gal vence

- Vamos encher os Pavilhões - mas com dignidade a Modalidade merece
Calendário e Resultados na Barra Direita

segunda-feira, 2 de julho de 2018

Encontros Nacionais de Minis – 2017 / 2018 – V


ENCONTROS NACIONAIS DE MINIS
MASCULINOS (PO37) E FEMININOS (PO38)
MAIS UMA VEZ
“ANDEBOL O GRANDE VENCEDOR”

Em Avanca / Estarreja, realizaram-se os Encontros Nacionais de minis, que mais uma vez, foram realizados em simultâneo, de 28-06-18 a 01-07-18, sendo a prova, que encerrou o Calendário Nacional do Andebol na vertente normalmente chamada de “Indoor”.

Mantendo-se a curiosa nota, “As equipas de Minis dos clubes a participar no Garcicup 2018, serão integrados no Encontro Nacional de Minis”, só por curiosidade, foram contabilizados em que organização?

Pois mais uma vez, e como de costume verificaram-se números finais, bem agradáveis, pois segundo a própria Federação estiveram presentes 64 clubes com 116 (nas nossas contas 117, mas poderemos estar errados) equipas, perfazendo cerca de 1600 participantes. Disputando cerca de 376 encontros (Masculinos, Femininos e Mistos), em diversos locais, com as diversas em paralelo que foram integralmente cumpridas, para satisfação dos jovens praticantes, e que segundo as informações recolhidas proporcionaram um excelente convívio o que se saúda

Finalmente, e repetimos:

Continua-se a permitir e até se incentiva a participação de equipas mistas, que nestes escalões são perfeitamente admissíveis, conforme se pode verificar os grandes torneios Internacionais.

A continuação da não definição de ”campeonato”, tornando estas provas, mais lúdicas e de divulgação do que em competições que normalmente trazem, na nossa opinião uma forte carga negativa às mesmas, embora tenhamos a consciência plena de que existem opiniões plenamente contrárias á nossa e que as aceitamos e respeitamos.

Um dos fatores mais positivos desta organização, foi o total esclarecimento sobre a participação de equipas de Andebol de 5, e esclarecidas as condições de participação neste vertente, bem como as idades nos respectivos géneros.”

No entanto, e voltamos a afirmar, continuamos a não entender

“E repetindo o que afirmamos nas últimas épocas, a realização dos dois eventos em simultâneo. Será por certamente, se pretender efetuar uma grande ação de divulgação da modalidade, pois como todos sabemos, ao escolher o mesmo local pelo menos, evitam-se dispersão de meios às equipas participantes, deixando de haver este factor que na nossa opinião era limitativo, e provavelmente levava á tomada de opções por um ou outro encontro, no entanto não altera a nossa sensibilidade do princípio de separação dos encontros, permitindo a divulgação da modalidade em outros locais.”

Assinale-se que tal como na época anterior a FAP promoveu um concurso de Frases / Rimas / Poemas, que teve cinco (3) premiados, sendo os grandes vencedores os nomes abaixo indicados, e com a nota de os prémios terem sido entregue pelos padrinhos do evento o Carlos Martingo e a Selecção Nacional Sub-18 Feminina.

Rodrigo Freire – 9 anos – SP. Oleiros
Maria Manuela Magueta – 8 anos – S. Félix Marinha
Miguel Rocha – 11 anos – FC Gaia

A coreografia mais divertida cujo prémio foi mais uma vez entregue pelos Padrinhos do Evento, a:

CE Levada OK

Fair-Play.

As equipas que se distinguiram neste encontro em termos de Fair play, foram o AC Vermoim CP em Femininos e o Vitória FC em Masculinos.

Apresentamos a mesma imagem tanto em Femininos como em Masculinos, pois o importante foi o Andebol, sem vencedores nem vencidos.

Na PO38 – Femininos
(Foto FAP)
Destinado aos nascidos em 2007/2008/2009, em Andebol 7
Pelo que nos foi dado ler existem fortes limitações à existência de Andebol de 5 neste género, embora possam existir equipas mistas.

