gal vence

- Vamos encher os Pavilhões - mas com dignidade a Modalidade merece
Calendário e Resultados na Barra Direita

segunda-feira, 19 de fevereiro de 2018

Crónica de Fim-de-semana – 20 – 2017 / 2018

Nova ligeira crónica de fim-de-semana, em foi disputada na prática uma jornada dupla. E que é exclusivamente dedicada aos jogos da PO09.

Nesta crónica apenas dizemos que mais uma vez nem transmissões na Andebol TV existiram, devem estar caríssimas, pois são “raríssimas”. Felizmente este fim de semana tivemos uma transmissão e que deu para uma analise mais profunda em especial dos últimos segundos do encontro.

Quem quiser verificar as estatísticas, que surgem embora normalmente bastante tempo depois dos jogos, o seu endereço é (http://po09.videobserver.com/pt/),agora, aguardamos que as mesmas sejam feitas em directo, mesmo assim só temos de agradecer a quem as faz, é a nossa obrigação.

PO09 – Campeonato Nacional da 1.ª Divisão Seniores Femininos.

1.ª Fase – Resultados
17.ª Jornada
Académico FC 25 - 25 Maiastars (Antecipado)
Assomada 16 - 16 SIR 1.º Maio/CJB (Antecipado)
Dia 18-02-18
Alavarium 29 - 22 CA Leça
Santa Joana 21 - 25 CS Madeira
Colégio Gaia 20 - 21 Madeira SAD
Dia 04-03-18
JAC-Alcanena - Juventude Lis (17H30)
18.ª Jornada
Dia 17-02-18
Assomada 28 - 24 Juventude Lis
CA Leça 26 - 19 Académico FC
Santa Joana 13 - 29 Madeira SAD
SIR 1.º Maio/CJB 21 - 20 JAC-Alcanena
Maiastars 30 - 22 Alavarium
Colégio Gaia 29 - 23 CS Madeira

Oito jogos disputados, e apenas em três tivemos resultados diferenciados das jornadas homólogas da 1.ª volta, e em apenas um dos encontros existe relatório disciplinar de ocorrências. Destaca-se pela sua importância, parece que não foi compreendida por muita gente, em especial do CA, o encontro Colégio Gaia / Madeira SAD, e duas surpresas na nossa opinião a dilatada vitória do Maiastars sobre o Alavarium, e as grandes dificuldades do SIR 1.º Maio/CJB em levar de vencida o JAC-Alcanena.

Colégio Gaia 20 – 21 Madeira SAD

Jogo disputado no pavilhão de Gaia, com uma boa assistência, mas que na nossa opinião carece de condicções para a disputa de um encontro de nível mais elevado. Encontro que se iniciou “amputado” por lesão de algumas das melhores praticantes do Andebol Feminino, como sejam, Sandra Santiago e Patrícia Lima, no Colégio Gaia, e por Renata Tavares no Madeira SAD, que viu ainda perto do final do 1.º tempo a sua atleta Cláudia Correia sofrer uma lesão que impediu a sua participação no resto do encontro, importa aqui, enviar da nossa parte os desejos de rápidas melhoras para todas as atletas, sem excepção. Este encontro, foi sempre disputado com grande equilíbrio, e foram diversas as alternâncias no marcador, onde as maiores diferenças nunca ultrapassaram os 3 golos, como aos 15 minutos de jogo, o Colégio Gaia vencia por 6-3 ou aos 23 minutos quando vencia por 8-5, para o intervalo chegar em 9-8 a favor da equipa visitada, resultado demonstrativo do equilíbrio de “forças” presente, mas ao mesmo tempo, era fruto das táticas defensivas de ambos os conjuntos, com muitas faltas técnicas, e por vezes alguma precipitação no momento do remate. Com o Madeira SAD a atacar pior perante uma defesa mais agressiva do Colégio Gaia, que nunca soube aproveitar as situações de superioridade numérica. No segundo tempo a situação não se alterou muito, embora até ao minuto 41 o Madeira SAD, ganhasse supremacia e chegasse aos 15-13, para depois se seguirem diversas igualdades até final, chegando a uma igualdade a 20 golos, aos 59 minutos, sobre o golo, que deu a vitória ao Madeira SAD, falaremos na avaliação à arbitragem. Destaca-se neste encontro as duas guarda-redes, Jéssica Ferreira pelo Colégio Gaia, e Isabel Góis, pelo Madeira SAD, assim como Carolina Monteiro com 7 golos foi a melhor marcadora do Colégio Gaia, assim como destacamos a jovem Joana Resende /4 golos), que poderia ter sido por vezes menos precipitada, enquanto no Madeira SAD, destacamos como não podia deixar de ser a jovem Beatriz Sousa com os seus 8 golos, foi não só a melhor marcadora da equipa como do jogo, e Mónica Soares com 6 golos, foi outra das marcadoras de serviço, na equipa madeirense. Com esta vitória a equipa da Madeira isola-se no comando da tabela classificativa, sem derrotas. Jogo dirigido pela dupla bracarense constituída por Carlos Marinho e Fernando Novais, que realizaram uma arbitragem que prejudicou ambos os conjuntos e em especial o Andebol, mal na lei da vantagem, critério disciplinar completamente desequilibrado, jogo passivo aplicado sem nexo. E agora vamos ao 21.º golo da Madeira SAD, que resulta de um livre, marcado directamente, contra todas as regras, pois a única que foi respeitada foi que os árbitros não necessitam de apitar para o mesmo ser marcado, pois foi executado em movimento e em salto, quando as regras obrigam a que os mesmos tem ser executados parados e com o pé de apoio no chão, vejam o vídeo que ainda está no Portal da FAP, e revejam bem o que homologaram. Acabaram por ter sorte pois ninguém protestou o encontro. Mas é demasiado mau para a prova.

