo disse...

O Carlos Pires é treinador do S. Pedro do Sul e todos sabem isso; a madeirense, no ano passado treinava o madeira sad e todos sabiam disso. A Ana Seabra não é treinadora de nenhum escalão do alavarium, o que torna ridículo as suas figuras: tudo o que fez como jogadora (talentosa) deitou a perder com esta postura pouco ética e de falta de respeito para com os outros clubes e até atletas que poderá vir a seleccionar.

Anónimo disse...

Tanta conversa em torno da Ana Seabra....gente mesquinha que devia orgulhar-se de ter uma Ana Seabra na história do andebol Nacional!! Quanto ao jogo, acho que a SAD dispõe de mais soluções, mas as coisas não correram bem. A Erica Tavares não pode estar tanto tempo em campo, sobretudo a defender. Não o sabe fazer e as colegas depois têm que compensar os seus erros. A atacar, teve medo de assumir e apenas passava a bola, pois nem vantagens para as colegas criou. e vi atitudes de uma total falta de humildade e de respeito para com as colegas. Ou muda ou não vai longe! Reclama demais, até quando a corrigem. Devia era ouvir, aprender e fazer melhor! A Mónica Soares estava em dia sim e as atiradoras da SAD em dia não. Quando assim é, as falhas de uns são o sucesso dos outros. Continuo a achar este modelo de play off POUCO CORRETO e POUCO VERDADEIRO, embora este ano, quer em femininos, quer em masculinos, tenha sido igual à época regular.
A dupla esteve muito bem, com erros para os dois lados, mas sem serem tendeciosas, o que contra o Alavarium, é quase um milagre!
Palavra para o público, que devia puxar mais pela equipa e insultar menos os adversários...pensem nos exemplos que dão!

Anónimo disse...

Tento manter-me a par dos artigos de andebol dos media através do site da FAP e devo dizer que é com alguma tristeza que vejo os artigos dos jornais regionais, dos jornalistas Alexandre Silva e Herberto Pereira, de Aveiro e da Madeira respetivamente. Compreendo que são regionais, mas não precisam de ser sempre tão pequeninos e tendenciosos, com uma escrita descuidada e muitas vezes encomendada. Às vezes chego a ter dúvidas se percebem de andebol e se assistem aos jogos!
Tenham algum brio e imparcialidade no vosso trabalho (ou part time), não sejam tão limitados.

Anónimo disse...

O que fazem para abafar a hegemonia de uma equipa... TRICAMPEAO... E pelos vistos nunca é com mérito. Ai a dor de cotovelo...

E agora a Seabra também não podia ir para o São Bernardo treinar masculino? LOL O sucesso incomoda mesmo muita gente.

Infelizmente o banhadas continua a dar cobertura a quem vem aqui cheio de dor de cotovelo, libertar as frustrações de nunca chegar ao topo.



Anónimo disse...

Em vez de estarem constantemente a falar da Ana Seabra deveriam é dar os parabéns ao Alavarium pela excelente época que fez! Acabou a primeira fase em primeiro lugar e mostrou que tem um óptimo plantel!
parabéns meninas :)

Anónimo disse...

quem é a Ana Seabra??? um grande nome do andebol?? deve ser um grande nome do andebol no nosso campeonato que passou pelos melhores clubes e ganhou titulos como gamharam as suas colegas de equipa, quanto a seleccao nacional ou estou a ficar com alzheimer ou que me lembre acho que nunca ganhou nada e pouco fez pela nossa selecção por isso resumindo:
uma jogadora que ganhou titulos nacionais como ganharam as suas colegas de equipa e mais uma grande nódoa da nossa selecção nacional

Anónimo disse...

Sobre o 3º jogo da final deixo o se seguinte opinião: a arbitragem daquela dupla, que continua a ser desfavorável as madeirenses; a substituição inopinada efectuada quando o jogo estava equilibrado(saida da Erica e entrada da Filipa) provocou um desiquilibrio que se tornou irreversivel e a opção pelo remate das pontas (com aquela guarda redes) ajudaram muito o Alavarium a chegar ao tri...

Anónimo disse...

Os casos que tem 3 anos ou 3 épocas de malabarismos no Alavarium e juntou-se o S. Bernardo merece uma investigação por parte do organismo que gera o Desporto federado tal as irregularidades verificadas e não se passa nada!
São mesmo graves e treinadores ora estão num lado, ora noutra ora jogam e orienta à vista desarmada de quem esta no pavilhão assistir a decisão do titulo Nacional.
Uma vergonha!
Eu estava lá e nem sou da modalidade!

