gal vence

- Vamos encher os Pavilhões - mas com dignidade a Modalidade merece
Calendário e Resultados na Barra Direita

quinta-feira, 31 de janeiro de 2019

Crónica Intermédia de Fim-de-semana – 38 – 2018 / 2019 – I – Actualizada


Mais uma crónica intermédia de fim-de-Semana, sobre a PO01, prova a ser disputada com uma enorme irregularidade.

PO01 – Campeonato Andebol 1 Seniores Masculinos.

1.ª Fase
15.ª Jornada
Dia 04-03-19
Benfica - Madeira SAD (19H30)
Dia 13-02-19
SC Horta - Arsenal (21H00)
16.ª Jornada
Dia 06-02-19
Madeira SAD - Ismai (19H00)
Sporting - Águas Santas (20H00)
Dia 27-02-19
AA Avanca - AC Fafe (21H00)
17.ª Jornada
Dia 13-02-19
AC Fafe - Sporting (21H00)
Dia 06-03-19
Sporting - FC Porto (20H00)
19.ª Jornada
Dia 09-03-19
Benfica - Sporting (18H30)
20.ª Jornada
Dia 26-01-19
SC Horta 17 - 34 FC Porto (J/Comentado)
Dia 30-01-19
Boa Hora 33 – 27 CCR Fermentões
AA Avanca 24 – 27 Madeira SAD
ABC 27 – 28 AC Fafe
Águas Santas 28 – 25 Belenenses
Arsenal 16 – 38 Benfica
Dia 31-01-19
Sporting 26 - 24 Ismai

Na sequência do temos vindo a afirmar, disputou-se mais uma jornada, na prova mais irregular, que se tem verificado nos últimos anos, basta ver o número de jogo adiados e o número de jogos antecipados, para termos uma noção da autêntica anarquia, em que a mesma está a ser disputada, e é pena. Hoje nova jornada a meio da semana, que já teve um encontro antecipado (SC Horta / FC Porto). Mantemos e reforçamos a ideia de a mesma têm excesso de clubes para o desenvolvimento do Andebol no nosso País, provocando todos estes adiamentos e antecipações, e colocando por vezes insanáveis problemas de planeamento. De lamentar ainda nesta jornada, a não existência de estatísticas em directo do AA Avanca / Madeira SAD, e a falta da mesma no Arsenal Benfica, jornada onde apenas dois resultados, foram diferente do ocorrido na 1.ª volta (ABC / AC Fafe), a grande surpresa da jornada até agora, e Sporting / Ismai. Felizmente foi disputada sem ocorrências disciplinares.

Actualização

Sporting 26 – 24 Ismai


Encontro disputado no Pavilhão João Rocha, bastante “nu” de público, a ser um jogo, onde a equipa do Sporting, defrontava, a única equipa a tinha derrotado até ao momento. E que se apresentou, como regresso de Valentin Ghionea, e de Manuel Gaspar, e não apresentou o seu lateral Neven Stjepanovic. O Ismai uma equipa que sabe jogar andebol, e que apresenta uma 1.ª linha bastante móvel, e que veio para este encontro com uma estratégia bem definida, ou seja uma defesa consistente, transições rápidas, sempre que pode, e em ataque planeado, sabendo prolongar o mesmo até ao limite do jogo passivo, e com uma razoável ligação entre a 1.ª e 2.ª linha, onde sobressaiu os jogadores, Manuel Borges (30% de eficácia) na baliza e posteriormente Ricardo Castro (40% de eficácia)e o seu principal rematador Délcio Pina (7 golos, 70% de eficácia). Mas volta-se a referir uma equipa com sentido colectivo. O Sporting, por sua vez teve na nossa opinião em Skok (48% de eficácia) na baliza, e em Carlos Ruesga (7 golos, 100% de eficácia) os seus principais, elementos, mas enquanto em termos defensivos teve um comportamento razoável, em termos atacantes, foi de uma anarquia completa, sem tempo de ataque, individualismo a mais, e faltas técnicas em excesso. Manuel Gaspar (23% de eficácia) regressou `baliza mas não esteve feliz, em determinados momentos, apesar de tudo, o jogo teve algum equilíbrio, registando-se 3-2 a favor do Ismai aos 6 minutos de jogo, para cerca dos 14 minutos, o Sporting estar no comando do jogo por 7-3, após um parcial de 5-0, e chegar a um diferencial de 6 golos aos 27 minutos (13-7), para se chegar ao intervalo com o Sporting na frente do marcador por 14-9. No segundo tempo, onde Edmilson Araújo (5 golos, 71% de eficácia) em termos atacantes foi uma mais valia, chegou a ter 8 golos de vantagem aos 36 (19-11) e aos 43 minutos (22-14), para de seguida entrar em funcionamento o individualismos e as faltas técnicas, com a equipa do Ismai a saber aproveitar, e com Manuel Gaspar a estar infeliz na baliza, o diferencial foi sendo reduzido até terminar com apenas 2 golos de vantagem, notou-se uma diferente condição física em alguns dos seus principais elementos. Uma referência final para o facto de 12 atletas do Ismai, terem concretizado golos. Dirigiu o jogo a dupla Internacional Feminina do Porto, constituída por Marta Sá e Vânia Sá, que não estiveram isentas de erros, mas sem qualquer influência no resultado, estando bem em especial na sanção progressiva e menos bem nos passos.

