gal vence

Euro Sub-17 Femininos (Lituânia), Portugal vence a Geórgia por 48-11 - Mundial Sub-19 Masculino Portugal derrotado pela França 1/4 Final por 34-24 - Vamos encher os Pavilhões - mas com dignidade a Modalidade merece
Calendário e Resultados na Barra Direita

domingo, 14 de junho de 2015

Europeu 2016 Masculino – XIV – Qualificação 2

Após  a derrota sofrida no último jogo disputado (Hungria em 10-06-15), onde afirmamos que “com esta derrota, Portugal, poderá esperar pelo próximo apuramento” desta vez defrontamos a equipa da Rússia (venceu no dia 11-06-15, a Ucrânia pela segunda vez, agora por 30-28) com o estigma de ter de vencer com o diferencial mínimo de 6 golos. Mas mais uma vez foi apenas boa vontade e voltamos a perder tal como já havia acontecido na disputa da 2.ª Jornada, e nem se pode pensar no melhor terceiro lugar pois não fizemos um ponto sequer com qualquer das equipas apuradas no nosso grupo. E assim terminou a nossa participação na Qualificação 2, para o Euro 2016, cuja Fase Final se disputará na Polónia de 15 a 31 de Janeiro de 2016. Até uma próxima qualificação. 
 
PORTUGAL PERDE COM A RÚSSIA
(Não fez nenhuma ponto com as equipas classificadas no grupo) 
Depois de já hoje se terem disputado todos os jogos no nosso Grupo, a Portugal apenas podia no mínimo interessar a vitória, e estivemos bem perto de atingir esse objetivo, com grande equilíbrio durante todo o encontro Portugal, que desta vez deixou de fora dos 16, Hugo Santos e Pedro Seabra Marques. Nos primeiros 30 minutos com a equipa russa a comandar o marcador por diversas vezes chegando a 3 golos de vantagem (cerca dos 20 minutos, quando vencia por 11-8), e cerca dos 23 minutos (13-10), permitiu uma excelente reação da equipa nacional, que cerca dos 29 minutos comandava o marcador por 16-14, tendo feito um parcial de 6-1, chagando ao intervalo na frente do marcador por 16-15, e com Nuno Roque (4 golos, 80% de eficácia) a ser um dos elementos preponderantes da equipa. A toada de equilíbrio manteve-se durante quase todo o encontro, e aos 45 minutos de jogo verificava-se uma igualdade a 25 golos, e aos 50 minutos a igualdade, estava situada nos 27 golos, que é plenamente demonstrativo, no mínimo da dignidade com qua a equipa se apresentou neste encontro, só partir deste omento Portugal quebrou ligeiramente, com os Russos a tingirem o maior diferencial registado durante todo o encontro (35-31), estavam de corridos cerca de 58 minutos. Portugal sofre demasiadas exclusões (8), tantas como a equipa Russa, com Gilberto Duarte (3 golos) a ser desqualificado, j á perto do final do encontro, e até nas faltas técnicas as duas equipas se equilibraram (9, para cada uma). Pedro Portela com 8 golos e 89% de eficácia foi o nosso melhor marcador, enquanto do lado russo Dibirov com 11 golos e 79% de eficácia foi o seu melhor marcador. O Jogo foi dirigido pela dupla da Sérvia constituída por Nenad Nikolic e Dusan Stojkovic, que fez uma atuação de grande equilíbrio, sendo as suas falhas na nossa opinião o excesso de rigor no critério disciplinar, embora esse rigor por vezes apenas tivesse um sentido, pois a defesa russa na nossa opinião por vezes ultrapassou os limites do rezoavél.. Encontro disputado num pavilhão, com metade da sua lotação, o que é demonstrativo do interesse que o mesmo (não) despertou.
 
Resultados do Grupo 5

1.ª Jornada
Hungria 31 – 30 Portugal
Rússia 27 – 22 Ucrânia (na Bielorrússia)
2.ª Jornada
Portugal 29 – 34 Rússia
Ucrânia 20 – 33 Hungria
3.ª Jornada
Ucrânia 26 – 32 Portugal
Rússia 23 – 27 Hungria
4.ª Jornada
Hungria 29 – 25 Rússia
Portugal 34 – 24 Ucrânia
5.º Jornada
Portugal 25 – 26 Hungria Jogo Transmitido através da Sport TV2.
Ucrânia 28 – 30 Rússia (na Bielorrússia)
6.ª Jornada
Hungria 32- 28 Ucrânia
Rússia 35 – 33 Portugal

Classificação Final do Grupo – 1.º Hungria (12 pontos), 2.º Rússia (8pontos), 3.º Portugal (4 pontos) e 4.º Ucrânia (0 pontos). 
 