Na véspera o Colégio Gaia, em encontro referente à 18.ª jornada, defrontou a outra equipa madeirense, o CS Madeira, e venceu confirmando o resultado da 1.ª Volta, num jogo que foi equilibrado nos momentos iniciais do encontro, com a equipa visitada, ainda no primeiro tempo a assumir o comando do jogo e do marcador, chegando ao intervalo a vencer por 15-10. No segundo a excelente réplica da equipa do CS Madeira continuou a dar excelente réplica, e não permitiu que o resultado se dilatasse muito mais. Carolina Monteiro com 8 golos, e Nair Pinho com 6 golos, foram as melhores marcadoras do Colégio Gaia, enquanto Ana Castro com 7 golos, e Odete Freitas com 5 golos, foram as melhores marcadoras do CS Madeira.

O CS Madeira, no dia seguinte, defrontou o ND Santa Joana, em jogo referente à 17.ª jornada, e venceu como seria de esperar, confirmando o resultado da 1.ª volta, num encontro que forma demonstra o resultado ao intervalo que era favorável às madeirenses por apenas 2 golos (12-10), foi de algum equilíbrio, nos segundos 30 minutos, inicialmente ainda se registou algum equilíbrio, para o CS Madeira a ganhar vantagem e a fazer valer a sua superioridade, terminando com uma vantagem normal. A melhor marcadora do ND Santa Joana, não passou dos 4 golos e foi Andreia Dias, enquanto no CS Madeira, Andreia Andrade e Ana Castro, ambas com 7 golos, cada foram as suas melhores marcadoras. Com os resultados do fim-de-semana, a equipa madeirense ainda se encontra integrada nas equipas irão disputar o Play OFF.

O ND Santa Joana, também realizou jornada dupla, defrontando a outra equipa madeirense o Madeira SAD e voltou a perder, continuando sem registar qualquer vitória nesta 1.ª Fase da prova, num encontro onde foi completamente “dominada” pela equipa do Madeira SAD, que rapidamente chegou a um parcial de 5-0, para chegar ao intervalo a perder por 15-7, para no segundo tempo, não se altera o que sucedeu no primeiro, e o encontro terminar com a esperada vitória do Madeira SAD. No ND Santa Joana, Cristiana Morgado com 5 golos, foi a sua melhor marcadora, por sua vez Mónica Soares e a experiente Sara Gonçalves com 5 golos cada, foram as melhores marcadoras do Madeira SAD.