AA Avanca 24 – 27 Madeira SAD

Jogo disputado no Funchal por inversão do pavilhão “ a nova moda”, perante uma fraca assistência, tivemos um jogo em que durante os trinta minutos iniciais, as duas equipas apresentaram sistemas defensivos diferenciados, pois enquanto o Madeira SAD defendia com uma defesa aberta em 3:3, a AA Avanca, defendia em 6:0, com ambas equipas a jogarem ao ataque com bastantes precauções, e tivemos um forte equilíbrio em especial até aos 16 minutos, quando o marcador assinalava 8-7 a favor do Madeira SAD, equipa que comandou quase sempre o marcador, sabendo aproveitar as falhas técnicas do adversário, com ambas as equipas a utilizarem as transições rápidas, com Nuno Carvalho (4 golos) nos 6 metros a realizar um bom jogo, assim como o jovem Francisco Pereira (4 golos) na organização do ataque do Madeira SAD, que teve em Gustavo Capdeville, e Luís Carvalho, na baliza dois dos seus principais elementos, com Emanuel Ribeiro na baliza da AA Avanca, abaixo do esperado, neste período o Madeira SAD chegou a dispor de uma vantagem de 5 golos, aos 23 e aos 28 minutos. No segundo tempo tivemos uma melhoria de rendimento da AA Avanca onde o seu guarda-redes Luís Silva, esteve bastante bem, e soube aproveitar as falhas técnicas do Madeira SAD, e com ambas as equipas a manterem os seus sistemas defensivos, no entanto o Madeira SAD ainda consegue chegar aos 6 golos de diferença aos 37 minutos (21-15), e a partir dos 46 minutos começou-se a notar algum cansaço nas duas equipas, com menos discernimento, nas suas acções, Alguns jogadores fizeram a diferença nas duas equipas, com Ruben Ribeiro (5 golos) a ser uma das principais figuras da AA Avanca, bem acompanhado por Diogo Coelho (3 golos) nos minutos finais, uma palavra final para o facto da equipa continental ter tido 10 jogadores a marcarem golos, e de ter tido um segundo tempo onde apesar das falhas técnicas, terminar o encontro com um diferencial de apenas 3 golos. No Madeira SAD, a experiência de Elledy Semedo foi fundamental com os 6 golos, e com Daniel santos a ser o marcador dos 7 metros a chegar aos 7 golos. Com esta vitória a equipa do Madeira SAD confirmou o resultado da 1.ª volta Com arbitragem de uma dupla mista da Madeira, constituída pelo Internacional Duarte Santos e por Gonçalo Aveiro, uma alteração de última hora. Mas poderemos dizer que tiveram uma actuação bastante positiva.