Equipas já apuradas:

Grupo 1 – Croácia e Noruega
Grupo 2 – Dinamarca e Bielorrússia
Grupo 3 – Suécia e Eslovénia
Grupo 4 Islândia e Sérvia
Grupo 5 – Hungria e Rússia
Grupo 6 – França e Macedónia
Grupo 7 – Espanha e Alemanha
Melhor 3.º - Montenegro

O Banhadas Andebol

13 comentários:

Jorge Almeida disse...

Penso que o apuramento não foi perdido aqui, mas na derrota esmagadora contra a Rússia em Gaia e as 2 derrotas à tangente contra os húngaros. Nestes 3 jogos, devíamos ter arrancado 2 pontos, pelo menos.

Na parte final, penso que houve mais descrença que cansaço físico, para além da acção da dupla sérvia. Aí, não concordo com a análise do Banhadas, pois eles souberam dizer que, se fosse necessário, ali estavam eles para ajudar os camaradas ortodoxos russos, e assim assinar o apuramento sérvio, nem que seja como melhor terceiro classificado de todos os grupos. Houve uma série de lances na 2ª parte em que isso foi completamente evidente. Aliás, de quem foi a brilhante ideia de pôr uma dupla sérvia a arbitrar este jogo, logo sendo a eventual vitória portuguesa o único resultado do dia que poderia perigar o apuramento sérvio no caso (incrível) de eles perderem com Israel? Não havia nenhum polaco, nenhum checo, nenhum romeno, nenhum alemão, nenhum austríaco, nenhum suíço, nenhum croata, nenhum esloveno, nenhum francês, nenhum nórdico, nada disso estava disponível para arbitrar este jogo?

Jorge Almeida disse...

Em relação à lotação, não acho que tenha sido assim tão negativo. Tratava-se do regresso 13 anos depois a Moscovo e ao CSKA, a uma cidade que tem imensas distracções a ocorrer ao mesmo tempo. Jogou-se num pavilhão com bancadas atrás das balizas (vazias), e com 2º anel (também bem composto). E isto num país cuja liga tem, na maior parte dos jogos de Andebol, pavilhões completamente vazios.

Anónimo disse...

Não sei o que espera o Rolando para se ir embora ganhar.... experiencia treinando uma equipa da 3ª Divisão

Anónimo disse...

Agora que tirou o Hugo e o Seabra, e não pôs o Grilo nem o Moreira 1 segundo vão os críticos bater em quem?

Ontem fez ao Roque o que havia feito ao Seabra: até estavam a jogar e a fazer jogar mas logo saíram....

Mas ficam boas prestações e o ombrear já com seleções de topo. mas dificilmente lá iremos se continuarmos a desrespeitar as nossas características antropométricas...

Anónimo disse...

No fundo, no fundo, no fundo não há que estranhar nada. A eliminação de Portugal na disputa para as fases finais das grandes competições internacionais é infelizmente a normalidade. O apuramento não direi a anormalidade mas vá lá a excepcionalidade. Esta é a grande verdade...
Como se pode sair deste estado de coisas? Tem que se trabalhar mais e sobretudo melhor no andebol português: Nos clubes (formação e competição), nas equipas nacionais, na formação de treinadores (a qualidade da globalidade é confrangedora...), na organização das actividades (quadro competitivo e selecções regionais e nacionais), na qualidade das arbitragens e tudo terá que começar na QUALIDADE DOS DIRIGENTES!
O nível do dirigismo no andebol, e não só convenhamos, é muito fraco, os dirigentes são muito pequeninos! O andebol precisa de gente de outra estatura, de outra dimensão! Urgentemente!
Prova disto é que quando chega ao andebol português alguém com mais alguma qualidade, mesmo que a nível internacional não passe da mediania, brilha e muito! Gostem ou não lembrem-se de Donner ou mais recentemente do treinador do F.C. Porto.
Dirigentes dignos do nome, e não dirigidos, são indispensáveis para conceber e implementar uma estratégia de desenvolvimento para o andebol português. Mas com sumo e não apenas um pacote muito bem embrulhado sem nada ou com muito pouco lá dentro. Basta olhar para o que fizeram as outras modalidades que nos últimos anos ganharam nível internacional. Afinal não é assim tão dificil...