Terminou em este fim-de-semana mais uma prova do calendário nacional (as últimas). O Encontro Nacional de Minis Femininos 2017. Na nossa opinião o grande vencedor foi sem dúvida nenhuma o andebol em si próprio, e só por isso estão de parabéns a FAP, a organização, as 30 equipas participantes (16 na vertente 7 e 7 na vertente 5), entrando em linha de conta com as equipas mistas (total de 7), que compreendendo melhor ou pior o espirito de encontro, de troca de experiências e ideias e os conhecimentos que se fizeram, se enquadraram na perfeição na formação desportiva de um atleta, sendo complementada pelas atividades lúdicas extras que foram proporcionadas. Apresentamos os números verificados por Época.

Estão previamente inscritas 22 equipas (15 na vertente 7 e 7 na vertente 5), o significa que no tal temos um número previsivelmente igual ao da época anterior, se entramos em linha de conta com as 7 equipas mistas, previamente inscritas, no entanto, e face ao momento atual o número até poderá ser significativo. Eis os números verificados nas últimas épocas, para análise, de quem quiser:

Época 2010 / 2011 – 10 equipas
Época 2011 / 2012 – 16 equipas
Época 2012 / 2013 – 21 equipas
Época 2013 / 2014 – 16 equipas
Época 2014 / 2015 – 20 equipas (17 na vertente 7 e 3 na vertente 5)
Época 2015 / 2016 – 21 equipas (17 na vertente 7 e 4 na vertente 5)
Época 2016 / 2017 – 29 equipas (17 na variante 7, 4 na vertente 5, e 8 na vertente Mistas)
Época 2017 / 2018 – 30 equipas (16 na variante 7, 7 na variante 5, e 7 na vertente mistas)

Clubes Participantes (30)
(Variante 7) - CP Valongo Vouga A, Maiastars, S. Félix Marinha, Assomada, Alavarium, AC Vermoim, CD Feirense, ARC Alpendorada, CA Leça, CP Vacariça, CP Valongo Vouga B, Juventude Mar, LA Aguada Cima, Passos Manuel, NA Santa Joana, e Porto Salvo.
(Variante 5) – CA Leça, Porto Savo A, AD Academia Andebol SPS, AD Godim, S. Félix Marinha, Cautchú, e Porto Salvo B.
(Equipas Mistas) – AA Avanca, AC Sismaria, Arsenal, Lagoa AC, NA Entroncamento, Passos Manuel B, e Benfica.

Na PO37 – Masculinos
(Foto FAP)
Destinado às idades de 2006 / 2007, para o Andebol 7, agora designados por Minis A.
Destinado às idades de 2008, e seguintes, para o Andebol 5, agora designados por Minis B. Aqui poderão existir equipas mistas.

Tal como já foi dito para a prova feminina, esta foi uma das últimas provas do Calendário Nacional a terminar, e em ambiente de grande festa O Encontro Nacional de Minis Masculinos. Também aqui e na nossa opinião o grande vencedor foi sem dúvida nenhuma o andebol. Estando por esse motivo de parabéns não só a FAP, como a organização (que não deve ter sido nada fácil), a gestão das 86 equipas inscritas (58 na vertente 7 e 29 na vertente 5). Certamente que se verificou quem compreendeu melhor ou pior o espirito de encontro (em vez de Campeonato), trocando-se experiências e ideias, fazendo conhecimentos que se enquadraram na perfeição na formação desportiva dos jovens atletas. Sendo a prova, complementada pelas atividades lúdicas que lhes foram proporcionadas. Em relção as que estavam previamente inscritas (87) (59 na vertente 7 e 28 na vertente 5), verificando-se na prática um número similar, não só às previamente inscritas como ainda ao verificado na época transacta, aqui não entramos em linha de conta com as equipas mistas, no entanto gostaríamos de ver uma evolução. Eis os números verificados nas últimas épocas, para análise, de quem quiser:

Época 2010 / 2011 – 32 equipas
Época 2011 / 2012 – 43 equipas
Época 2012 / 2013 – 41 equipas
Época 2013 / 2014 – 43 equipas
Época 2014 / 2015 – 67 equipas (49 na vertente 7 e 18 na vertente 5)
Época 2015 / 2016 – 73 equipas (54 na vertente 7 e 19 na vertente 5)
Época 2016 / 2017 – 88 equipas (56 na vertente 7, e 24 na vertente 5)
Época 2017 /2018 – 87 equipas (58 na vertente 7, e 29 na vertente 5)

