gal vence

- Vamos encher os Pavilhões - mas com dignidade a Modalidade merece
Calendário e Resultados na Barra Direita

segunda-feira, 28 de novembro de 2016

ScandIbérico Feminino – 2016 II

SCANDIBÉRICO FEMININO 2016
JUNIORES “B”
EM
S. PEDRO DO SUL
(4.º Lugar)
A Edicção deste ano do Scandibérico decorreu em S. Pedro do Sul (Portugal, onde esteve pelas Juniores B Femininas, dando assim continuidade as últimas participações.

Volta-se a referir, que esta será a única actividade internacional prevista, esta época para o escalão. Além da já normal participação no Kakygaia no mês de Dezembro do corrente ano. Pois na época 2017 / 2018 terá a sua participação na Europeu Siub-17 (2.ª Divisão) na Lituânia de 14 a 20-08-17.

O Torneio este ano realizou-se de 25 a 27-11-16. Com a participação, além de Portugal, da Espanha. Suécia e Noruega, estranhando-se a ausência de alguns Países que normalmente marcam presença, como por exemplo a Dinamarca que na última edicção do torneio se classificou em 2.º lugar.

Portugal iniciou esta sua participação com o pé esquerdo, ao perder perante a Suécia na 1.ª Jornada da prova. Portugal que começou por dominar o jogo e comandar o mesmo e o marcador, durante os 30 minutos do 1.º tempo, onde chegou a ter vantagens de 7 golos, como por exemplo aos 27 minutos quando vencia por 14-7, para chegar ao intervalo na frente do marcador por 15-9. Neste período de destacar a boa coesão defensiva, e uma boa prestação atacante, mas no 2.º tempo tudo se diluiu, com erros “infantis”, quer no ataque com perdas de bola inadmissíveis, e com ataques completamente extemporâneos, assim como desapareceu a coesão defensiva, e com as perdas no ataque a darem origem a contra-ataques letais das suecas, que igualam o marcador a 21 golos aos 52 minutos, para terminarem como vencedoras pelo resultado de 26-21. Destacar que Portugal, marcou o seu último golo aos 45 minutos quando colocou o marcador em 21-17 a seu favor. Recordamos as palavras do seleccionador nacional antes de a prova ter início “ Esta vai ser a primeira vez, para quase todas estas atletas, que vão ter um contacto internacional e também dai a importância deste tornei, para que se apercebam da realidade que as espera no futuro” …. “Vamos aproveitar estes jogos e estes dias para as enquadrar nos jogos internacionais e para podermos, em Agosto participar no Europeu á procura de bons resultados”. Na equipa Portuguesa destacamos a prestação da guarda-redes Luísa Cortes, de Filipa Barbosa enquanto teve força (2 golos) a jogar e a fazer jogar e de Joana Resende que com os seus 11 golos, foi não só melhor marcadora de Portugal como do encontro, por sua vez na equipa sueca Isabelle Andersson com 10 golos e Nina Dana com 8 golos foram as suas melhores marcadoras. No jogo disputado na 2.ª Jornada do Torneio defrontamos a equipa da nossa vizinha Espanha, e num jogo de grande equilíbrio, conforme se comprava não só pelo andamento resultado, com diversas situações de igualdade e com alternâncias no marcador, chegando o intervalo com uma igualdade a 15 golos, continuando-se a verificar que o ataque por vezes falhava devido provavelmente a inexperiência de algumas das nossas atletas. No segundo período de jogo Portugal entrou bem e passou para o comando do marcador até cerca dos 38 minutos, quando vencia por 19-17, para permitir que a Espanha iguala-se a 20 golos cerca dos 41 minutos, passando de imediato para a frente do marcador que não mais deixou até finalizar o encontro, com Portugal a claudicar nitidamente nos minutos finais, pois nos derradeiros 6 minutos apenas marcou por uma vez, terminando o encontro com a vitória da equipa de Espanha por 28-26. No terceiro e último jogo, Portugal defrontou (na nossa opinião), a equipa mais forte da prova, com um andebol eficaz quer defensivamente quer no ataque com esquemas trabalhados, e com uma rapidez de execução a que as nossa atletas não estão habituadas, e mostrando uma cultura da modalidade que não se adquire só com estágios de 3 dias!!! Mais uma vez Portugal começou bem mas rapidamente as norueguesas se impuseram, perante a nossa incapacidade e o intervalo chegou já com um diferencial de 7 golos, (19-12), para curiosamente no segundo tempo se conseguir em termos de resultado um maior equilíbrio, embora a superioridade da equipa da Noruega nunca estivesse em causa, pois até fez uma rotação completa do seu plantel. E terminamos este torneio com mais uma derrota (não vencemos nenhum encontro). Tendo como melhor marcadora neste encontro Francisca Branquinho com 7 golos, enquanto na Noruega marcaram golos 13 jogadoras com Rike Arnesen com 5 golos e sendo a sua melhor marcadora.

Pensamos (na nossa opinião) que as menos culpadas do que se passou são as atletas e provavelmente o técnico principal, mas alguém deveria fazer um balanço desta actividade e tirar rápidas conclusões. Pois mais uma vez ficamos em último lugar nesta prova, onde na entrega dos prémios se verifica que ao contrário de outras edições nem se premiou a melhor guarda-redes nem a melhor marcadora, pelo menos nada foi divulgado acerca do tema o que se lamenta.

Os jogos foram disputados no Pavilhão Municipal, e foram transmitidos pela a Andebol TV o que se destaque como factor positivo, em especial para o Andebol Feminino.

