gal vence

Mundial Sub-19 Mas. Portugal nos 1/2 Final Perde com Egipto 41/36 - Vamos encher os Pavilhões - mas com dignidade a Modalidade merece
Calendário e Resultados na Barra Direita

sábado, 5 de janeiro de 2019

Selecção Nacional “A” – Torneio na Suíça - II


PORTUGAL NA
47.ª EDIÇÃO DA YELLOW CUP  

PERDE COM A SUÍÇA
NA
YELLOW CUP 
(Foto FAP)
Portugal, depois de no seu primeiro jogo no Torneio realizado na Suíça, designada por “Yellow CUP”, que está a decorrer até 06-01-19, em Winterthur (Suiça), ter sofrido uma derrota diante a equipa da Tunísia, defrontou hoje na 2.ª jornada do Torneio a equipa da Suíça.

Mais uma vez defrontamos a Suíça neste Torneio, e tal como em 2016 (33-31), Portugal, voltou a perder desta vez por 28-25, quando em 2016, tinha sido por 33-31. Portugal, mais uma vez entrou mal no jogo, e de tal forma que aos 7 minutos de jogo perdia por 6-0, apenas concretizando o seu 1.º golo, aos 9 minutos (6-1), chegando a estar a perder por 7-1 (10 minutos), para depois encetar uma excelente recuperação, face á forte melhoria defensiva, onde Alfredo Quintana, esteve melhor do que no jogo anterior, e atitude da equipa melhorou igualmente, mas existe sempre um mas, e precisamente quando Portugal se encontrava em recuperação e tinha acabado de marcar um golo, o Seleccionador Nacional é sancionado com 2 minutos seguido de desqualificação (bem), pois a forma como se dirigiu a um dos árbitros, por muita razão que tivesse, é completamente inapropriada, e imprópria de um Seleccionador, para mais com a experiência que tem, e com esta sua atitude, apesar da tentativa de Paulo Fidalgo, que resultou infrutífera, prejudicou, em especial a imagem da Selecção Nacional. Estavam decorridos cerca de 18 minutos de jogo. Portugal quase de imediato iguala o jogo a 8 golos, para de seguida os suíços voltarem a assumir o comando do jogo e do marcador, e tal como em 2016 com o seu guarda-redes Portner, a ser uma das suas principais figuras, e atingimos o intervalo a com a Suíça na frente do marcador por 15-13. Mas continuamos a fazer inúmeras faltas técnicas, sendo que desta vez Fábio Magalhães foi na nossa opinião o jogador menos na equipa apesar dos 3 golos concretizados. No segundo tempo, voltamos a entrar mal, e apesar de Diogo Valério ter até defendido um 7 metros, teve de ser substituído por Alfredo Quintana, e aos 45 minutos de jogo, perdíamos pela maior diferença que se verificou em todo o encontro (23-16), pontificando na equipa Suíça, Lenny Rubin (6 golos), e ainda Roman Sidorowic (4 golos), bem Kuttel (2 golos), que esteve menos em jogo do que esperávamos, no entanto Portugal, aumentando a sua agressividade defensiva (no sentido positivo), conseguiu ir reduzindo progressivamente o marcador, em especial através de Gilberto Duarte (5 golos), e na nossa opinião o jogador mais da equipa Nacional, chegando a um diferencial de apenas dois (2) golos (26.24), aos 57 minutos e 30 segundos, para o encontro terminar por diferencial mesmo assim aceitável face ao que produzimos, o factor mais positivo na nossa opinião foi o facto de termos 12 jogadores a concretizar golos. Jogo dirigido e bem pela dupla constituída por Ivan Pavicevic e Miles Raznatovic, que na nossa opinião estiveram completamente desequilibrados na sanção progressiva, mal na lei da vantagem, e com algumas falhas no julgamento dos 7 metros.

Resultados e Calendário dos jogos

1.ª Jornada
Dia 04-01-19
Tunísia 31 – 28 Portugal
Suíça 28 – 28 Japão
2.ª Jornada
Dia 05-01-19
Tunísia 3431 Japão
Suíça 28 – 25 Portugal
3.ª Jornada
Dia 06-01-19
Japão - Portugal (12H00)
Suíça – Tunísia (14H30)

Horas No Continente

Nota - todos os jogos são transmitidos, em handballtv.ch

O Noticias

2 comentários:

Anónimo disse...

Quando leio "jogo dirigido e bem pela dupla..." fico de boca aberta. Entramos a perder por 6 porque entramos mal. Até aqui tudo bem, contudo a verdade é que desde o 1º minuto os árbitros arbitraram de forma tendenciosa e esta leitura, fácil de fazer logo nos minutos iniciais, desespera qualquer treinador que percebe logo que ganhar está fora de hipóteses dado o equilíbrio das equipas. Excluíam os nossos por dá cá aquela palha e não o faziam para a Suiça e o que era atacante para nós era sete metros para eles. Começaram a excluir Suiços (com exclusões duvidosas) quando estes tinham vantagem confortável no marcador, para equilibrar as exclusões.
Os árbitros disseram ao que iam logo nos minutos iniciais. Agora vamos à atitude do nosso seleccionador: foi uma falta de respeito o que fez porque não dignificou um país que merece ter como porta bandeiras gente de calibre mais urbano. Possivelmente ganhou o respeito da equipa, mas perdeu o respeito de muita gente. Se são estes os valores de fair play do NOSSO treinador estamos muito mal representados.
Para além disto: alguém me sabe explicar porque convoca um jogador junior B para o estágio de Dezembro e depois o substitui pelo Moreno? Não há um critério de opções no caso de lesões ou outros motivos que impliquem substituições? Quantos pivots estão à frente deste jovem que nem na equipa de juniores B tem lugar cativo? Se alguém se lesionar a sua substituição é feita por moeda ao ar?
Levamos um GR de seleção mais dois jovens (Valério???) e deixamos aqueles que substituirão o Quintana se este se lesionar? No futuro as opções são um GR firmado e dois jovens? Não deveríamos levar dois GR de estatuto e um jovem?
Nestas duas situações não era importante que o seleccionador justificasse a sua decisão? Quero, posso e mando? Sou Deus?
Esse discurso de introduzir jovens é para quem? Não foi isso que o Matts fez? Não foi isso que o Rolando fez?
O nosso selecionador ainda não percebeu que sem um LD o jogo não flui para o lado esquerdo? Está zangado com o Ferraz e com o Jorge Silva?
Possivelmente vamos conseguir o apuramento para o Europeu porque o grupo é fraco, logo,fácil, mas depois de vermos o jogo contra a Roménia onde não jogamos nada, mais o jogo contra a Lituânia onde tivemos os Deuses todos a nosso favor, não é nada difícil perceber que podemos apurar mas com um andebol rasca, que é a negação do andebol que se deseja.
Confesso que não me lembro deste facilitismo todo de ver Portugal a preparar-se em torneios fora do país, como está a acontecer agora e como aconteceu no jogo contra a Servia, onde teve direito a estágio na Roménia.
Já é altura do nosso seleccionador começar a perceber não somos todos estúpidos onde por graça do Divino ele é o inteligente para dirigir esta corja de estúpidos. É bom que desça à terra.

Anónimo disse...

Gostava de saber o que ainda veem no Fábio. Há uns anos, potencial, mas hoje? Os mesmos erros, as mesmas lacunas. Porquê continuar a apostar num jogador que certificadamente não é uma valia