Águas Santas 28 - 25 Belenenses

Jogo realizado em Águas Santas, com o pavilhão a apresentar uma fraca moldura humana, e que foi por nós considerado como um dos principais encontros da jornada. O piso do Pavilhão apresentava-se com bastante humidade, e teve certa influência no comportamento técnico dos jogadores, obrigando a diversa interrupções para limpeza do mesmo. Tivemos um encontro mais disputado e mais emocional, do que bem jogado, mas com uma entrega total dos seus intervenientes. As equipas que se apresentaram com sistemas defensivos diferentes, o Águas Santas com um 6;0, bastante flexível, eo Belenenses em 5:1, onde Nelson Pina (5 golos, 63% de eficácia), para nós um dos homens do jogo, era “pau para toda a obra”, e como de costume António Campos (34% de eficácia) dava a confiança à sua equipa, e com Pedro Cruz (9 golos, 60% de eficácia, o em 1 de 7 metros) igualmente em bom plano, a equipa do Águas Santas comandou o jogo e o marcador até aos 34 minutos (16-15), depois de ter chegado ao intervalo a vencer por 15-12, e de ter chegado a ter 5 golos de vantagem cerca dos 27 minutos quando vencia por 15-10, mas o Belenenses, nunca desesperou e aplicou uma receita defensiva forte, onde Roney Franzini na baliza (34% de eficácia), foi preponderante, com Miguel Moreira a chegar aos 31% de eficácia), mas as faltas técnicas da equipa do Belenenses a serem sempre bem aproveitadas pela equipa maiata, estavam a fazer a diferença, e um item que teve peso no resultado final diz respeito aos 7 metros onde a equipa do Belenenses, não concretizou seis (6), umas por mérito de António Campos outras por serem marcadas para fora, mas aos 35 minutos após uma boa reacção a equipa do Belenenses, iguala a 16 golos, para passar para a frente do marcador pela 1.ª vez aos 41 minutos por 19-18, com João Ferreira em dia sim (7 golos, 50% de eficácia, 1 em 2 de 7 metros), mantendo-se o jogo equilibrado até aos 48 minutos (igualdade a 24 golos), com os maiatos a assumirem mais uma vez o comando do marcador até final do encontro, com Mário Lourenço (5 golos, 83% de eficácia, 1 em 1 de 7 metros), a ser juntamente com Francisco Fontes (3 golos, 60% de eficácia), das figuras mais preponderantes na sua equipa. Com esta vitória a equipa do Águas Santas, continua completamente dentro da discussão pelos 6 primeiros lugares da classificação, aqueles que dão acesso ao Grupo A, na Fase Final. Ganhando vantagem pontual sobre o Belenenses, e sobre o ABC, passando a ocupar o 3.º lugar da classificação- Jogo dirigido pela dupla bracarense constituída por Fernando Costa e Diogo Teixeira, que não estiveram bem, na nossa opinião com fortes desequilíbrios na sanção progressiva, na lei da vantagem, sem critério nas faltas dos atacantes, enfim já os vimos a fazer melhor.

No Flávio Sá Leite, perante uma fraca assistência, tivemos o ABC / AC Fafe num confronto minhoto, que terminou com a vitória surpresa da equipa do AC Fafe, sendo o único encontro onde se verificou um resultado diferenciado do ocorrido na 1.ª volta, desta Fase, foi um encontro disputado sempre com grande equilíbrio e alternâncias no marcador, nos primeiros 30 minutos, o AC Fafe entrou melhor em jogo, fez 2-0. O ABC reage e iguala o marcador, para posteriormente permitir que o AC Fafe volte ao comando do jogo e do marcador, e aos 20 minutos vencia por 11-9, para se chegar ao intervalo a vencer por 14-13, e já estava a causar uma grande surpresa. No segundo tempo o ABC dá a volta ao marcador e aos 39 minutos vencia por 19-16, para o AC Fafe, realizar um parcial de 5-0, e aos 48 minutos estar na frente por 21-19, para até final do encontro nunca mais perder o comando do jogo, e com esta vitória originar a grande surpresa da jornada. Humberto Gomes na Baliza do ABC com 30% de eficácia, foi um dos seus principais elementos, e com 10 jogadores a marcarem golos, demonstração de que o seu treinador tudo tentou para virar o adverso resultado, com Hugo Rocha (100% de eficácia, 4 em 4 de 7 metros), e Rafael Peixoto (100% de eficácia,), ambos com 5 golos, foram os principais marcadores do ABC. No AC Fafe, onde Nuno Silva na baliza chegou aos 28% de eficácia, e teve em Luís Pereira com 7 golos (88% de eficácia, 6 em 6 de 7 metros), e em Rui Rolo (67% de eficácia), e Gualter Furtado (55% de eficácia), ambos com 6 golos, foram os seus melhores marcadores. Com esta derrota o ABC atrasasse na discussão por um dos lugares no Grupo A, embora esteja na discussão por um desses lugares, o AC Fafe, com esta vitória embora continue nos últimos lugares da classificação ultrapassou o SC Horta.

