gal vence

- Vamos encher os Pavilhões - mas com dignidade a Modalidade merece
Calendário e Resultados na Barra Direita

domingo, 5 de dezembro de 2010

Campeonato do Mundo Seniores Femininos 2011- IV

TURQUIA - VENCEU O GRUPO

Terminou hoje a disputada do Grupo 3 de apuramento para o Play Off de acesso ao Mundial de 2011.

Iniciamos a prova cheios de expectativas, e terminamos completamente frustrados. Apetecendo perguntar :

E AGORA ??? QUE FUTURO ???

Já tínhamos visto um caso similar, quando a equipa da Madeira SAD, actuou na Holanda, e, agora nos jogos da Selecção Nacional , voltamos a constatar que afinal está tudo na mesma. Nem faremos comentários aos jogos pois os mesmos foram tão maus, que não estávamos à espera , como é possível tantas faltas técnicas, desde maus passes, a faltas de atacante, a violações da área de baliza, passando pelos passos, demos um autentico “recital” deste tipo de faltas. Mas que fez o banco , por exemplo nós perguntamos para que servem os Time Out , no jogo com a Turquia no segundo tempo estamos 12 ( doze ) minutos sem concretizar , e nem um Time out foi solicitado, é triste, pois transmite-se a descrença , para o Grupo . Como é possível a um técnico de uma selecção dizer “… mesmo que se tenha as coisas bem preparadas, quando se cometem mais de 20 faltas técnicas, torna-se muito difícil ganhar... “ ao afirmar-se descarrega-se toda a responsabilidade para as atletas, e alivia-se a “nossa”. Pergunta-se quem escolheu as atletas, e quem as treina, e quem criou as expectativas… Depois esse mesmo técnico termina, com esta frase lapidar, … Estamos a fazer um trabalho a 3 anos , e tenho todas as condições para continuar……

Resultados
Turquia 36 – 26 Finlândia
Bielo-Rússia 28 – 22 Portugal
Portugal 18 – 31 Turquia
Finlândia 21 – 23 Bielo-Rússia
Portugal 25 – 25 Finlândia
Bielo-Rússia 31 – 33 Turquia

Classificação
1.º Turquia, 2.º Bielo-Rússia, 3.º Finlândia e 4.º Portugal

O Noticias

17 comentários:

Anónimo disse...

Ele além de fraco treinador é um homem fraco, sem carácter, pessoa capaz de trair o melhor amigo para atingir os seus fins. Perguntem ao Filipe Calado, ao Paulo Vieira. Só não percebo como uma pessoa como o Torrinha escolhe um Individuo desta personalidade. Foi muito mau o trabalho realizado. Sem qualquer tipo de qualidade, defesa, ataque, contra-ataque.

Anónimo disse...

Nas selecções o trabalho é sempre a longo prazo, que nas masculinas quer nas femininas. Pois assim garante-se o trabalhinho a alguns durante esse longo prazo. Isto tudo quando apenas um treinador das selecções tem mostrado serviço.

Anónimo disse...

Depois de ver os jogos na TV, fiquei sem perceber o que jogou a selecção. Fiquei a saber é nós empatamos com a Finlândia que é a das piores selecções da Europa.Vergonha.Torrinha rasga o contrato na cara do Seleccionador.

Anónimo disse...

O Treinador da Selecção transmite uma imagem real dos treinadores das equipas femininas: não valem nada!
Já se deram ao trabalho de ver quem são os treinadores das equipas femininas? Porque é que acham que o Donner foi campeão nacional? Se por acaso aparecer um treinador que queira trabalhar a sério neste sector, sabem o que lhe acontece? Perguntem ao Donner! Quem faz muita falta no feminino é o Professor José Antonio. A vocação dele é para o feminino (onde começou e não devia ter saido, ou, saindo, seria para desistir de treinar), aqui é que ele estava como peixe na água!
Não exijam mais às miudas pá, elas têm muito que estudar, cursos pra concluir e isto de treinar é uma chatice!
Eu até acho que o campeonato nacional ainda está mal estruturado, deveria ser da seguinte forma: num raio de 20 kilometros fazia-se uma Série. Se só existi-se uma equipa, essa equipa jogava contra si mesmo 10 vezes, até Março. No final de março juntavam-se todas as primeiras classificadas, fazia-se um torneio de dois dias, pela Pascoa, e acabava ali. Vantagens: não se gastava muito dinheiro, as miudas podiam estudar e ainda sobrava tempo para tratar dos arranjos florais das igrejas.
É impressão minha ou já li aqui que os jogos do campeonato feminino deviam ter transmissões televisivas? Daquilo? Ó meus amigos, tenham dó que aquilo é pior que "andebolo" do INATEL!Até adormeci a ver o jogo de Portugal no Domingo!