Eurico Dias

Anónimo disse...

Falemos de factos! O requisito de ser titular de grau "Master Coach" mão é obrigatório para os trinadores detodos os clubes da PO09?

Anónimo disse...

Com o Ala a jogar sempre com 9, queriam outro campeão?

Anónimo disse...

Entrevista a Carlos Neiva (Treinador do Alavarium/Love Tiles)



Como é que foi vivido a conquista do terceiro título nacional?

Foi vivido com uma alegria enorme e com muito orgulho. Já tinha estado presente nos dois últimos campeonatos como treinador adjunto, mas a sensação agora como treinador foi indescritível.
A revalidação do titulo que já era nosso à dois anos e toda essa responsabilidade que nos pôs em cima foi tremenda, aliando isto a um grupo jovem de atletas que perdeu as suas peças mais experientes, transforma este titulo em algo ainda mais saboroso.
Parabéns a todo o grupo e apoiantes . Dedico este título à Isabel Pereira. Deixo aqui também os parabéns ao Madeira Sad pelos três jogos que realizou em que nunca nos facilitou em nada esta conquista.

Como é que as jogadoras lidaram com a derrota de sábado?

Não foi nada fácil, pois tínhamos feito um bom jogo na Madeira e trazíamos uma ligeira vantagem , Essa derrota mexeu muito com o grupo. Com um pavilhão cheio e sempre a apoiar-nos, termos uma derrota pesada e completamente merecida pelo Madeira Sad foi como um tremor de terra.
E foi esquecer basicamente esse jogo e pensar que no domingo iríamos ter que deixar tudo dentro de campo, pois quer para uma equipa quer para outra, não iria haver mais nenhum jogo este ano! Os sacrifícios e todas as dificuldades porque passaram durante o ano penso que fez com que elas ainda quisessem mais o título e isso acabou por ser decisivo!

Temeu "morrer na praia"?

Tal como depois do jogo da Madeira a nossa confiança aumentou e sentimos que estávamos bem mais perto do titulo, após a derrota de sábado e com a parte anímica a diminuir, pensa-se sempre no e se não conseguirmos.
Passado uma ou duas horas foi chegar a casa e começar a rever o jogo e a ver tudo o que poderíamos melhorar e onde tínhamos falhado. Foi também importante transmitir confiança e mostrar ao grupo que nós tínhamos soluções para ultrapassar aquele momento e vencer.
Agradecer às inúmeras pessoas que deixaram mensagem depois da derrota. O incentivo delas foi muito importante para todo o grupo

Vai continuar na próxima época?

Isso será um assunto que deixo para a nova direção do clube. Ainda não está nada definido ou, pelo menos, não me foi transmitido nada. Nos próximos dias haverá alguma novidade.
Nesta altura é de concentração na fase final de iniciadas e de juvenis e dar o apoio ao respectivos treinadores do escalão para que consigam o melhor resultado possível, pois, certamente serão o futuro do Alavarium LoveTiles.

Anónimo disse...

Festival da dor de cotovelo aqui no Banhadas.

Treinem mais. Não é a cuspir veneno que algum dia vão ganhar campeonatos.

Anónimo disse...

Era bom que investigassem o que se passa no feminino para bem das praticantes e seus pais.

Se existem dúvidas comprovadas de actos fraudolentos ou de beneficio premeditado sobre:

Associações
Arbitros menores com indicações de favorecimento
Telefonemas para o CA, a solicitar arbitragem especifica
Seleccionadores e comitivas
Comprometimentos da Federação com clubes e treinadores específicos INVESTIGUEM, chamem as autoridades competentes para investigar, denunciar, responsabilizar pelos seus actos quem não trabalha e conquista por mérito, com provas, mas mexam-se ....

...se querem manter o feminino, caso contrário irá desaparecer, mais cedo do que se espera.






Anónimo disse...

Amigo, lamento dizer-lhe mas no CA nem o telefone sabem atender, quanto mais fazer nomeações...aquilo está tudo espeçadado, se me entende o trocadilho. Depois na fap, eles andam mais preocupados com as listas que vão sair dali para as eleições: o de guimarães já anda em campanha e apanhou o advogado a dormir; no CA não sabem para que lado onde tombar, daí as confusões que tem aprontado com clubes e árbitros...não só no feminino, como no masculino!
Os selecionadores, estão a prazo, pois para a próxima época já estão definidos em troca de votos.
Agora bonito, bonito, era a lista independente do monteiro ganhar as eleições e dar uma varridela na calçada da ajuda...mas uma varridela daquelas que até levanta o tapete.