gal vence

- Vamos encher os Pavilhões - mas com dignidade a Modalidade merece
Calendário e Resultados na Barra Direita

segunda-feira, 21 de setembro de 2015

Crónica de Fim-de-semana No Feminino – 02 – 2015 / 2016

Crónica exclusivamente dedicada ao Feminino, cujo campeonato, embora todos tenham conhecimento de que existem jornadas duplas, por forma e evitar mais despesas com as deslocações das equipas continentais às ilhas e vice-versa, não se compreende, uma outra série de alterações que se processam, na maior parte dos casos, sem aparente justificação.

Aproveitamos parar continuar a dizer que é completamente desconhecido, qualquer critério de nomeação de duplas para esta prova (ao “arrepio” de todas as normas regulamentares), como se contínua sem saber qual o nível das duplas nomeadas para dirigir estes jogos, o que se lamenta.

Esta crónica engloba jogos de 3 jornadas, os que ficaram atraso da 1.ª Jornada, os normalmente adiados e já previstos da 2.ª jornada, e agora com a curiosidade de se disputarem jogos por antecipação e relativos á 4.º jornada.

Continuamos com a esperança de que, algum dia, as estatísticas directas aos jogos se estendam aos jogos a esta prova nacional, contribuindo para o seu desenvolvimento e implementação, e valorização

PO09 – Campeonato Nacional da 1.ª Divisão Seniores Femininos.

1.ª Fase – Resultados
1.ª Jornada (em atraso)
Dia 19-09-15
CS Madeira 20 – 28 Madeira SAD
St. Joana 21 – 21 CA Leça
2.ª Jornada
Dia 19-09-15
Colégio Gaia 33 – 17 ARC Alpendorada
Assomada 28 – 28 Juventude Lis
Maiastars 21 – 30 Alavarium
Passos Manuel 22 – 39 João Barros
Adiados
Dia 27-09-15
CS Madeira - St. Joana (15H00)
Madeira SAD - CA Leça (12H00)
Antecipados
4.ª Jornada
Dia 20-09-15
St. Joana 25 – 29 Colégio Gaia
CA Leça 19 – 32 Alavarium
 
Reforçamos a ideia principal e que foi enunciada na nossa primeira crónica desta época (isto não significa, que possamos a vir a mudar, pois a prova ainda agora vai no seu inicio). “Começou o campeonato 2015/2016. Apesar de, em teoria, as equipas grandes terem missões facilitadas, e depois de algumas equipas se terem renovado (reforçado), poderemos dizer que se espera uma prova bem mais equilibrada que o da última época

Nos jogos disputados este fim-de-semana, o que se verificou foi:

Um dos jogos que era aguardado com alguma expectativa, disputava-se na Maia, o Maiastars / Alavarium, pois em concordância com os resultados da 1.ª jornada aguardava-se a reacção da equipa campeã Nacional, (mas apenas se registou equilíbrio durante os primeiros minutos, pois a equipa Maiata teve a sua guarda-redes, desqualificada quando se registava cerca de 3 minutos de jogo), com o resultado a registar uma igualdade a 6 golos, a partir deste momento a equipa aveirense assumiu o comando do marcador até ao final do encontro. Ao intervalo o marcador já registava uma vantagem favorável ao Alavarium (15-11). Nos segundos 30 minutos o Maiastars foi mantendo a mesma distância, tentando que o seu adversário nunca se distanciasse de uma forma irrecuperável, no entanto e apesar do número de exclusões (que consideramos, mais uma vez um exagero completo), nos minutos finais do encontro a equipa aveirense acaba por construir um expressivo diferencial, que se encontra reflectido no resulta do final. De referir que a equipa da Maia, não concretizou 5 livres de 7 metros, e normalmente este tipo de falhas, nunca são “perdoáveis pelos adversários”. Maria Cerqueira com 6 golos e a jovem Diana Oliveira com 5 golos foram as melhores marcadoras do Maiastars, enquanto no Alavarium, além de Isabel Góis com mais uma boa exibição, tivemos Filipa Fontes com 7 golos melhor marcadora do jogo e do encontro, acompanhada pelas “suspeitas” do costume Mariana Lopes e Mónica Soares com 5 golos cada. 