Anónimo disse...

Uma excelente jornada de porpaganda do andebol feminino e na zona mais envolvente de praticantes como é o caso da Região Autónoma da Madeira.
Resultado o previsto são melhores as selecções da Turquia e Biolo-Russia e uma delas seria a vencedora.Portugal com a mudança de treinador! saída de várias atletas que continuando a jogar, acharam por bem, deixar as brincadeiras e o abandono que os dirigentes federativos deixaram cair as actividades das Selecções Nacionais.
Deste modo o que aconteceu foi muito melhor que o esperado e não se organiza uma actividade de selecções quando se sabe que os resultados não podem ser positivos, passamos a agência internacional de eventos desportivos...

nota: no "time out" da nossa selecção se viu e ouviu a pobreza de argumentos do seleccionador, ridiculo o dialogo técnico e a cara das nossas atletas...
Alfredo

Anónimo disse...

O dito trabalho a longo prazo justifica tudo, incluindo as falhas técnicas, a inoperância defensiva, a falta de soluções no ataque, etc.
Se forem retirados os golos que a selecção marcou resultantes de iniciativas individuais e da qualidade de duas ou três jogadoras, ficamos com uma mão-mal-cheia de golos resultantes do trabalho colectivo.
Até chorei ao vêr como a selecção do meu País estava a jogar mal!
Talvez alguém que perceba de Andebol possa explicar porque motivo a equipa entra sempre mal na segunda parte...
Parece que o tempo do intervalo é aproveitado pelo treinador para "baralhar" as ideias, em vez de as aclarar e ajudar a corrigir o que está mal!
Parabens ás atletas, que responderam à chamada e se esforçaram por minorar a desgraça que é a desorganização criada pelo Sr. Duarte.
Só mais uma coisa: não continue a desculpar-se com coisas parvas tais como as falhas técnicas ou a juventude de algumas atletas. Se lá estão foi porque alguém as convocou. Se precisa de mais experiência (e acredito que em jogos decisivos assim seja) então há mais por onde escolher no nosso campeonato.
Sr. Duarte: não consigo perdoar o mau serviço que prestou ao meu país .

Ass. Um apaixonado pelo Andebol Feminino e por Portugal

Anónimo disse...

Mais um Conselho do funchal a ser enganado pelos mestres do engano no Andebol português.
Tant promessa meteram tudo selecção nacional com a amioria das Atetlas da SAD-Madeira, selecionador? do funchal e despesas da poule á conta dos subsidios estatais?
Eram tantos os elementos afectos á FAP que até parecia que estavamos no continente?
Resultado desportivo, um Flop.. mas a culpa é dos clubes, das atletas, dos treinadores e se o Donner fosse o selecionador, Portugal teria ficado apurado e se tivesse como adjunta a treinadora do Academico/UP então estava tudo numa nice! vamos a gente acredita no homem.Regressa Alex. Donner o LS já não faz parte dos cromos , mas que ainda manda, manda e ninguem pia!
Boa sorte

Anónimo disse...

Apesar do mau desempenho da nossa selecção, e de estarmos efectivamente mais fracos em termos desportivos relativamente ás outras selecções deve-se á péssima estrutura organizativa do nosso campeonato, e ai a culpa não será certamente nem das atletas nem do selecionador, mas sim de quem teve a infeliz ideia de criar o modelo que temos. Querem melhorias? Então começem a varrer pela copula directiva e sigam por ai abaixo.
Quanto ao anonimo que diz "Não exijam mais às miudas pá, elas têm muito que estudar, cursos pra concluir e isto de treinar é uma chatice!" vê-se nitidamente que é quem nada percebe e nada sabe de andebol feminino. Vá para casa tratar-se e leve os seus meninos, porque alguns são bem piores, onde nem treinam nem estudam.

Anónimo disse...

Em casa onde não há tostão todos ralham e alguns têm razão. Mas com projectos coerentes e duradoiros tudo se pode melhorar e minimizar mas nunca tornará Portugal campeão da Europa.
Onde não há campeonato a sério para as POUCAS melhores jogadoras, isto é, quase todas as semanas com jogos intensos e competitivos, não pode haver Selecção Nacional BOA! Mas as jogadoras merecem consideração pelo amor á modalidade que não lhes dá contrapartidas salvo a minoria de excepção.
O resto é descontextualização...

