gal vence

- Vamos encher os Pavilhões - mas com dignidade a Modalidade merece
Calendário e Resultados na Barra Direita

sexta-feira, 6 de março de 2015

Estrelas em Ascensão na Europa – EHF – I - 2015

A EHF está a publicar textos sobre as jovens Estrelas em Ascensão do Andebol em 2015 (The rising handball stars of 2015), hoje divulgamos um dos textos efetuadas por aquela entidade, precisamente numa semana que poderá ser decisiva, para o clube que representa o FC Porto.
Um novo Jicha no horizonte?
 
O que faz de Filip Jicha, o jogador o melhor jogador do mundo de andebol em 2010, e Michal Kasal terem algo em comum? Não muito, se você perguntar ao último.
 
"Nós somos ambos checos e jogamos na mesma posição," diz Kasal. No entanto, há esperança na esfera do andebol da República Checa que Kasal com apenas 20 anos de idade, que acabou de sair do Cleje um dos participantes VELUX EHF Champions League para se juntar ao FC Porto, mais cedo ou mais tarde chegará ao nível onde Jicha se encontra neste momento. 
 
Kasal já atrai a atenção não só por causa de seu tamanho, pois têm uma altura situada entre 2,07 e 2,09 metros, mas igualmente pelo perfil do seu andebol.
"Claro, sendo que a altura me dá alguma vantagem. Eu tenho um remate forte. Eu me considero um bom rematador de meia distância. Por outro lado, tenho que muito que trabalhar o meu jogo sem a bola e na defesa - como a maioria dos jovens jogadores tem que fazer,". 
 
Kasal, apesar de ter apenas 20 anos, já vive no estrangeiro há quase quatro anos. Depois de dois anos no Barcelona e cerca de meio ano no Celje, ele regressou à Península Ibérica, aceitando um novo desafio no Porto.
 
"Adorei a Barcelona. Cidade maravilhosa, bela natureza, adorei muito da minha vida lá.” 
 
"E sobre a minha carreira, foi um pequeno sonho realizado, estar lá. Barcelona é o melhor clube do mundo para mim e tudo é muito profissional". "Celje foi igualmente uma boa experiência, embora eu tivesse expectativas ligeiramente diferentes. Cada clube deu-me coisas diferentes que ajudaram na minha formação." 
 
Rápida adaptação 
 
Tendo passado quase um mês no Porto, Kasal já estabeleceu na sua nova vida. Claras ambições. Jogar o máximo possível – algo que não tinha acontecido nas suas antigas experiências no estrangeiro. "No momento, eu estou vivendo todo o tempo no Porto. Faz-me lembrar em muitos aspetos de Barcelona: o país, as pessoas, bem como a filosofia do clube. " 
 
"Naturalmente que há diferença entre jogar na Liga dos Campeões pelo Celje e na Taça EHF pelo Porto. "Mas para mim o mais importante é passar bastante mais tempo em campo. No Celje eu não tive muito tempo de jogo na Liga dos Campeões.
 
"No Porto, depois de alguns dias no clube, já joguei 30 minutos no meu primeiro jogo de Copa EHF." 'Kasič' como as pessoas chamam-lhe na República Checa aprendeu a jogar no HC Zubři no leste do país. "Em 2012, venceu o campeonato nacional checo, e ainda no mesmo ano, com apenas 18 anos e idade, transferiu-se para Barcelona. "Eu nunca me arrependi de ir para Barcelona tão jovem. Foi uma boa jogada, e uma lição de andebol para mim, os dois anos de permanência em Barcelona." 
 
"Quando era criança, admirava os jogadores na minha posição. Eu estava um pouco nervoso quando conheci Siarhei e Nikola em Barcelona, mas eles ajudaram-me muito. Eles são verdadeiros profissionais." 
 
Esta parte do artigo publicado na EHF, (link para o texto completo) que despertou a nossa atenção, por envolver um atleta que se encontra num clube português, e que foi publicado numa semana que consideramos decisiva para as aspirações do FC Porto, na EHF CUP.
 
O Formador

2 comentários:

Anónimo disse...

O Magalhães tem tanta influencia assim?

Anónimo disse...

O tempo e o clube ajudam, passar pela Federação também ajuda....


Quanto ao Kasal ver-se-à. Traz potencial, é jovem e do centro europeu das escolas do Andebol Mundial.

Se a ambição é mais do que doméstica, então deve-se olhar para a Europa mais e menos para Cubas, Cabo Verdes e afins, onde se encontra um ou outro excelente jogador e pouco mais. Por mais satisfeito se fique com contratações relativamente baratas e custos à medida.

Os clubes de maior dimensão Invistam na formação e acompanhe-se em condições os jogadores, incluindo os estrangeiros.

Votos de sucesso para o Kasal.