Clubes Participantes (87)
(Variante 7) – ABC, Académico Funchal, Vela Tavira, CD Feirense, GC Universal, Passos Manuel, SIR 1.º Maio, Victória FC A, AD Sanjoanense A, Xico Andebol A, CE Levada A, Belenenses, Estrela V. Sport A, GE Ponte Sor, Lagoa AC A, AA Avanca, Académico FC, Zona Azul, AD Academia Andebol SPS, CF Sassoeiros, FC Gaia A, Juventude Lis A, São Mamede B, Xico Andebol B, CE Levada B, Estrela V. Sport B, FC Gaia C, Juventude Lis B, Lagoa AC B, Vitória FC B, AC Lamego, AC Sismaria, Ismai, CCR Fermentões, IFC Torrense, Macieira AC, SC Espinho, AC. Coimbra, Arsenal, CA Leça, SP. Oleiros, Pinhal Frades, SC Horta, SL Benfica, São Mamede A, AC Vermoim, CD Marienses, Estarreja AC, GC Santo Tirso, GMD União Progresso, Sporting, AD Sanjoanense B, S. Miguel Mato, Boavista FC, CDE Boa Água Andebol, Cister SA, FC Gaia B, e NA Entroncamento.
(Variante 5) – Passos Manuel B, ABC, AC Lamego, Ismai, SP. Oleiros A, Estrela V. Sport, GMD União Progresso, Passos Manuel A, Académico FC, AD Godim A, AD Sanjoanense, Belenenses, FC Gaia A, Maiastars, SC Espinho, Alavarium A, CCR Fermentões, CD Feirense, CF Sassoeiros, FC Porto, GC Odivelas, GC Santo Tirso A, AD Godim B, Alavarium B, CD Marienses, SP. Oleiros B, FC Gaia B, GC Santo Triso B, e GS Loures.

Voltamos a referir que na nossa opinião, os números excederam as expectativas, e já se podem considerar significativos, face ao momento actual em que vive, e á notória falta de apoios, isto aplica-se em ambos os géneros, e onde não vê uma palavra sobre esta actividade é nos principais Órgãos da Comunicação Social, o que é Lamentável, e a que se viu, foi publicidade paga, pela Garci CUP.

Sobre a arbitragem desta vez omitimos qualquer opinião porque a única coisa que se sabe é que existiu, o chamado juramento em termos de Fair Play, pois todo o resto está na penumbra, ou na omissão.

Como nota final Diremos que a programação extra desportiva que estava prevista se realizou na sua totalidade, excedendo até as maiores expectativas, o que se regista com agrado.

O Noticias

5 comentários:

Anónimo disse...

Este evento, tem uma grandeosidade muito interessante, foi "bonito" voltar a ver miudos do algarve a confratizar com equipes do norte, atletas das ilhas a brincarem ao andebol com atletas do alentejo, etc etc... Ate a vertente desportiva, pouco valorizada. Pena as regras do Andebol5, possibilidade de jogarem minis, pois existem disparidades fisicas k promovem grande desiquilibriodesiquilibri. Mas é motivador aqueles jovens atletas a dar os primeiros passos. Mas obvio, num evento desta dimensao, existem pormenores( importantes) k marcam os jovens atletas.. Porque FAP, nao fazer nomeacoes de arbitros credenciados pra jogos destes...é a maior montra do andebol portugues e deixam marca nos jovens atletas... Jogos com jovens aprendizes, k nem pedagogos conseguiam ser, algo importante nestas idades..
Mas a verdade das verdades, este evento é a grande arma do andebol portugues, para o futuro da modalidade.. Parabens a Estarreja!Parabens Avanca, e aos organizadores do evento.

Anónimo disse...