Anónimo disse...

vergonhosa classificação final!

vergonhosa imagem da modalidade passada por esta seleção, em que as atletas sao as menos culpadas, visto que nao sao elas quem anda por esse país a espalhar as virtudes e o suposto potencial dos "projectos" desenvolvidos.

vergonhosos também os comentários feitos sabe-se lá por quem! quem era a comentadora que dizia que o jogo com uma vantagem de 6 estava ganho?? não sabia o que podia acontecer? e porquê que cada vez que uma atleta madeirense ou de um clube da madeira tinha uma acção, se referia as origens da dita? por favor...

se a rtp quer economizar ao menos que encontre nas ilhas quem saiba o que diz!

Num fim de semana com três jogos de andebol em canal aberto é (mais uma vez..) VER-GO-NHO-SO que todos tenham tido uma qualidade miserável! Sermos cilindrados pela turquia, a desilusão com a finlandia e um madeira-benfica completamente descaracterizado - tudo bem que a Federação não tem de ter em conta as limitações da equipa, mas foi realmente mau! penso que todos preferiamos um ABC-Belem

assim vamos, e digam-me se alguém pode afirmar com segurança que "amanhã" o futuro do feminino vai ser melhor...

Anónimo disse...

Duarte Freitas dedica esta derrota à cunhada.

Anónimo disse...

Antes demais queria dizer que o anónimo das 00:02 é um imbecil e um ignorante. No masculino e no feminino existem bons e maus treinadores. Quanto a Portugal, já não ganhamos à 14 jogos (com equipas fraquissimas: suiça, inglaterra e outras que tal) o que diz tudo. Este seleccionador é só mais uma peça, assim como os restantes de fraca qualidade (masc e fem), mas que dão jeito ao Torrinha, que nada percebe de andebol e assim pode opinar e gerir a seu belo prazer. Quanto aos jogos, penso que a crónica de hoje da bola diz tudo o que se tem a dizer, só não explicando o que atletas e treinadores estiveram a fazer 15 dias na Madeira, uma vez que nunca se viu nada tão mau e tão mal preparado.

Anónimo disse...

Ao anónimo das 12h37 de 6 de Dezembro.
Se teve a oportunidade de ver os jogos pela TV ou se esteve no pavilhão e viu muitas pessoas da fap, diga-nos quem? Para além da comitiva oficial,constituida pela equipa técnica, atletas e respectivos responsáveis (onde até o médico reside na Madeira), quem mais viram? O presidente da FAP e a directora de Markting. Não inventem e não digam mal só por dizer, pois a organização foi feita exclusivamente por pessoas da Madeira

Anónimo disse...

Não perguntem ao Paulo Vieira?!Perguntem à Cristina Gomes como é o seleccionador, porque essa é que sabe ao "pormenor" o mau carácter que esse treinador sem curriculum, antigo adjunto de outra velha gloria do nosso andebol (Mário Santos).
Que tristeza a imagem do Andebol Feminino, tanto dinheiro gasto na organização de uma competição e aquela figura lamentável.
Para os mais distraídos a Finlândia está nos últimos lugares no ranking da Europa!
João

Anónimo disse...

Acho inacreditável todas as barbaridades que aqui se escrevem.
Como praticante da modalidade e ex-jogadora da selecção nacional sei bem os sacrificios que as jogadoras fazem para que o andebol feminino não acabe´. É verdade que o modelo competitivo em nada ajuda na evolução do andebol feminino e isso é flagrante não só nestes resultados da selecção como na prestação das equipas portuguesas nas competições europeias. E agora a culpa é das jogadoras? Onde andam os apoios ao andebol feminino? Porque criticam tanto jogadoras que na sua grande maioria jogam por amor à modalidade e no final do mês lhes cai 0€ na conta bancária ( se calham até têm é despesa por jogarem)? Que todos os fins de semana abdicam de muitas coisas que poderiam fazer, para fazer km para jogarem a troco de nada, ou melhor, a troco de terem o prazer de jogar andebol!!!
Obviamente, sr anónimo de 6 de Dezembro de 2010 00:02, as meninas têm de estudar porque infelizmente o andebol feminino não põe pão na mesa de ninguém. Mas mesmo assim, continuam a jogar e se calhar a prejudicar estudos e trabalho para jogarem. Será que devemos ridicularizar em vez de valorizar a situação? Só uma pessoa que está muito longe da realidade do andebol feminino em Portugal é capaz de fazer um comentário tão infeliz.
Afinal de contas, olhamos para os resultados dos masculinos e dos femininos e são semelhantes, ninguém se apura para nada (e a diferença de € ao final do mês é grande). Mas será justo pôr em causa o empenho dos jogadores e jogadoras? Ninguém joga para perder independentemente dos € que ganhe. Acredito que tanto "eles como elas" deixam tudo em campo e não andam apenas a passear camisolas, afinal são eles quem dão a cara e ninguem gosta de ficar mal visto. Ainda assim a culpa será sempre dos jogadores e dos técnicos, são os alvos mais facéis.