No dérbi madeirense, que tinha sido adiado na 1.ª Jornada da prova, disputado no pavilhão do Funchal, perante uma excelente assistência, foi um encontro com total domínio do marcador e do jogo da equipa mais experiente, e com um plantel de melhor qualidade, impondo-se com relativa facilidade, e assim não surpreendeu ninguém a vitória do Madeira SAD, que no final dos primeiros 30 minutos já vencia por 15-6. No entanto a excelente réplica da equipa do CS Madeira levou a que o resultado, apesar do constante domínio da sua adversária não atingisse números completamente disparatados (na nossa opinião). No CS Madeira, mais uma vez Sara Gonçalves com os seus 8 golos foi não só a sua melhor marcadora, como a melhor marcadora de todo o encontro. No Madeira SAD verificou-se uma maior distribuição na marcação dos golos, com Ana Andrade a ser a sua melhor marcadora com 6, seguida de perto por Erica Tavares e Renata Tavares, ambas com 5.

No pavilhão Carlos Queirós, a que equipa da Assomada, provocou (mais uma vez se diz, na nossa opinião), a surpresa da jornada, ao impor uma igualdade á Juventude Lis, num jogo disputado, sempre com grande equilíbrio durante os 60 minutos, registando ao intervalo um resultado que colocava na frente do marcador a equipa visitante por 12-10. No segundo período de jogo a equipa da Assomada, com uma excelente reacção equilibrou na totalidade o jogo, e recuperando da pequena desvantagem que tinha ao intervalo, terminou o encontro com uma merecida igualdade. Na equipa da Assomada, Edna Oliveira a marcar 8 golos, e a ser a melhor marcadora da equipa e do jogo, e com Débora Moreno a ser mais uma vez uma das suas melhores marcadoras com 7 golos, enquanto na Juventude Lis, mais uma vez Ana Carolina Silva com 7 golos foi a melhor marcadora da equipa, seguida de perto por Adriana Silva com 5.

O Passos Manuel (a equipa repescada) recebeu o João Barros, no seu recinto, que se apresentava com uma fraca moldura humana, e foi completamente dominada por uma das equipas, que esta época, se apresenta como como uma das fortes candidatas á discussão do título nacional, apesar de o resultado ao intervalo ser de 18-12, a favor das meirinhas, dando apercepção de algum equilíbrio, essa aparência foi completamente desfeita no segundo tempo com o aumento de velocidade e da rapidez de execução e decisão da equipa de Pombal, o que levou a que o resultado final, expressasse números provavelmente impensáveis para muita gente. Na equipa do Passos Manuel, foi mais uma vez Mónica Carmo com 7 golos a sua melhor marcadora, enquanto no João Barros, Neuza Valente foi mais uma vez a melhor marcadora da equipa e do jogo com 11 golo, justificando o motivo da sua contratação logo seguida mais uma vez de outro reforço da época a jovem Inês Pires com 10 golos, que foram bem acompanhadas por outro reforço da época Adriana Lage com 5 golos.

O Colégio de Gaia, que disputou na prática jornada dupla, defrontando no jogo referente á 2.ª jornada o ARC Alpendorada, num pavilhão em que o número de espectadores era mínimo, não sentiu qualquer dificuldade em levar de vencida a sua adversária, num jogo de total sentido único, com o resultado a apresentar, parciais de 6-1 e 11-4, para chegar ao fim dos primeiros 30 minutos em 19-5 a favor da equipa visitada, resultado que reflecte o sentido de jogo, e a total superioridade da equipa do Colégio e que continuou no segundo tempo, apesar do abrandamento da equipa do Colégio, fruto também da gestão do plantel, que a sua técnica fez, dando tempo de jogo, ás normalmente menos utilizadas, com 12 atletas a concretizarem golos, sendo que Sara Andrade, Sandra Santiago e Vanessa Silva todas com 5 golos foram as melhores marcadoras da equipa, enquanto a melhor marcadora do ARC Alpendorada, foi Susana Pinto, com apenas 4 golos.

No Pavilhão de S. Pedro Fins, perante uma razoável assistência, a equipa local do St. Joana, fez seu jogo primeiro jogo da época, num fim-de-semana, em que vai na prática fazer jornada dupla, igualmente como a sua adversária o CA Leça. Disputaram um encontro de grande equilíbrio durante os 60 minutos, apesar da equipa da visitada, ir para o intervalo na frente do marcador (13-12), mas o equilíbrio verificado durante o jogo, só podia terminar na igualdade que se veio a verificar. Ana Carvalho no St. Joana, com os seus 7 golos foi a melhor marcadora da equipa, com o mesmo número de golos temos Cristiana Morgado do CA Leça, e melhor marcadora da sua equipa, seguida de perto por Daniela Mendes com 6 golos.