Este evento, tem uma grandeosidade muito interessante, foi "bonito" voltar a ver miudos do algarve a confratizar com equipes do norte, atletas das ilhas a brincarem ao andebol com atletas do alentejo, etc etc... Ate a vertente desportiva, pouco valorizada. Pena as regras do Andebol5, possibilidade de jogarem minis, pois existem disparidades fisicas k promovem grande desiquilibriodesiquilibri. Mas é motivador aqueles jovens atletas a dar os primeiros passos. Mas obvio, num evento desta dimensao, existem pormenores( importantes) k marcam os jovens atletas.. Porque FAP, nao fazer nomeacoes de arbitros credenciados pra jogos destes...é a maior montra do andebol portugues e deixam marca nos jovens atletas... Jogos com jovens aprendizes, k nem pedagogos conseguiam ser, algo importante nestas idades..
Mas a verdade das verdades, este evento é a grande arma do andebol portugues, para o futuro da modalidade.. Parabens a Estarreja!Parabens Avanca, e aos organizadores do evento.

M.C disse...

Boa tarde,
O próprio post já diz muito no entanto, porque estive presente pelo segundo ano consecutivo levanto a questão:

Ao invés de umas horas de mau tempo, o que levou ao cancelamento de vários jogos, que plano B tinha a organização caso durante os dias da prova fossem mais as horas de chuva do que de sol? Estavam presentes equipas do algarve, alentejo e ilhas que comparativamente com as equipas do norte, gastam muito para conseguir estar presente. E não. As equipas de minis dos Açores não contam com apoio público para se deslocarem a estas provas. Apenas os escalões de infantil para cima e apenas o campeão regional. Mas adiante....

Plano B? Pavilhões estavam lotado pois decorreram várias provas em simultâneo.

Arbitragem!

No cômputo geral, jovens e menos jovens estão de parabéns no entanto notou-se claramente que existem pessoas (não considero árbitros bem sequer seguidores da modalidade atendendo ao seu desempenho) que tiveram um apito na boca mas que vivem num mundo completamente à parte do do andebol e do que deve ser a pedagogia nestes escalões.

São dezenas de jogos? É verdade mas tal como noutros departamentos, que se delegue esta organização de modo a que se consiga colocar em campo indivíduos com algum conhecimento.

No Pavilhão do Avanca, a maioria dos jogos tinha 4 oficiais de mesa e um "árbitro".

Sessão de Abertura e Encerramento

Para a primeira e caso chovesse, o plano B seria o pavilhão do Avanca no entanto, comparativamente por exemplo com o municipal de Santo Tirso onde se realizou o evento o ano passado, não tem condições uma sessão de encerramento onde se quer também (julgo eu) que o público e centenas de famílias que acompanharam as suas equipas, participem e assistam.

Não se julgue que este é um evento fácil de organizar e obviamente nunca se conseguirá agradar a todos no entanto penso que de um ano para o outro poder-se-á tirar ilações e melhorar.

Cps
Marco Coelho
Ilha de Santa Maria - Açores

Aplaudir.. disse...

Estive presente, plo Terceiro ano consecutivo e dá.-me gozo, observar a evolução de atletas que foram á três anos e os vejo agora! Este projeto de Mega Encontro tem lógica e deve ser continuado! Ringues, polidesportivos, é o inicio de uma vida desportiva, os atletas tem que se adaptar a todas as realidades, eu cheguei a jogar em campos de cimento, portanto agora é melhorar em alguns aspetos, mas a questão dos recintos julgo ser pouco pertinente.

Sim...a questão da arbitragem parece-me ser um ponta solta, que FAP pode melhorar, é desmotivante para miudos com 7 anos verificarem alguns pormenores , isto tem o sentido contrário ao que se pretende: Fidelizar atletas á nossa modalidade.

Parabéns aos pais que fizeram centenas de km´s para nos acompanhar...

Anónimo disse...

Mas quem vem para aqui falar de arbitragem num Encontro de Minis regulará bem das ideias? Árbitros credenciados?! Afinal onde vão aprender os mais novos?! Se nos minis pedem árbitros credenciados os árbitros que agora se iniciam podem arbitrar o quê?! Treinos?!...

Além disso acham que há disponibilidade de árbitros credenciados (que não são todos de Aveiro, que trabalham, que 1001 motivos...) para irem fazer jogos do Encontro de Minis? Quê tiram férias não?!