Quero, por isso, dar uma enorme Força a todas as minhas colegas que representam a nossa selecção e dar-lhes o meu apoio porque é com os erros que se aprende. E a todas as praticantes pela coragem de continuarem a lutar pelo andebol feminino em Portugal.

Anónimo disse...

Reflexão

A má campanha da nossa Selecção nesta fase de apuramento, deve merecer de todos, uma profunda reflexão. A actual selecção de Duarte Freitas vinha a dar boas indicações, prova disso mesmo, foi a vitória no torneio de Liverpool.
Nesta fase de apuramento, não interessa apontar culpados, mas sim, aprender com os erros cometidos, que foram imensos.
Algumas opções de Duarte Freitas podem ser discutidas, mas falar agora é fácil, contudo, considero que deve observar-se mais jogos, porque há boas jogadoras que tem sido esquecidas. Um desses casos, é Rita Chaves, central da Juve Lis.
Esperava-se muito mais de algumas jogadoras, mas agora o que importa é trabalharmos cada vez mais para que o andebol feminino cresça.
Para que isso aconteça é necessário terminar com este modelo competitivo, que é uma " aberração" e que não beneficia em nada o desenvolvimento do andebol feminino português. É urgente mudar algumas mentalidades, ter mais andebol feminino na televisão, mas para isso há que também melhorar o nível do andebol feminino.
Há que olhar com muita atenção para a fornada que se está a criar nas juniores B. O futuro pode ser risonho, mas todos temos que trabalhar em prol de um objectivo comum, que é o desenvolvimento do andebol feminino em Portugal.

Cid Ramos

Licínio Simões disse...

A nossa selecção está ao nível das piores da Europa, actualmente. Mais do que culpar um ou outro interveniente talvez fosse importante analisar razões de fundo que nos levam a ter uma representação tão modesta ao nível da selecção sénior Feminina. Partindo do geral para o particular:
Já ouviram algum político afirmar que para Portugal é importante afirmar-se no Desporto? Já ouviram algum governante dizer que Portugal deveria afirmar-se na Europa e no mundo através de bons resultados Desporto? E que será feito um investimento nessa área? Os únicos comentários relacionados com isto foram proferidos em relação à nossa principal selecção masculina.
Em relação à nossa modalidade já ouviram falar de algum projecto de desenvolvimento do Andebol Feminino a nível nacional? Estão identificadas as principais características das nossas jogadoras, respectivo perfil, dificuldades diagnosticadas e objectivos a atingir?
Modelo de jogo das selecções existem? Canais de comunicação entre clubes e equipas técnicas das selecções estão criados? Os clubes sabem concretamente o que se pretende atingir na formação de Infantis/Iniciadas e Juvenis?
A resposta a todas essas perguntas é negativa, exceptuando um ou outro caso pontual. Isto revela uma grande falta de capacidade de organização e liderança por parte da FAP.
Do 7 inicial que jogou contra a Turquia uma das nossas atletas realiza apenas 2 treinos por semana!! Será que isto acontece em algum outro país? Talvez no Luxemburgo ou Chipre (provavelmente eles nem competem a nível internacional) Um critério para se ser seleccionada não deveria ser o volume de treino de uma atleta tem no seu clube? Depois existe o mito da eterna renovação. Ainda ninguém percebeu que temos um leque de escolha extremamente reduzido? Que abdicar de atletas de 30 anos que treinam todos os dias, que estão em forma e que participam nas competições europeias nos seus clubes é um erro? Estas atletas deveriam ser uma mais valia para a nossa selecção. Vejam as outras selecções as turcas por exemplo tinham váris atletas de 78/79 e 80.
O que mais me choca, é não ver grande vontade de muitos dos intervenientes em todo esse processo, para terem êxito! Quando temos um seleccionador nacional , o Sr. Mats Olson, que diz que o problema do Andebol Feminino é que as atletas não se levantam Às 6h da manhã para irem correr como fazem as Norueguesas, está tudo dito! Tristemente dito!