gal vence

- Vamos encher os Pavilhões - mas com dignidade a Modalidade merece
Calendário e Resultados na Barra Direita

sexta-feira, 3 de janeiro de 2014

Campeonato do Mundo Qatar – 2015 – XI

PORTUGAL VENCE NA ESTÓNIA
A PORTA CONTINUA ABERTA
 
Portugal aproveitou e bem as palavras do seu técnico pronunciadas em relação a este jogo e que recordamos “Não estamos em situação cómoda, mas há uma porta aberta pela qual queremos entrar. Apesar das ausências verificadas na Seleção na sua maior parte por lesão, recordamos Tiago Rocha, Carlos Carneiro, Cláudio Pedroso e Pedro Solha, poderemos certamente dizer que aqueles que estiveram em campo na Estónia, se portaram como equipa e dignificaram com maior ou menor dificuldade o País que estavam a representar. No entanto só uma extraordinária conjugação de resultados poderá abrir a tal porta, “esperamos pelo milagre”.
 
Num Pavilhão em Polva na Estónia, que com 800 expectadores estava completamente cheio de um publico que por aquilo que nos dado ver apoiaram a sua equipa sem “fanatismos”, criando um bom ambiente. Portugal apresentou-se com algumas novidades como seja por exemplo o jovem Ricardo Pesqueira a defender, Bruno Moreira como pivot ao ataque, e até Fábio Vidrago na ponta esquerda. A equipa portuguesa que aos 23 minutos perdia por 3 golos (8-5), soube ainda no primeiro período dar mais equilíbrio ao resultado, chegando ao intervalo a perder apenas por 1 golo (10-9), mesmo assim devermos dizer que este resultado não era condizente com o que se tinha passado em campo, apesar das muitas falhas ao ataque da equipa Portuguesa, onde é notório a quebra de forma de jogadores como Wilson Davyes e João Ferraz. Um regresso ao jogo com outro ânimo, e após voltar a estar em desvantagem, agora por 2 golos (12-10) cerca dos 35 minutos, arrancou para um período em que tudo corria pelo melhor, efetuando um parcial de 8/0, e colocando o resultado em 18-12 a favor de Portugal á passagem dos 45 minutos. Contando neste período com um guarda-redes de nome Hugo Figueira que esteve muitos furos acima do que se poderia esperar, com uma soberba exibição. Portugal que na maior parte dos segundos 30 minutos utilizou Rui Silva como Central e com bons resultados, pois juntamente com Pedro Portela acabaram por ser os melhores marcadores de Portugal com 4 golos, numa equipa onde se verificou uma forte distribuição de marcadores de golos, de destacar igualmente a prestação do jovem Pedro Pesqueira nas ações defensivas. Agora uma equipa não pode em 6 livres de 7 metros converter apenas 1, pois desde marcações aos postes até para fora fez-se de tudo. Importante ainda destacar que Portugal aos 55 minutos de jogo vencia por uma diferença de 9 golos (24-15), máxima vantagem obtida durante todo o encontro. O encontro foi dirigido pela dupla alemã Fabian Baumgart e Sascha Wild, que na nossa opinião tiveram critérios uniformes tanto na aplicação da Sanção Progressiva, como no sancionamento dos livres de 7 metros, embora a Lei da Vantagem por vezes tivesse sido esquecida, mas na globalidade uma atuação positiva. 
Uma nota final para a enorme qualidade da transmissão em Live Stream, e informar que no outro jogo do Grupo a Bósnia venceu a Letónia por 27-26.
 
Reforçamos o apelo para o público, esteja presente nos dois jogos a disputar em casa enchendo os pavilhões.
 
Uma retificação que devemos efetuar não é só o jogo do dia 12 em Mafra Portugal / Bósnia, que além do carater desportivo, engloba uma vertente de cariz solidário, mas igualmente o jogo de dia 5 em São João da Madeira Portugal / Estónia. Com a Federação a associar-se à ajuda no tratamento do seu colaborador José Casaleiro, secretário técnico da Seleção Nacional “A” Masculina, que atualmente enfrenta uma doença grave, com o objetivo de comparticipar nas despesas e encargos com os tratamentos.
 
Recordar somente de que apenas o vencedor de cada Grupo passará para a Qualificação 2 (Play Off) a que juntará por decisão igualmente da EHF a equipa Alemã. 
 