Anónimo disse...

Gostava de perceber a razão da saída do Roque, ele que estava a ter uma óptima prestação. Será que o seleccionador não gosta que ele faça um bom jogo? Em Santo Tirso ficou de fora e ontem.....
Ninguém percebe estas decisões.

Anónimo disse...

O Seleccionador Rolando Freitas ou sabe de mais ou vê de menos! mas quem joga bem com o o caso do Roque e substituir? ou não o ter metido contra a Hungria é na actualidade o melhor central visto que defende e ataca! e finaliza com grande coragem...

Anónimo disse...

Eu penso que houve 2 equipas campeãs o Ala e o Cale...
O Ala foi campeão no domingo após o final da competição...
O CALE foi campeão no sábádo, após o jogo com a ADS, recolheram ao balneário a gritar "Campeões, nós somos Campeões"

Os dirigentes também servem para educar desportivamente e neste caso não estavam lá...

Anónimo disse...

Jogos de apuramento para o Europeu da POLÓNIA
Selecção de Portugal:
GR-Quintana
LD-Ferraz
central-Nuno Roque
LE-Gilberto
PD-Portela
Pivot-Tiago Rocha
PE-Vidrago

reforços:
Hugo Laurentino, Carlos Carneiro, José Costa,Pedro Solha,Fábio Magalhães,Nuno Grilo,Ricardo Moreira
Boas férias e bom regresso a novos desafios



Anónimo disse...

Trocava:

P.E. Hugo Santos e P.D. Ricardo Moreira ...

Reforços:

Carlos Carneiro por Miguel Martins ou Rui Silva, José Costa por um dos cubanos que entretanto se naturalizará, Fábio Magalhães por Nuno Gonçalves, Nuno Grilo por Landim.

Boas férias e bom regresso a novos desafios.

Anónimo disse...

Melhor selecção de Portugal (a meu ver):

GR: Hugo Laurentino, Alfredo Quintana, Ricardo Candeias
PE: Pedro Solha, Fábio Vidrago
LE: Gilberto Duarte, (Nuno Grilo ou Fábio Magalhães)
C: Wilson Davyes, Pedro Cruz, (Tiago Pereira ou Nuno Roque ou Pedro Seabra)
LD: João Ferraz, Spinola, (João Paulo Pinto)
PD: Portela, Areias
P: Tiago Rocha, (João Antunes ou Ricardo Pesqueira), Bruno Moreira

Anónimo disse...

CONCLUINDO
ESTE MODELO BASEADO NA TEORIA E PRÁTICA E SEM AMIGUISMO:
Anónimo Anónimo disse...
presidente Ulisses Pereira
Vice Presidente-Ricardo Andorinho
Marketing e Sponsorização: Augusto Silva
Medico:Eduardo Filipe
Fisio:Luis Pinto
Director Técnico Nacional:
Rolando Freitas
Seleccionador e Treinadores:
Carlos Resende
Carlos Ferreira
TGR:Joaquim Capela

Selecção de Portugal:
GR-Quintana
LD-Ferraz
central-Nuno Roque
LE-Gilberto
PD-Portela
Pivot-Tiago Rocha
PE-Vidrago

reforços:
Hugo Laurentino,Wilson Daves, Carlos Carneiro, José Costa,Pedro Solha,Fábio Magalhães,Nuno Grilo,Ricardo Moreira
Boas férias e bom regresso a novos desafios



16 de junho de 2015 às 12:49



Anónimo disse...

Já se viu que, este selecionador nada trouxe de novo. Até me custa escrever num Blogue que tem o nome de banhadas, mas aqui vai. Mudem o treinador e ponham um selecionador. Já pensaram que as convocatórias são uma tremenda palhaçada? Já pensaram que, os dois campeonatos mais importantes, estão manchados de vergonhosas jogadas escuras com arbitragens? Ah! Não repararam!