O Alavarium que na prática cumpriu, tal como o CA Leça na prática uma jornada dupla, por antecipação dos seus jogos relativos á 4.ª jornada, defrontaram-se em Leça da Palmeira, num pavilhão que não tinha o número de espectadores desejável. O Alavarium puxando dos seus “galões” de campeão nacional em título, comandou e dominou praticamente o encontro desde o 1.º minuto, de tal forma que no final do primeiro período de jogo já vencia por um diferencial de 5 golos (18-13), realizou um segundo tempo sempre em crescendo, de tal forma que ampliou o diferencial e terminou com uma vitória esperada, mas com um diferencial que não se esperava, mas que na realidade (na nossa opinião), é o reflexo puro e duro da realidade desta prova, onde apesar do aumento do equilíbrio entre algumas equipas conforme já dissemos anteriormente, ainda não se atingiu um estágio de equilíbrio desejado. No CA Leça o principal destaque vai para a forma de se apresentar da equipa, com garra e determinação, e mais uma vez, para a sua melhor marcadora Cristiana Morgado com 4 golos. No Alavarium os destaques são para as suspeitas do costume, Viviane Rebelo, Filipa Fontes e Mónica Soares, todas com 5 golos concretizados.

Em mais um jogo disputado no Pavilhão de S. Pedro Fins na Maia, encontraram-se duas equipas, que realizaram igualmente jornada dupla o St. Joana e o Colégio de Gaia, em jogo antecipado da 4.ª jornada. Apesar do total domínio do jogo e do marcador, o Colégio de Gaia, encarou o jogo, com total sobrançaria, tendo na nossa opinião de encara os jogos sejam eles com equipas candidatas ao título, sejam com equipas consideradas menos fortes, sempre com motivação e garra, é a isso que estão obrigadas, face á qualidade do plantel possuem. Neste encontro a equipa do St. Joana, uma neo divisionária, criou fortes problemas á equipa de Gaia, e não fosse Irina Vieira na baliza no segundo tempo, provavelmente a história do jogo poderia ter sido outra ma parte final, quando as jovens da St. Joana, falharam algumas jogadas frente á guarda-redes do Colégio. A maior vantagem do colégio, durante todo o encontro foi igual á que se registou no resultado final. Com o ST. Joana, a demonstrar, que é uma equipa com princípios de jogo e a causar sérias dificuldades ao desenvolvimento do ataque do Colégio, onde algumas das suas jogadoras estiveram uma autêntica “sombra” do valor que lhes é reconhecido. A equipa Maiata, reagiu sempre de forma positiva, às diferenças que se foram verificando coo por exemplo quando cerca dos 18 minutos perdia por 11-7, para recuperar para diminuir para 12-10 cerca dos 23 minutos de jogo, e aos 24 minutos quando estava novamente a perder por 4 de diferença, faz nova recuperação, e atinge o intervalo a perder pela diferença mínima (15-14). O Colégio reinicia o jogo de forma positiva, e rapidamente coloca o resultado em 18-14 (cerca dos 35 minutos), levando a que muita gente pensasse que o assunto estaria resolvido, mas a equipa maiata reagiu sempre positivamente de tal forma que cerca dos 53 minutos de jogo, apenas perdia por um diferencial de 2 golos (26-24). Na equipa do St. Joana, onde se nota alguma inexperiência, nas suas atletas, deve-se referir a qualidade demonstrada pela sua guarda-redes Ana Silva, que juntamente com a sua central Ana Carvalho com 6 golos e melhor da equipa, e da jovem Ana Catarina Sampaio com 5 golos e um autêntico “quebra-cabeças”, para a defesa do Colégio. Uma palavra ainda para a lateral esquerda Renata Pereira, que sendo uma atleta com um forte remate, terá de saber dosear o seu esforço durante os 60 minutos. No Colégio de Gaia, além da referência já feita á Irina Vieira, teremos de referir pela positiva Ana Filipa Gante com 6 golos e melhor marcadora da equipa, Helena Soares com 5 golos que na nossa opinião foi uma atleta a demonstrar garra e crer, e Ana Andrade com igual número de golos, Sandra Santiago, embora tenha marcado 4 golos, está completamente fora de forma. Foram árbitros deste encontro a dupla portuense composta por Mário Ferreira e Pedro Jerónimo, que realizaram trabalho meritório, apesar de algumas falhas (poucas) na falta do atacante e na lei da vantagem, com uma ligeira descoordenação cerca dos 35 minutos.