Resultados de Portugal
1.ª Jornada
Portugal 26 – 29 Letónia
2.ª Jornada
Bósnia Herzegovina 31 – 29 Portugal
3.ª Jornada
Estónia 17 – 25 Portugal

Calendário de Portugal
4.ª Jornada
Dia 05-01-14
Portugal – Estónia (S. J. Madeira) (15H00) Bola TV
5.ª Jornada
Dia 08-01-14
Letónia – Portugal (19H05)
6.º Jornada
Dia 12-01-14
Portugal – Bósnia Herzegovina (Mafra) (15H00) Bola TV

Sem deslumbramentos e excessos de confiança, Portugal ficou num Grupo que lhe permitia, ter serias esperanças no apuramento, agora, mais uma vez, ficamos dependentes de terceiros.
 
O Noticias

7 comentários:

Anónimo disse...

Mais uma vez como sempre em vez de realçar os presentes realçamos os ausentes.

Anónimo disse...

Ricardo Pesqueira e não Pedro Pesqueira ;)

Nuno disse...

O que é necessário para vencer o grupo, além de vencer os 3 jogos que faltam? Que a Letónia bata a Bosnia, e...

Já agora, esta é uma boa oportunidade para efectuar a adiada renovação; elementos como o Carneiro já não trazem nada de novo, e o futuro está em homens como o Rui Silva e o Tiago Pereira.
De qualquer modo, enquanto não tivermos uma liga com mais qualidade (o que não será tão cedo) ou os melhores não emigrarem, a selecção não será competitiva.

Anónimo disse...

Vou fornecer ao Rolando Freitas a minha lista de selecionáveis para próximas oportunidades. Faço-o de borla. A ordem em que aparecem não é aleatória.
GR
Hugo Figueiras
Hugo Laurentino
Humberto Gomes
Pivot
Tiago Rocha
José Costa
Bruno Moreira
PE
Pedro Solha
Fábio Vidrago
Dario Andrade
PD
Pedro Portela
Miguel Sarmento
António Areia
Central
Rui Silva
Pedro Seabra
Tiago Pereira
LD
João Ferraz
Pedro Spínola
Cláudio Pedroso
LE
Gilberto Duarte
Fábio Magalhães
Pedro Cruz
Faça lá agora uma boa seleção, com futuro assegurado!

Anónimo disse...

então por onde andam os grandes entendidos do andebol português que criticavam a convocatória do hugo figueira? ontem só foi o melhor jogador português!
e será que agora já perceberam que o carneiro já não é útil para o seu clube e muito menos para a seleção?

Anónimo disse...

Estou de acordo com a seleção proposta no post das 14.20, mas retiro o Pedro Cruz e o Seabra (muito pequeno para jogar a nível internacional). Coloco o Carlos Carneiro. Porquê? O Pedro Cruz é um jogador razoável, a fugir para o bom, mas só faz a diferença no A. Santas. Se fosse acima da média estava noutro clube que não o A. Santas. O Pedro joga a central, mas aí estão o Rui,o Daves, o Tiago e o Carneiro. e com variantes de alguns atletas como é o caso do Daves, Carneiro, ou o Tiago Pereira, desenrascam a LE, ou seja, qualquer um destes faz melhor LE que o Cruz e simultaneamente joga a central.
O problema do Pedro Cruz é que é apenas razoável e não bom, ao contrário dos que citei, que não sendo muito melhores, estão uns furinhos acima do Pedro cruz. Por muito que custe os LE da seleção são o Fabio, o Grilo (estes por favor) e o Gilberto.
Eu até retirava o Carneiro, mas creio que ainda é cedo, pois a experiencia dele é uma mais valia.
É a minha opinião, que vale o que vale!

Anónimo disse...

O grande problema do Carlos Carneiro é que acaba por se tornar um jogador prejudicial.
Individualista. Marca muitos golos? É relativo. O índice de eficácia é baixo.
Por exemplo, se marca 5 golos é porque remata 15 vezes.
Não é isto uma eficácia muito fraca?
Outros jogadores marcam o mesmo número de golos com menos remates. Logo, um índice de eficácia mais elevado.

O Hugo Figueira alterna o muito bom com o muito mau.
A isto não pode chamar-se um jogador de selecção.