Mais duas equipas, agora do Continente realizaram jornada dupla, sendo uma delas o Alavarium, que disputou o seu 1.º jogo, defrontando o Maiastars em encontro relativo à 18.ª Jornada, num encontro que voltou a perder tal como na 1.ª volta, mas agora em encontro realizado na Maia, e que teve 16 exclusões, Encontro de total equilíbrio durante o primeiro tempo que chegou ao intervalo com uma igualdade a 12 golos. No segundo tempo, uma fulgurante entrada da equipa maiata, que rapidamente chegou a 16-12, para posteriormente chegar aos 27-17, maior diferencial durante todo o encontro, e terminar com o Maiastars a vencer confortavelmente, e desta forma, manter-se isolada no 3.º lugar desta Fase da Prova. Mihaela Minciuna com 6 golos, Maria Cerqueira, Susana Silva, Sofia Gomes, e Neide Duarte, todas com 5 golos cada, foram as melhores marcadoras do Maiastars, com Ana Sampaio e os seus 5 golos, a ser a melhor marcadora do Alavarium, que apesar da derrota, mas conjugada com a vitória sobre o CA Leça, mantêm-se em 4.º lugar na tabela classificativa nesta fase da prova. O Alavarium no seu segundo encontro no fim-de-semana, recebeu em casa a equipa do CA Leça (encontro com ocorrências disciplinares), e voltou a vencer, confirmando desta forma o resultado ocorrido na 1.ª volta, num encontro em que a equipa visitante deu excelente réplica em especial durante os primeiros 30 minutos, ao chegar ao intervalo com o resultado em 14-13 a favor da equipa visitada. No segundo tempo a equipa do Alavarium, fez valer a sua maior experiencia e valor global do plantel, e adiantou-se no marcador de forma irremediável, indo progressivamente dilatando a sua vantagem até ao resultado final. Nádia Gonçalves e Ana Sampaio com 7 golos cada, foram as melhores marcadoras do Alavarium, por sua vez no CA Leça onde 11 jogadoras marcaram golos, Catarina Silva, Catarina Oliveira e Vera Monteiro, todas com 4 golos cada, foram as suas principais marcadoras.

O CA Leça no encontro relativo à 17.ª Jornada, recebeu o Académico FC, e venceu, rectificando assim o resultado verificado na 1.ª Volta. Foi um encontro em que o CA Leça comando o jogo e o marcador praticamente durante os 60 minutos, chegando aos 10-5 a seu favor, e ainda passou pelos 12-7, para chegar ao intervalo a vencer pelo mesmo diferencial (14-9). No segundo tempo mantendo o mesmo ritmo, continuou na frente do jogo e do marcador chegando aos 17-10, para terminar exactamente com a mesma diferença. Catarina Oliveira com 9 golos, e Rafaela Vieira com 5 golos, foram as melhores marcadoras do CA Leça, com Cristiana Alves e Barbara Gandra, ambas com 6 golos cada, a serem as melhores marcadoras do Académico FC. Qualquer das equipas com estes resultados, matematicamente ainda não estão afastadas do Play OFF.

Na Marinha Grande realizou-se o SIR 1.º Maio/CJB/ JAC-Alcanena, que surpreendentemente foi dos encontros mais disputados da jornada, com a equipa de Alcanena, a oferecer uma réplica não esperada, chegando a causar surpresa e apreensão à equipa favorita da Marinha Grande, pois a equipa visitada apenas nos momentos finais do primeiro tempo conseguiu uma vantagem que lhe permitiu chegar ao intervalo a vencer por 12-10. No segundo tempo mais uma vez a equipa do JAC-Alcanena, provou o seu valor, e deu a volta ao marcador chegando aos 14-12, com um parcial inicial de 4-0, com a equipa visitada, a apenas conseguir concretizar a sua vitória nos momentos finais do encontro. A equipa do JAC-Alcanena, continua a ter possibilidades matemáticas de estar presente no Play OFF. Carolina Gomes com 6 golos, foi a melhor marcadora do SIR 1.º Maio/CJB, com Raquel Anacleto e os seus 5 golos a ser a melhor marcadora do JAC-Alcanena.

Tivemos ainda no Pavilhão Carlos Queirós, o Assomada / Juventude Lis, que foi um encontro bastante disputado, e que terminou com a vitória da equipa da Assomada, que desta forma rectificou o resultado ocorrido na 1.ª volta, e que foi de grande equilíbrio, em especial no primeiro tempo, que terminou com a equipa de Leiria na frente do marcador por 15-14, no segundo tempo apesar do equilíbrio verificado a equipa da Assomada, assumiu o comando do marcador terminando como vencedora e sendo na nossa opinião uma das grande surpresas pela positiva na prova. Odete Tavares com 6 golos, Dulce Pina, Kassia César, e Edna Oliveira todas com 5 golos cada, foram as melhores marcadoras da Assomada, das 10 jogadoras da Juventude Lis que marcaram golos, Francisca Marques com 6 golos, foi a sua principal marcadora. Ambas as equipas continuam a lutar por um lugar no Play OFF, onde a equipa da Assomada, têm praticamente lugar assegurado (na nossa opinião).