Mantemos a mesma nota que escrevemos na nossa última crónica lamentando que a maioria dos nossos OCS, de referência em termos desportivos (em especial), nem uma única linha publiquem sobre esta prova. Lamentável.

O Noticias

10 comentários:

Anónimo disse...

Ainda estou para perceber como o sr. selecionador nacional convoca a kiki do leça como 1ªlinha para a seleção A e deixa de fora uma jogadora de seu nome Neuza Valente,que pelos numeros até agora tem estado acima de todas as outras. È estas coisas que não da mesmo para entender. Quanto ao campeomnato sim vai ser bem renhido.

Anónimo disse...

A Neuza está gorda, por isso fica de fora.

Anónimo disse...

Para não falar na convocatória da amiga filipa fontes... e da anedota nacional de não convocar a vera lopes e a telma, para andar a meter anaís gouveia, patricia lima e francisca marques. O que vale é que a burrice só vai durar um ano e até já mudou de nome: de ulisses pereira passou a ulisse miguel!

Anónimo disse...

Mas como o Ulisses estava a vêr o Sta Joana - Cale, já ficou a saber quem é que não vai marcar os 7m na selecção.

Anónimo disse...

Quem critica nunca fez uma convocatória.... há 10 jogadoras unânimes e as outras cada um levaria as da sua confiança... ainda bem que todos estão a torcer pela nossa seleção!


Anónimo disse...

AS maiores felicidades ao novo Seleccionador Feminino Ulisses Pereira de forma a rentabilizar o enorme potencial que é as nossas jovens atletas e poderem fazer e coabitar nas grandes competições internacionais.
ADC

Anónimo disse...

FILIPA FONTES E MUITO ENGRACADO ISSO TANTAS BOAS JOGADORES E NADA DE SEREM CONVOCADAS

Anónimo disse...

21 de setembro de 2015 às 19:58
"até já mudou de nome: de ulisses pereira passou a ulisse miguel!"

NÃO SE MUDA DE NOME SE É UM HOMEM LIVRE E COM AS SUAS CONTAS EM DIAS NO SISTEMA TRIBUTÁRIO E NÃO HÁ QUEIXAS NO TRIBUNAL
Mudar nome é como mudar de Clube!
Foge a quê?
Mas lamentável é ser Treinador do Masculino por opção e ao mesmo tempo seleccionar Nacional Feminino, ai a coisa fica preta caro Ulisses Pereira.. mas não é caso único há um rapaz em Leiria com o mesmo perfil isto é Treina no Feminino, é do feminino há anos e treina a Selecção Nacional de Andebol de Praia Masculino..
Arranjinhos como diz o António Costa!
Podia e devia-se evitar estas trapalhadas...
Abraço não vale tudo e o desporto e seus actos é ao livre e com testemunhas...

Anónimo disse...

Jogo Stª Joana - Cale...
A diferença foi que o treinador do Cale fez tudo para ganhar o jogo, refrescando a equipa durante os 60 minutos. O treinador do Stª Joana nada fez como parece ser hábito, deixando jogadores a cometer erros constantes.

Anónimo disse...

Neuza Valente esta Gorda?! Que tenha perdido a forma física quando esteve em recuperação da lesão do joelho, tudo bem.
Agora abram os olhos, melhor não podia estar. Boa forma física, esta numa das melhores equipas, a fazer o papel que sempre fez, joga muito a Neuza, um dos melhores remates em Portugal, infernal para as guarda redes. "Elas que o digam".
Agora não falem do que ja foi, falem do que É.
No último jogo contra o Passos Manuel, mostrou mais uma vez que carrega uma equipa as costas, principalmente quando muitas das titulares não estiveram presentes.
Força Neuza não tens que provar nada a ninguém, só a ti mesma. Boa sorte para o campeonato João de Barros.
Passos Manuel, continuem-se a esforçar, pode ser que cheguem lá..... um dia quem sabe.