Resultados dos Jogos:

Dia 25-11-16
Portugal 21 – 26 Suécia
Noruega 23 – 19 Espanha
Dia 26-11-16
Suécia 19 – 25 Noruega
Portugal 26 – 28 Espanha
Dia 27-11-16
Espanha 23 – 23 Suécia
Portugal 24 – 31 Noruega

Classificação Final – 1.º Noruega, 2.º Suécia, 3.º Espanha, 4.º Portugal.

Nota – Portugal obteve uma das piores classificações, nas suas últimas participações, passando do 2.º lugar em 2014, para o último lugar em 2015, e dando sequência aos maus resultados em 2016.

Mais uma vez se, verifica-se uma falta de informação, no que diz respeito à arbitragem, nem sequer se publicaram as mesmas, e em nehuma crónica sobre o torneio as mesmas são referidas, parece-nos que regredimos e estamos nos anos 60 e 70, em que as nomeações eram o segredo dos deuses, com este comportamento parece-nos que a arbitragem está completamente dissociada da modalidade, o que se lamenta.

Informamos que todos os jogos foram dirigidos pelas duplas femininas constituídas por Marta Sá / Vânia Sá e Ana Afonso / Ana Silva.

O Formador

9 comentários:

Anónimo disse...

mais uma tristeza para os senhores da calçada e da vivenda

Anónimo disse...

O andebol feminino está de rastos, mas nao é só o feminino, é todo o andebol em geral. A única coisa que está bem, quase perfeita, é o Banhadas e os comentadores de sofá que por aqui povoam, que nao entendem nada da maior parte do que aqui escrevem, mas conseguem opinar sobre tudo!Típico Português.
Venham trabalhar para aqui para o meu clube, receber as miúdas para treinarem quando estas podem e os pais as deixam, quando nao têm que estudar, arrumar a casa, tomar conta dos irmãos. Pior, ter que as ir buscar a casa quando estas deixam de aparecer há mais e 15 dias, porque sabe lá Deus porquê!
Comparar o nosso país aos países que jogaram connosco é simplesmente tentar compara um carro com uma bicicleta! Nao estou a falar de qualidade de jogo, estou a falar de qualidade de vida, de cultura!
Aqui treina-se uma vez por semana para aliviar o Stress, lá treina-se desde pequenina para ser profissional!
Perdemos por 6? Por 10? por 15? Parabéns miúdas, já muito fizeram vocês!

Anónimo disse...

apostem no feminino, está a dar resultado. vendam o benfica porto e sporting para apostar no feminino.

O feminino não passa do campeonato do facebook, qual o que expõe mais para fotos? Jogar a sério é mentira. Então não assistimos à forma vergonhosa como duas equipas foram eliminadas na Europa. Madeira SAD e CS Madeira, goleadas por 20.

Muito facebook

Anónimo disse...

O andebol feminino está mesmo de rastos,a única coisa que está bem é a falta de ambição e de pessoas que não entendem nada da cultura desportiva,mas também conseguem opinar sobre tudo!
Típico Português do contra.
Atenção que uma selecao não é, e nunca deveria ser uma"equipa de bairro" aonde se treina para aliviar o Stress,mas sim uma equipa recheada dos melhores valores no momento e que saibam jogar em equipa e volto a frisar em equipa.
Infelizmente é aquilo que temos,perder por 6,10 ou 15 nunca foi bom,o ideal seria não perder e ver mais motivação nas atletas.

Tiago

Anónimo disse...

Ponham as clubites e os compadrios de lado, que a seleção esta ou outra qualquer seja uma verdadeira seleção dos melhores valores no momento e chamem á selecão quem realmente merece ou quem apresenta nos momentos respectivos os melhores indices fisicos.
uma seleçao tão jovem e já com lugares cativos.

Tiago

Anónimo disse...

Não venham para aqui com o fado das coitadinhas.
A maior parte das atletas que estiveram nestes jogos a representar a nossa selecção não treinam uma vez por semana e também não andam a faltar aos treinos para lavar pratos.
A verdade é que a maior parte delas jogam em equipas que têm muito mais qualidade de jogo e são mais bem orientadas do que esta selecção.
Equipas como o Colégio de Gaia, Cale, CS Madeira, etc jogam muito mais do que aquilo que se viu nestes 3 jogos.
É verdade que algumas se calhar não mereciam lá estar, mas o que importa é pensar se o tempo que têm para treinar juntas é suficiente, se as pessoas que estão à frente destas equipas técnicas das selecções são as mais indicadas e finalmente se a Federação faz efetivamente tudo o que pode e deve.
Se estamos a falar de escalões de formação, as equipas técnicas deveriam ser formadas por pessoas com provas dadas por muitos anos de trabalho e resultados comprovados.

Anónimo disse...

As equipas femininas treinam? onde? em Jupiter? Perguntem por exemplo às atletas do C. Gaia se treinam! Uma coisa é ter treinos marcados para quase todos os dias, outra é poder ir aos treinos, outra ainda, é estar nos treinos e treinar a sério. Nestas três etapas espremendo, o C. de Gaia não dá um copo de sumo pequenino! E estou a falar de uma equipa candidata ao titulo. Agora imaginem as outras!

Anónimo disse...

Aonde é que pararam a nave?Juniores escalão de formação???

Anónimo disse...

Quando logo na escola á meninas que na ed. fisica pedem para descansar, porque... estão naqueles dias dificeis das mulheres, que dizer? Se no masculino não há um campeonato digno desse nome, queriam êxitos aqui no femenino? Chega! Parem com as ilusões. Já agora vejam o que se passa com essas manas Sá... que têm o futuro feito á muitos anos! Se calhar porque falam assim-assim Inglês... é que qualidade nunca lhes vi! À quantos anos é assim? No masculino os da Madeira têm um bom padrinho. È grande e largo...