Em Tebosa, por ocupação do Flávio Sá Leite, tivemos o Arsenal / Benfica, jogo entre um dos primeiros classificados e a equipa que apenas regista derrotas em todos os jogos disputados até ao momento, que terminou naturalmente com a vitória do Benfica, por números completamente esclarecedores, de que levaram a sério este seu encontro não concedendo qualquer facilidade. Uma nota negativa para a não existência de qualquer estatística do jogo. O Resultado ao intervalo já era completamente esclarecedor da vantagem da equipa do Benfica (18-8), para a diferença se acentuar no segundo tempo, o que permitiu ao técnico do Benfica, realizar um autêntico controlo do jogo, e gerir o seu plantel. Com esta vitória o Benfica continua, nos primeiros lugares da classificação e completamente integrado na discussão pelos mesmos, por sua vez o Arsenal, situação na situação contrária, continuando com apenas derrotas nesta fase da prova. Horácio Silva com 5 golos foi o melhor marcador do Arsenal, por sua vez no Benfica onde 11 atletas marcaram golos, os seus principais marcadores, com cinco (5) golos, foram (Davide Carvalho, Paulo Moreno, e Gonçalo Nogueira).

No Pavilhão Fernando Tavares, disputou-se o Boa Hora / CCR Fermentões, num encontro que tinha sido anunciada a sua transmissão pela Andebol TV, mas a mesma apenas chegou cerca dos 24 minutos de jogo. Boa Hora que neste encontro, já apresentou o seu regressado guarda-redes Denis Tiselita. Foi um encontro, que face aos últimos resultados das duas equipas, se previa equilibrado, no entanto o Boa Hora assumiu o comando do jogo e do marcador, desde o minuto inicial e aos 20 minutos de jogo já vencia por 12-8, e aos 26 minutos vencia por um dos maiores diferenciais, registados até ao momento (16-11), para atingir o intervalo a vencer por 19-13. Com o Boa Hora, sempre no comando do jogo e do marcador aos, 52 minutos vencia por 30-23, o maior diferencial registado até ao momento, e que já se tinha verificado algumas vezes, com esta vitória a equipa do Boa Hora, rectificou o resultado verificado na 1.ª volta. Francisco Tavares (70% de eficácia, 2 em 2 de 7 metros), e André Alves (70% de eficácia), ambos com 7 golos, caca, foram os melhores marcadores do Boa Hora, Com os homens da baliza Denis Tiselita e António Ribeiro a terem a mesma eficácia (40%), e aqui esteve uma das grandes diferenças entre estas duas equipas, na baliza do CCR Fermentões, apenas Pedro Carvalho esteve bem (26% de eficácia), tendo como seus melhores marcadores, José Pinto (6 golos, 67% de eficácia, 1 em 1 de 7 metros) e João Barbosa (5 golos, 100% de eficácia, 1 em 1 de 7 metros.

Classificação actual – 1.º FC Porto (- 1 jogo, 55 pontos), 2.º Benfica (-2 jogos, 50 pontos), 3.º Sporting (-3 jogos, 49 pontos), 4.º Águas Santas (-1 jogo, 48 pontos), 5.º Belenenses (45 pontos), 6.º ABC (44 pontos), 7.º Madeira SAD (-2 jogos, 42 pontos), 8.º Boa Hora (+1 jogo, 37 pontos), 9.º Ismai (-1 jogo, 34 pontos), 10.º AA Avanca (-1 jogo, 31 pontos), 11.º CCR Fermentões (27 pontos), 12.º AC Fafe (-2 jogos, 26 pontos), 13.º SC Horta (- 1 jogo, 25 pontos), 14.º Arsenal (- 1 jogos, 19 pontos). 