Classificação após estes encontros: - 1.º Madeira SAD (53 pontos), 2.º Colégio Gaia (51 pontos), 3.º Maiastars (42 pontos), 4.º Alavarium (40 pontos), 5.º SIR 1.º Maio/CJB (39 pontos), 6.º Assomada (37 pontos), 7.º CS Madeira (33 pontos), 8.º Juventude Lis (31 pontos), 9.º JAC-Alcanena (29 pontos), 10.º CA Leça (28 pontos), 11.º Académico FC (26 pontos), 12.º Santa Joana (18 pontos).

Continuamos a referir que os nossos principais OCS, pouco ou nada disseram sobre esta prova, é um desprezo total, basta ver a revista de imprensa hoje e de ontem, no site da Federação. Lamentável. 

O Noticias

6 comentários:

Anónimo disse...

desculpem a honestidade. vi o gaia com o madeira e como é possivel o jogo ser tão fraco? ainda querem ter pavilhoes cheios? como? que jogo frustante, só erros, e falhas nas duas equipas. o madeira de quem dizem ter um orçamento milionário e muito acima de qualquer outra equipa joga só aquilo?
que perda de tempo e dinheiro, depois querem markting e que a fap paga a divulgação de espetaculos deprimentes

Anónimo disse...

O jogo gaia-mad foi um jogo normal no que respeita á arbitragem "no comments" mas em relação ao ultimo lance foram corretos, se forem frame a frame a bola saiu da mão ainda o pé de apoio estava no chão. Caso tenham duvidas posso enviar foto do frame para e-mail

Anónimo disse...

O Uli foi ao Vermoim..... Hmmmmm, interessa alguem dali para o Alavarium???

Anónimo disse...

Ao anónimo das 19:59, mesmo frame a frame o pé de apoio já não está contacto com o solo, nem está quieto na mesma posição enquanto a outra parte do corpo está entre os 6 e 9 metros, total razão ao banhadas, e não sou adepto de nenhuma das equipas, tenho é pena de que nem o delegado ao jogo, nem os treinadores do Colégio Gaia, tenham em mente as regras de jogo.

Um adepto do Feminino

Anónimo disse...

Ao anónimo das 23:26

Tal como o senhor também não sou adepto de nenhuma das equipas, mas é totalmente falsa a descrição dada por si e pelo autor do Banhadas.

- O pé da atleta está efetivamente em contato com o solo no momento do remate, podem todos consultar os 2 frames antes e depois do remate, onde se vê claramente isto:

http://tinypic.com/r/2jea22v/9
http://tinypic.com/r/ztx3cw/9

- O jogador não tem que estar “quieto na mesma posição” nem o lançamento livre foi executado “em movimento e em salto”… o jogador pode mexer o seu pé de apoio, tal como nos lançamentos de 7 metros, onde nunca nenhum jogador tem de estar “quieto na mesma posição” porque lhe é permitido arrastar o pé no seu movimento de execução do lançamento.

- Nas mesmas imagens, ninguém pode afirmar em momento algum que o executante do lançamento tivesse ultrapassado com o pé ou qualquer outra parte do corpo a linha de lançamento livre, sendo imediatamente permitido que a ultrapasse assim que a bola sair da sua mão.

- Pelo contrário, este lançamento livre é tão legítimo que inclusivamente não houve qualquer atleta do Colégio de Gaia que se tivesse manifestado lesada com a decisão dos árbitros de validar o golo.

Como tal, devo inferir do seu comentário apenas uma análise pouco fundamentada ou então algum outro interesse oculto nos mesmos.

Um adepto da Verdade Desportiva

Anónimo disse...

Grande entrevista do novo técnico do Santa Joana!!! Em 3 perguntas apenas, destruiu por completo o "colega" que foi substituir. Fica-lhe muito bem!!!! Grande profissional, sim senhora....
Ou terá outros interesses???