O Banhadas Andebol

9 comentários:

Anónimo disse...

Se ao fim de semana ja há ausencia de publico , quanto mais ao dia de semana com muita chuva e futebol na televisão.
A Calçada da Ajuda parece a Venezuela nao ouvem ninguem .

Anónimo disse...

Recordando:

"Anónimo disse...

Infelizmente o ABC está cada vez mais em quarto minguante e em risco de ficar em lua nova.
Pode-se discutir agora esta ou aquela opção do treinador ou o próprio treinador, o plantel ou este ou aquele jogador, este ou aquele arbitro, esta federação ou aquela liga.
A verdade é que o ABC está cada vez mais pequeno, menos enraizado na Cidade e na Região, logo mais pobre e consequentemente mais fraco.
É ou não verdade que ganha cada vez menos? Nos escalões jovens e nos seniores. Nestes os últimos pela mão de Carlos Resende foram fantásticos mas provavelmente, e oxalá eu esteja enganado, o canto do cisne do grande ABC.
Mas porquê tudo isto? Porquê esta "fatalidade"? Alguma razão há de haver. Certamente haverá causas para esta "descida da rampa".
Por favor dirigentes , sócios, simpatizantes e também autarcas meditem, meditem muito.
E os primeiros (actuais e anteriores) e os últimos metam também "a mão na consciência"! Olhem que não ficam nada bem na fotografia..."

Os efeitos referidos na mensagem transcrita vão-se manifestando. Cada vez mais frequentemente. Agora só falta começar a "caça às bruxas"...
Triste. Muito Triste.
É preciso reformar para não ser preciso revolucionar. Se ainda se for a tempo.
Nada do que vai acontecendo é surpresa para vem seguindo com um pouco de atenção o ABC.
Este triste e arrepiante rumo é velho, nada tem de novo, nem começou com esta Direcção.
Custa-me escrever este texto pois pode parecer que estou a atacar e criticar os actuais responsáveis, o que não é o caso pelo menos para já, e também pelo que me dói ao ver o ABC a esvair-se.

Anónimo disse...

Diogo Teixeira e Fernando Costa obtiveram um desempenho muito aquém daquilo que lhes é exigido, de tal modo que deveria ser apenas nomeados para jogos de minis.
Um abraço.

Anónimo disse...

Manas acumularem erros como sempre,desta vez não teve influência mas teve no madeira sad boa hora em todo o jogo e principalmente no ilúlti lance que podia dar empate a equipa lisboeta. Quanto ao ABC, acabou se estado de graça do treinador, muito fraco, ao nível de 2 ou 3 que jogam sem ambição e passam mais tempo a falar c arbitro do que com seus jogadores. Sporting muito fraco, porto claramente favorito ser campeão

Anónimo disse...

Os miúdos que apitaram o AS - Belém foram de uma mediocridade tal que até um morto se enervava ou saltava das catacumbas.
Sabemos que a arbitragem do andebol português está pela rua da amargura. Mas estes senhores estavam ao serviço do andebol ou então de quem?
Foi muito, muito mau.

Anónimo disse...

ah e tal o campeonato tem equipas a mais e não é competitivo.. bla blá blá.
Respeitem as equipas que jogam de borla.

Anónimo disse...

O que os jogadores do Fafe fizeram ao seu ex-treinador é vergonhoso! Claramente fizeram de tudo para que fosse despedido!!


Jogadores de segunda é o que dá!!

Anónimo disse...

Os jogadores do Fafe já tinham feito a cama ao outro treinador, este foi apenas mais um... E dois bons treinadores desperdiçados pelas gentes que se acham muito sabichonas e importantes.

Equipa fraca, jogadores fracos, e adeptos que não percebem isso mesmo, e querem milagres? Esses só acontecem uma vez na vida.

Segunda é o destino deles.

Anónimo disse...

Não digam asneiras que ficam mal.